24.11.09

Um país que é, gosta e quer ser ainda mais desigual

A elite mais letrada adora dizer que o povo brasileiro é formado por um bando de bestas mal informados que se importam mais com sexo do que com os assuntos políticos do Brasil.

Agora eu pergunto: como se interessar pelo que é publicado nessa imprensa brasileira?

Há meses lemos matérias sobre uma tal disputa sobres uns tais "royalties". Pois na próxima pesquisas dessas que só perguntam coisas que o povo brasileiro não está interessado em saber por enquanto adicionem uma pergunta: "Você sabe o que royalty?"

Quantos, meus caros, sabem o que é royalty? Poucos, muito poucos. Talvez menos do que o número de brasileiros que fazem questão em votar num candidato apoiado por Efeagacê.

Pois pronto, regojiza-se a elite sabichona. "Prova de que o brasileiro é um sujeito ignorante, que não sabe sequer o que é royalty". Sinceramente, não é nem engraçado a mesma classe que sempre dominou o poder no Brasil e privou a maior parte da sua população de ter acesso a serviços de qualidade, como o de educação pública, agora orgulhar-se de ser mais "inteligente" do que a média do povo.

Com base no "Aurélio", pode-se dizer que Royalty é "um valor cobrado pelo proprietário de (...) um processo de produção (...) para permitir seu uso ou comercialização".

A briga sobre o royalties se dá por causa da descoberta dessa grande quantidade de petróleo abaixo da camada do pré-sal ainda dentro do espaço territorial marinho brasileiro, isto é, o petróleo é do Brasil apesar de estar abaixo do oceano e a milhas de distância do nosso litoral.

Os estados donos dos litorais mais próximos às reservas petrolíferas querem que os royalties (dinheiro, grana, bufunfa) provenientes da extração desse petróleo fique só pra eles. O resto do país quer que os valores sejam destribuídos com outros estados.

Desculpem se a partir deste momento este texto ficar pior ainda do que no seu início, mas este é realmente um assunto muito chato e só o escrevo para não dizerem que me calei sobre o assunto.

Chamo os leitores a uma rápida reflexão antes de declarar explicitamente minha opinião sobre o assunto.

Por que São Paulo é tudo isso que é? Maior PIB do Brasil, economia pujante e tal... O povo paulista é mais trabalhador do que o do resto do país? Não, tem gente trabalhadora no país todo. São Paulo tem mais riquezas naturais? Não, muito pelo contrário. A posição geográfica é estratégica? Não, fosse isso o nordeste, que ficava mais perto da metrópole seria mais desenvolvido.

São Paulo é tudo que por causa da enorme quantidade de dinheiro históricamente investida ali. Dinheiro arrecado por todo o país e desigualmente investido ali. A cidade de São Paulo, lembrem, tem uma orçamento maior do que a de qualquer estado da federação, a exceção, é claro, do próprio estado de São Paulo.

A distribuição dos royalties concentrada nos "estados produtores"(lembrando que o petróleo está a 300 km do pedaço de chão seco mais próximo) viria agravar uma triste realidade brasileira a desigualdade regional.

O tais "estados produtores" são Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina. Aumentar desproporcionalmente os repasses e os investimentos destes estados seria uma desgraçada para todo o país, inclusive para eles.

Interessa ao Rio de Janeiro ser um estado rico rodeado de probeza? Interessa a São Paulo aumentar o nível de migração de regiões mais pobres para as periferias paulistas? Não creio que interesse, não pode interessar.

Digo com todas as letras, se este petróleo tivesse sido investido "perto" do litoral potiguar, paraense ou paraibano seria diferente sim!

Claro que não dá pra esperar que os governadores e parlamentares destes estados defendam esta opinião aqui colocada, mas o Congresso Nacional tem de tomar suas decisões como representante do povo, e de todo o povo brasileiro.

Constituição Federal:

"Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:

III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais"

Nenhum comentário: