3.11.09

Agressão de Aécio ou a Aécio?


O jornalista Juca Kfouri publicou por volta do meio dia de 1º de novembro uma nota em seu blogue (acesse aqui) denunciando que o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, teria dado um empurrão e um tapa na sua acompanhante na festa da Calvin Klein, no Hotel Fasano, no Rio de Janeiro. A festa ocorreu uma semana antes de Juca publicar a nota.

A jornalista Joyce Pascowitch publicara nota no dia seguinte à festa (26/10), mas não citava nomes (acesse aqui). Dizia:

"Um dos convidados mais importantes e famosos da festa que o estilista Francisco Costa, da Calvin Klein, deu na piscina do hotel Fasano, no Rio, nesse domingo, acabou estrelando uma cena que deixou todos os convidados constrangidos. * Visivelmente alterado, ele deu um tapa na moça que o acompanhava - namorada dele há algum tempo. Ela caiu no chão, levantou e revidou a agressão. A plateia era grande e alguns chegaram a separar o casal para apartar a briga. O clima, claro, ficou muito pesado"

Depois da nota de Kfouri a assessoria de imprensa de Aécio desmentiu a informação e a classificou como caluniosa.

Bem, estranho seria se a assessoria de imprensa de um pré-candidato a presidente da República dissesse: "É verdade, Aécio bateu numa mulher". Ainda mais sendo que não há fotos, vídeos e o caso pode ser facilmente abafado. E covenhamos, quantos casos existem que todo mundo sabe, mas que são abafados pro conveniência?

Alguém aí pode me dizer de que foi o deputado Luís Eduardo Magalhães faleceu? Parada cardíaca? Igual a da Cássia Eller?

Deixa pra lá. Voltemos ao caso Aécio Neves.

O governador mineiro não é um político qualquer. Ele é pré-candidato a presidência e jornalista adora falar de eleição. Desde de 2006 fala-se em 2010 e quando a eleição passar falar-se-á sobre 2014 até este chegar e assim por diante.

Assim, a imprensa anti-serrista (formada principalmente por Rodrigo Vianna, Luiz Carlos Azenha e Paulo Henrique Amorim) não quer saber se Aécio bateu ou não bateu na sua acompanhante/namorada. A imprensa anti-serrista está preocupada porque esta notícia é ótima para o governador José Serra na disputa interna pela indicação para candidato a presidência pelo PSDB.

José Serra, como se sabe, é um craque em destruir reputações. Perguntem à Roseana Sarney e ao Ciro Gomes.

Isto, porém, não anula o fato de que Aécio pode ter agredido fisicamente uma mulher. "Ah, mas ela negou ter sido agredida". E daí? Quantas negam, escondem?

Eu não posso afirmar que o fato aconteceu ou que não. Apenas quem lá estava. Joyce Pascowitch e Juca Kfouri ou lá estavam ou lá tinham fontes, não inventariam o fato do nada.

E além do mais, por que Juca Kfouri, um dos jornalistas mais sérios do país, faria uma acusação como esta utilizando nada além da própria reputação? Seria Juca membro do "Sistema Serra de Comunicação"? Não creio. Nesta história toda, Juca é o mais respeitável.

Serra, imprensa anti-serrista, Aécio, namorada do Aécio... não compraria um carro usado de nenhum destes.



PS: Este blogue faz questão de deixar claro que torce muito para que José Serra seja o candidato tucano à presidência da República.

4 comentários:

Gabriel Tatagiba disse...

Por quê você prefere Serra? cha que el tem menos chances?

Eduardo Braga disse...

Certamente

Gabriel Tatagiba disse...

Pra te dizer a verdade minha intuição acha que Aécio tem mais chances também. Essa mesma intuição acredita que Casagrande é favorito para governador mesmo como dissidente. Mas as pesquisas recall estão aí.

Eduardo Braga disse...

Você poderia fazer um texto sobre a sucessão estadual de ES para eu publicar aqui hein.

Tenho amigos aí que juram de pé juntos que o Casagrande não tem chance