3.1.17

Prefeitura entregue em desequilíbrio financeiro. Sacrifícios serão necessários

Magno dá o exemplo
O prefeito de Chapadinha, Dr. Magno Bacelar, tomou posse dos dados oficias das contas do município e encontrou uma situação de profunda irresponsabilidade com o dinheiro público na gestão anterior. 

O número de funcionários contratados no ano eleitoral fez o município extrapolar em muito o limite permitido para gastos com folha de pagamento. Depois das eleições, ainda ocorreu a convocação de mais excedentes do último concurso, sem estudo de impacto financeiro, aumentando ainda mais a pressão sobre as contas públicas.

Ao extrapolar o limite de gastos com pessoal, o município de Chapadinha fica impedido de celebrar convênios com os governos estadual e federal, piorando ainda mais a crise econômica local sem obras e outras melhorias. Para tirar o município desta situação, a nova administração municipal tomará uma série de medidas para reequilibrar as finanças. 

Além da imediata convocação para recadastramento dos servidores públicos, a gestão não realizará novas contratações, cortará gratificações e outros adicionais permitidos.

Exemplo que vem de cima

A primeira medida do prefeito, antes mesmo de tomar posse, foi pedir a redução em 30% do próprio salário, do vice-prefeito e da sua equipe de governo. "Sacrifícios vão ser necessários e eu comecei por mim mesmo. Vamos cortar o que puder para colocar as contas em dias, trazer investimentos e voltar a crescer a economia local", disse o prefeito pedindo a ajuda de todos para o município atravessar as dificuldades iniciais. 

1.1.17

VERA NÃO ABERA E É ELEITA PRESIDENTE COM APOIO DE MAGNO

O motivo da confusão
Mais uma vez, a madrugada de posse dos vereadores de Chapadinha teve cenas dramáticas na disputa pela presidência do Legislativo local.

O grupo da ex-prefeita Belezinha entrou no plenário com uma surpresa. O candidato a presidente havia deixado de ser Itamar Macedo, substituído por Nonato Baleco conforme o Blogue havia prevista no dia 17 de dezembro (lembre aqui). 

Depois de um dia de tensas negociações com direito a brigas, dedos na cara e batidas na mesa, os vereadores aliados ao prefeito Magno Bacelar registraram chapa encabeçada pelo vereador Netinho Gedeão. Compunham a chapa o independente Marcelo Menezes e vindos do grupo adversário Professora Vera e Marcelo Marinheiro, tornando Netinho favorito para ser eleito.

Mas o imponderável apareceu. A apuração teve uma cédula anulada por ter sido assinalada fora dos quadros de votação e entre os nomes dos candidatos acabando assim empatada em 7 a 7. O regimento interno da Câmara determina que, se nenhuma das chapas obtiver maioria absoluta, nova votação deve ser realizada.

Na nova votação, com receio do empate insistir, a chapa ligada ao governo escolheu como candidata a nova aliada Professora Vera que, por ser a mais velha, levaria vantagem em caso de empate. 

Apesar do protesto registrado pelo vereador Nonato Baleco contra a mudança na chapa, a votação terminou em 8 a 7 para os aliados de Magno, que o empossaram como novo prefeito e seguiram para a comemoração na Praça do Povo.

Ter que apoiar a dupla de ex-adversários Professora Vera e Marcelo Menezes para o comando da Câmara Municipal mostra que Magno não terá vida fácil na relação com o Legislativo, mas foi melhor do que passar pela humilhação que Belezinha teve na própria posse ao assistir a vitória da oposição.