21.10.10

Zé's


Somos um só Brasil. De Norte a Sul. Leste a Oeste. O que está em disputa na sucessão presidencial são dois projetos opostos. Antagônicos. “Enxergamos em Dilma o projeto de um Brasil mais justo e inclusivo”, essa frase está num documento assinado pelo PSB, PCdoB e PT (ala que apoiou a candidatura Flávio Dino ao governo estadual). Entre os que subscreveram lá está o nome de José Reinaldo Tavares (PSB).

Ontem, Zé Reinaldo declarou voto à candidatura demotucana de Zé Serra. E justificou: “Votar em Dilma é votar no Sarney”. Não poderia ser outra, a rezinga do ex-candidato ao Senado.

Já ouvi de petistas, socialistas, comunistas, pedetistas, demotucanos louvores a Zé Reinaldo pelo rompimento com o “Sarney”, com o “grupo Sarney”, com a “Oligarquia Sarney”, com a “família Sarney”.

De um dirigente do petismo estadual ouvi que Zé Reinaldo é um mártir. Só pode ser, por ter renunciado a fé no sarneísmo, desconfio eu.

A candidatura Serra está assentada no mesmo programa que quebrou Brasil três vezes em 1995, 1997 e 1998 durante o governo FHC-Serra. A candidatura Serra tem as mesmas bases de apoio que ampliou as desigualdades no país; levou à derrocada as universidades públicas e que proibiu a criação de escolas técnicas. É a turba do apagão no setor elétrico.

Mas, o segundo turno da eleição presidencial para Zé Reinaldo, para o PDT e a tucanagem, será contra o Sarney. Para o “socialista” ex-governador do Maranhão e ex-serve para tudo do senador José Sarney, a sucessão presidencial é o Sarney contra o Serra.

Escrevi aqui, que essa longa e fastidiosa falação sobre e/ou contra os Sarneys é para eles uma espécime de habeas corpus preventivo (releia aqui). Os próceres do tal anti-sarneismo são libertadores de si mesmos. O que o PDT e PSDB sonharam e realizaram pela metade foi: “essa oligarquia pilhou por 40 anos o Maranhão. Mas, nós queremos e podemos fazer o mesmo”.

Zé Reinaldo, Jackson Lago, João Castelo são o símbolo-mor da frase anterior. A opção pela candidatura Serra é porque essa turba jamais teve projeto para o Maranhão – a não ser contra o Sarney depois das bênçãos – e desconhecem o outro Brasil que nasceu dos escombros herdados da gestão FHC-Serra.

Por que mesmo José Reinaldo rompeu com o sarneísmo? Eles divergiram do modelo de desenvolvimento econômico e sustentável do Maranhão? É porque discordaram do programa que erradicaria o analfabetismo e/ou a miséria do nosso estado? Ou foi por causa do projeto de reforma agrária?

O rompimento de Zé Reinaldo com Sarney não foi por conta de uma pauta republicana. Daí, a dificuldade do ex-governador eleito por graça e obra do sarneismo, ter dificuldade de pensar um Maranhão e um Brasil para além dessa milonga anti-sarneista. Aí ele respira fundo e diz: “Votar em Dilma é votar no Sarney”.

O que Zé Reinaldo e o pedetismo-tucano não conseguem apreender é que o país atravessa um processo de republicanização. E se o mesmo não ocorre no Maranhão é por inteira responsabilidade dessa turba que tem no anti-sarneismo um habeas corpus preventivo.

O presidente Lula não fez o governo dos meus sonhos. Mas, o país constituiu um modelo econômico de desenvolvimento com distribuição de renda, ampliou e garantiu direitos sociais.

Dilma Rousseff também não fará o governo dos meus sonhos. Porém, é somente com Dilma presidente que teremos as melhores condições para seguirmos avançando no caminho da construção de um Brasil justo, solidário e soberano.

Nenhum comentário: