11.6.10

Aprovada a aliança PMDB-PT no Maranhão

O Diretório Nacional do PT acaba de definir pela aliança do partido com o PMDB nas eleições estaduais do Maranhão!

Quase dois terços do membros votaram pela anulação do encontro realizado e pela repetição da aliança nacional.

Mais informações via twitter.

10.6.10

Duas notícias pró-aliança PT-PMDB no Maranhão

As dúvidas nas cabeças dos dirigentes nacionais do PT começam a dissipar com duas informações que chegaram a Brasília ontem.

A primeira, noticiada por O Globo, é a de que o deputado Domingos Dutra encampará greve de fome mesmo se a decisão do diretório nacional for pela neutralidade do PT-MA na disputa pelo governo estado. "Neutralidade é o pior dos mundos! A chapa camarão sem cabeça pode eleger Roseana, mas a intervenção vai acabar com a gente. (...) A greve de fome é a última tentativa de manter a democracia no PT", afirmou Dutra.

Se o desgaste ocorrerá com o apoio a Roseana ou com a neutralidade, a direção nacional deve aprovar logo a aliança.

Outra notícia importante é a de que, caso o PT-MA não firme a aliança com PMDB, o DEM terá a segunda vaga de senador da chapa de Roseana. A segunda prioridade do PT, logo depois de eleger Dilma presidente, é eleger uma forte bancada que vá dar apoio ao governo na Câmara Federal e principalmente no Senado. Contribuir com a eleição de um senador do DEM não está nos planos petistas.

A decisão será tomada amanhã em reunião do Diretório Nacional.

4.6.10

Solução sendo costurada

No próximo dia 11, antevéspera da convenção nacional que confirmará a candidatura de Dilma Rousseff, o PT reunirá para seu diretório nacional para acertar alguns detalhes e resolver os assuntos pendentes. Entre eles, claro, a confusão maranhense.

A cúpula nacional está buscando um caminho para que não chegue a ser votada no diretório a aliança do partido no Maranhão e para que o desgaste, interno e externo, seja o menor possível.

Sobre o assunto, conversei ontem com dois dirigentes do partido, um do PT-MA e outro do Diretório Nacional. Segundo o maranhense, o secretário-geral nacional, José Eduardo Cardoso, e o secretário nacional de organização, Paulo Frateschi, propuseram que o partido lançasse candidatura própria, mas nenhum dos lados da disputa aceitou a proposta.

Já o dirigente nacional com quem conversei afirma que o acordo que estão tentando articular é outro. Segundo ele, o acordo preveria o apoio formal do partido a reeleição da governadora Roseana Sarney com o suplente de deputado Washington Luiz ocupando a vaga de vice na chapa. Os opositores da aliança, por outro lado, seriam liberados para, dentro dos limites da lei, apoiarem Flávio Dino livres das punições que o estatuto do partido prevê para estes casos de desobediência partidária.

Caso vá a votação o assunto, segundo projeções, a aliança com o PMDB deverá ser aprovada por pequena margem.