24.12.09

Presente de Natal

Hey Jude



Cantada por Paulo McCartney, Elton John e Sting, com Eric Clapton na guitarra e Phil Colins na bateria. Ta bom assim?

22.12.09

Rogério Ulysses expulso


A executiva regional do PSB se reuniu hoje e decidiu por unanimidade de 6 votos expulsar dos seus quadros o deputado distrital Rogério Ulysses.

O relator do processo na Comissão de Ética do partido foi Marcelo Dourado e na Comissão Executiva foi o também membro da direção nacional do partido Carlos Siqueira, o que faz com que o recurso que Ulysses tentará na instância superior tenha enorme dificuldade de ser deferido.

Presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Legislativa do Distrito Federal e deputado com ampla base na cidade de São Sebastião, Ulysses teve seu gabinete revistado pela Polícia Federal durante a deflagração da Operação Caixa de Pandora, que investiga um suposto esquema de pagamento de propina no governo Arruda envolvendo, além do próprio governador e o vice, deputados, secretários e empresas com contratos com o GDF.

Rogério Ulysses, que tinha reeleição virtualmente garantida, não poderá disputar nenhum cargo nas eleições de 2010 caso a decisão seja mantida.

Agora é Lula [2]

Jingle do Lula no 2º turno de 2002




Chegou a hora Brasil,
Que você tanto esperou
Mande a tristeza embora
Que a mudança começou

Agora vem!
Vem mudar a sua sorte
Nada pode ser mais forte
Que a vontade de mudar
Lê lê, lê lê, vem!

Ser feliz é ser direito
Bote esse grito no peito
Ninguém vai te segurar
Ô ô ô vem!

O Brasil está unido
E jamais será vencido
Nossa estrela vai brilhar
Vem!

Que a estrela da esperança
Do emprego e da mudança
Mora do lado de cá!

Agora é Lula!
Falta pouco, quase nada
Nossa pátria tão amada
Já não quer mais esperar

Agora é Lula!
Por um Brasil diferente
Vem entrar nessa corrente, aqui é o seu lugar

Agora é Lula!
Falta pouco, quase nada
Nossa pátria tão amada
Já não quer mais esperar

Agora é Lula!
Por um Brasil diferente
Vem entrar nessa corrente, aqui é o seu lugar

Lula! Lula!


18.12.09

Acreditar ou não em Aécio

O governador de Minas, Aécio Neves, anunciou ontem que "deixa a condição de pré-candidato à Presidência da República.

As manchetes sobre o assunto são enfáticas.

Bolha de S. Paulo: "Aécio sai e amplia pressão sobre Serra"
Estadinho: "Aécio sai da disputa e abre espaço para chapa com Serra" (?!)
JB: "Aécio desiste e abre campanha"

Mesmo que não soubessem, os que escreveram as manchetes fazem uma análise política e não apenas anunciam um fato concreto. O mais correto seria afirmar: "Aécio anuncia desistência...". Se ele desistiu mesmo não sei, creio que não.

Por outro lado, quando ele taxativamente afirmando que não será candidato a vice-presidente não há a mesma firmeza. Diz Aécio em entrevista à jornalista Cristiana Lobo:

"Não sendo o candidato (a presidente), a melhor forma que vejo de ajudar é me dedicar integralmente à eleição aqui em Minas, sendo candidato ao Senado. Vou mergulhar na eleição mineira."

E mesmo assim a imprensa serrista insiste que Aécio "deixou aberta a possibilidade".

Coisa de deixar a FOX News parecendo neutra.

17.12.09

Pequeno demais para dois


O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), em carta enviada ao presidente nacional do seu partido, senador Sérgio Guerra (PE), anunciou: "Deixo a partir deste momento a condição de pré-candidato do PSDB à Presidência da República".

Aécio não diz na carta que rumo tomará em 2010 e nem sequer cita o nome do governo de São Paulo, José Serra. Não houve, pelo menos na escrita da carta, nenhuma preocupação em demonstrar apoio à pré-candidatura remanescente.

O que se percebe nas entrelinhas da carta são críticas veladas ao oponente interno e a reafirmação da certeza que seu nome era o melhor: "Ao apresentar o meu nome, o fiz com a convicção, partilhada por vários companheiros, de que poderia contribuir para uma construção política diferente, com um perfil de alianças mais amplo do que aquele que se insinua no horizonte".

Apesar de agradecer à condução de Sérgio Guerra, Aécio deixou clara sua insatisfação com a não realização das prévias internas. "Defendi as préivas como importante processo de revitalização da noosa prática política. Não as realizamos, como propus, seja por dificuldades operacionais de um partido de dimensão nacional, seja pela legítima opção da direção partidária pela busca de outras formas de decisão". Só eu li o "legítima" com alto teor de sarcasmo?


Então tá definido?
Tá nada. O que o Serra vai fazer agora? Se assumir como candidato? Duvido. Não se assumindo abre espaço para Aécio, ouvindo "as roucas vozes das ruas" voltar pra disputar e se ganhar não vai ficar parecendo que só foi escolhido porque Serra não quis ser o candidato.

Antes de ser tucano, Aécio Neves é mineiro. E por isso mesmo, escrevem, não será vice de Serra. Ou só se serve pão de queijo no Palácio do Jaburu? Do golpe de 64 pra cá nós tivemos nove vice-presidentes da República, cinco eram mineiros (José Maria Alckmin, Pedro Aleixo, Aureliano Chaves, Itamar Franco e José de Alencar). Minas Gerais não aguentar mais ser um vice-estado, ainda mais vice de São Paulo, ainda mais vice do Serra.

Caminhos não faltam
Se Aécio voltar pra disputa, for escolhido candidato e ganhar, ótimo pra ele.

Se Aécio voltar pra disputa, for escolhido candidato e perder. Bem, virou o nome nacional do bloco PSDB-DEM e amplia forças com partidos do campo lulista. Será a maior liderança da direita brasileira.

Se Aécio voltar pra disputa e não for escolhido candidato, o Serra não vai ter 50 votos em Minas Gerais.

Se Aécio não voltar pra disputa e for candidato (eleito, é claro) a senador há dois cenários.

Serra não sendo eleito presidente, Aécio já começa a andar o país pensando em 2014.
Serra sendo eleito presidente, Aécio já começa a andar o país pensando em 2018, tempo não lhe falta.

Mas, punhemos a possibilidade de Aécio topar ser vice de Serra, como tanto quer a "Bolha de S. Paulo". O que diabos o neto de Tancredo ganharia com isso? Correriam a chance de perder, e se ganham eles estariam num cargo vazio e submetido ao Serra.

Aécio não é o Alckmin, não vai se subordinar a Serra e as chances do fernandista ser eleito presidente continuam caindo.

Quem aprendeu com Tancredo entende tudo de política.

13.12.09

Em 2ª fase, PF mira em vice e ex-secretário

Por Juliana Weis:

"A segunda fase das investigações sobre a arrecadação e distribuição de propinas no Distrito Federal (DF) tem como alvos principais dois personagens que, aparentemente, tinham importância secundária no esquema: o vice-governador Paulo Octávio, do DEM, e o ex-secretário de Obras de Brasília, Márcio Machado, presidente licenciado do PSDB local. Responsável pela arrecadação de fundos para a eleição de Arruda em 2006, Machado seria, segundo informações repassadas ao Ministério Público, o homem encarregado de articular a formação do caixa que seria destinado à campanha do ano que vem."

Leia o resto aqui.

12.12.09

Ribeiro não está de fora

O deputado distrital Raimundo Ribeiro (PSDB) foi eleito corregedor na Câmara Legislativa, mas em caráter "ah doc", isto é, para um fim específico: analisar as representações contra os deputados distritais citados no inquérito do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e na operação Caixa de Pandora.

Assim, dependendo de quando o deputado Leonardo Prudente (DEM) renunciar à presidência da CLDF, Ribeiro pode sim ser o sucessor.

11.12.09

Sobre o Estadão

Ouça aqui o comentário de Lúcia Hippólito sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de manter a censura ao jornal "O Estado de S. Paulo".

Alguns considerações:

1. Não! Paulo Francis não reencarnou, eu juro que é a Lúcia Hippólito fazendo comentário;

2. Os seis ministro do STF que votaram de acordo com a decisão do desembargador Dácio Vieira também são amigos íntimos de José Sarney?

3. Este não é o único caso de "censura" a um jornal por determinação judicial. Este caso tem mais destaque por questões da luta política. E o problema não o Fernando Sarney, nem o José Sarney. O problema é sempre ele, o presidente que fala merda;

4. Não entendo bulhufas de Direito, mas, no que diz respeito ao mérito, sou contra a decisão da Justiça. O jornal que escreva o que quiser da forma que bem entender e depois se responsabilize pelas injustiças e garanta o direito de resposta. E garantir o direito de resposta não é acusar na manchete e inocentar nas notas de rodapé.

10.12.09

Arruda: a fase do autismo

"(...) Desmoralizado e abandonado pela raia miúda que com ele se locupletou dos maços de dinheiro que fazem a festa no Youtube, Arruda parece ter entrado naquela fase autista de Collor. Ao falar à imprensa, não estava se dirigindo ao mundo real, mas a uma existência virtual projetada em outra dimensão. Arruda decidiu que o importante agora é continuar governando o Distrito Federal e tocar as mais de mil obras em andamento, levantadas em toda parte, com vistas aos 50 anos de Brasília, a serem comemorados em 21 de abril de 2010.

Em primeiro lugar, José Roberto Arruda não governa mais o Distrito Federal. Sua última ação administrativa foi, digamos assim, a ordem dada à Política Militar para atacar, com cavalos, cães e cassetetes, dois mil manifestantes que estavam pacificamente no Eixo Monumental de Brasília. Lá, como ilustração da anarquia que virá, um coronel PM de cabelos brancos partiu como um babuíno enfurecido para cima de um estudante e rasgou-lhe a camisa. Filmado, ordenou aos PMs que jogassem gás de pimenta nos olhos dos cinegrafistas. Arruda, ao que parece, estava na residência oficial, decidindo se contratará a cantora pop Madonna ou a banda irlandesa U2 para abrir os festejos do Cinqüentenário.(..)"


Leia o texto completo aqui.

Raimundo Ribeiro eleito corregedor


Nada contra o deputado distrital Raimundo Ribeiro (PSDB). O considero um arrudista respeitável, mas ainda assim é Arrudista. Amigo íntimo de Arruda e não o deixará ao relento.

O deputado foi escolhido corregedor da Câmara Legislativa por apenas 14 votos, entre os 24 deputados. Isso mostra claramente a fragilidade da bancada arrudista na CLDF.


Fora de outra disputa


Eleito corregedor, cargo que dá mais dor de cabeça do que benefícios, Raimundo Ribeiro fica de fora das articulações para a eleição do novo presidente da Câmara quando Leonardo Prudente (DEM) renunciar.


Foto: Agência Brasil

Arruda renunciará

Há informações em off de fonte confiáveis de que o governador José Roberto Arruda anunciará sua renuncia ao mandato durante a entrevista coletiva realizada logo mais.

A conferir.




Update: Arruda apenas anunciou sua desfiliação do PFL (neo-Democratas). Segundo Paola Lima, ele deve se afastar do governo por 90 dias.

7.12.09

Foi ver o Flamengo

No Processo de Eleição Direta (PED) do PT o caso mais curioso aconteceu na cidade de Imperatriz, no sul do Maranhão.

A disputa estadual lá se deu entre o ex-candidato a governador Raimundo Monteiro (CNB), favorito na disputa, e Augusto Lobato (MPT).

A suspeita de fraude se dá pelo seguinte. Até as 16h tinham votado 94 pessoas. O fiscal do grupo de Monteiro deixou o local para assistir o jogo do Flamengo. Das 16 às 17h apareceram 226 eleitores para votar, duas vezes e meia o número de votantes durante todo dia. Monteiro, é claro, deve questionar o resultado da eleição na cidade.

Fazendo justiça

Terminada a temporada do futebol brasileiro, meus parabéns a quem merece.

Primeiramente ao Flamengo. Mesmo sem ter time de campeão, Andrade tirou leite de pedra e conseguiu ser campeão no campeonato mais equibilibrado da era dos pontos corridos.

Não se pode deixar de dar os parabéns ao Grêmio. Grande decepção da temporada, mas jogou com seriedade contra o Flamengo, abriu o placar e teve uma das suas melhores apresentações fora de casa.

Ao Internacional, vice-campeão. Com altos e baixos durante a temporada acabou quase beliscando o título. Um dos melhores elencos do campeonato.

Parabéns ao São Paulo, que depois de três título consecutivos manteve-se no grupo de frente da classificação mesmo desacreditado durante boa parte da temporada.

O Cruzeiro também teve seus méritos. Vice-campeão da Libertadores sacrificando seu início no Brasileirão teve uma arrancada surpreendente e jogadará o principal torneio sul-americano de novo.

A maior surpresa do ano foi o Avaí. Cotadíssimo pro rebaixamento, o time terminou em na 6ª colocação com boas apresentações.

Mesmo decepcionando no final, o Atlético-MG esteve acima das expectativas. Fez boas contratações durante a temporada e jogou um belo futebol.

O Corinthians foi coadjuvante no Brasileirão, mas foi campeão do Paulista e da Copa do Brasil. Tá bom né.

O que houve mais sensacional foi o renascimento do Fluminense. Depois dos matemáticos, que não entendem nada de futebol, darem as chances de rebaixamento do clube em mais de 97% o time começou uma sequência de vitórias que o salvou da degola.

Parabéns também, é claro, ao Vasco da Gama. Fantástica temporada. Jogou bem o carioca, saiu da Copa do Brasil invicto empatando os dois jogos da semi-final com o galático time do Corinthians e foi superior no Brasileirão da série B como tinha a obrigação de ser. Torcida sempre presente dando show nas arquibancadas e sem violência e sem fazer quebra-quebra quando subiu e foi campeão.



Vergonha pelos outros

O Palmeiras amarelou. Como diz Carlos Odas, "parabéns pela classificação para a Copa do Brasil".

Cadê o Bahêa?!

6.12.09

Arruda não vai cair...

... vão derrubar ele.



A soma de alguns fatores faz com que esta realidade esteja cada vez mais próxima.

Expulsão quase inevitável: Meio zonzo com a porrada que levou, o PFL (neo-Democratas) até deu alguns dias para Arruda se explicar, mas ninguém joga com a possibilidade de não expulsão. Expulso, Arruda fica ao relento e sem possibilidade de concorrer à reeleição.

Fuga de partidos: Os apoios, que já ficaram poucos, podem minguar de vez, afinal, os deputados e outras lideranças querem saber é da eleição do ano que vem. Além de já ter assistido a PDT, PSB, PV, PPS e PSDB anunciarem a saída do seu governo, Arruda poderá perder na semana que vem, além do seu próprio PFL, o PMDB.

Briga com P.O.: O vice-governador, Paulo Octávio, quer mais que Arruda se exploda e a notícia corra, desde que nada respingue sobre si. Essa possibilidade, inclusive, seria a ideal para o PFL a essa altura dos acontecimentos.

Racha na base mais aliada: A, até pouco tempo, sólida base parlamentar de Arruda não é de Arruda. É de Arruda e Paulo Octávio. A disputa poderá ficar mais clara se Leonardo Prudente renunciar de vez à presidência da Câmara Legislativa e houver nossa eleição para o cargo. Os dois grupos devem disputar e o racha será declarado.

Mobilização social: A sociedade brasiliense vem ficando cada vez mais indignada com o escândalo. O grande ato previsto para a próxima quarta-feira poderá ser usada como termômetro pra isso.

Expulsão do Maçonaria: A notícia de que a Assembleia Soberana da Maçonaria aceitou pedido de expulsão contra Arruda é um duro golpe. Não há político que esnobe um apoio desses.

OAB: A Ordem dos Advogados do Brasil de Brasília decidiu apresentar pedido de impeachment contra Arruda e Paulo Octávio. É um atestado técnico de que governador e vice devem ser afastados.

Imprensa já se distancia: A imprensa local, liderada pelo Correio Braziliense e o Jornal de Brasília, tentou inutilmente abafar o caso e deixar Arruda longe de problemas. Agora já claros sinais de que vai deixar Arruda afundar sozinho, talvez já estão de olho na verba de publicidade do próximo governo.

5.12.09

Não seria do jogo

Há alguns dias escrevi aqui sobre o tal lance no qual o jogador Thierry Henry arrumou a bola com a mão antes de cruzar para o zagueiro Gallas marcar o gol que classificou a França pra Copa do Mundo e tirou a coitada da Irlanda.

Disse naquela ocasião: "Sinceramente, isto é do futebol. Não é da vida, não é da política, não é nem exemplo pra ninguém, mas é do futebol. Na pelada, "pediu pra parar, parou". No futebol, o juiz apitou para o lance, não apitou segue o jogo. (...) A não ser quanto é uma questão de direito, não creio que o jogador deva ser obrigado a se acusar."

E mantenho minha posição.

Se um jogador marca um gol sabendo que está em posição de empedimento e o bandeirinha não marca a irregularidade ele deve avisar o juiz pra anular o gol? Não. É do jogo.

Mas e se o jogador chuta à meta adversária, a bola bate na rede pela lado de fora e o juiz assinala gol? Bem, isso não é o jogo.

Um time entregar uma partida, seja pelo motivo que for, não é do jogo.

A partida disputa logo mais entre Flamengo/TV Globo e o Grêmio entrará para história, isto é certo. Basta saber se lá na frente, quando lembrarmos desta parte o gremista poderá permanecer de cabeça erguida, com honra.

Podem dizer: "E os times que jogam com time reserva no meio do campeonato para poupar o titular para outras competições?".

Estes, meus caros, o fazem para "poupar o time titular para outras competições", não para entregar a partida, para bular o caminho natural do esporte e evitar que um terceiro time de beneficie.


Grêmio X Chapadinha

O caso do Chapadinha, que perdeu por 11 X 0 levando 9 gols nos últimos 10 minutos de jogo na segunda divisão do campeonato maranhense ficou famoso até no exterior. Não tem falta de iluminação que explique o fato, até porque se não havia refletores no estádio a falta de iluminação era para os dois times.

O Chapadinha entregou o jogo. Se houve alguma negociação envolvendo dinheiro ou se o clube queria apenas impedir que o Moto Clube, rebaixado no início desse ano, voltasse à primeira divisão do maranhense já no ano que vem eu não sei, mas o que importa é que o Chapadinha entregou o jogo.

Resultado: O Chapadinha foi banido do futebol!


Qual seria a diferença pra máfia do apito?

O ex-árbitro Edilson Pereira de Carvalho se envolveu com uma máfia que manipulava resultados de partidas de futebol para ganhar dinheiro com apostas. As manipulações de Edilson, inclusive, fizeram com que o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) anulasse as 11 partidas que ele havia apitado no Brasileirão de 2005. A remarcação das partidas foi decisiva para que o Corinthians fosse o campeão daquele ano.

Edilson, obviamente, foi banido do futebol.

2.12.09

Suicídio ou eutanásia

A União Democrática Nacional (UDN) não tinha nada de democrática. Era um partido golpista, de direita e reacionário. Sua principal liderança, Carlos Lacerda, o corvo, entrou para a história como alguém que quis de todas as formas chegar à presidência da República, mas nunca conseguiu.

Apoiaram o golpe de 64 acreditando que a "revolução" duraria pouco tempo e quando voltasse a "normalidade democrática" poderiam, enfim, chegar onde sempre quiseram.

Com o aprofundamento do regime e a decretação do bipartidarismo, os udenistas passaram a compor a Aliança Renovadora Nacional (ARENA), que não tinha nada de renovadora e dava apoio político ao regime dos generais.

No inicío da reabertura política, a reforma partidária acabou com o bipartidariamos e a Arena virou o Partido Democrático Social (PDS), que não tinha nada de democrático, nem de social. Sigla do presidente João Figueiredo, o partido lançou a candidatura de Paulo Maluf para a presidência da República no colégio eleitoral, em 1985.

Como sempre há ratos a roer a corda e deixar o návio ao primeiro sinal de naufrágio, um racha do partido apoiou a candidatura que tinha cheiro de vitória, de Tancredo Neves (PMDB).

Esse racha chamou-se Frente Liberal e depois virou, criativamente, o Partido da Frente Liberal (PFL).

Desgastado e em fase de enxugamento, o PFL mudou de nome de novo e se auto-intitulou "Democratas". Colocaram um político relativamente jovem, Rodrigo Maia, como presidente nacional do partido, mudaram a identidade visual, tudo para tentar ser o que não são, um partido moderno, ético e democrático.

O partido tem feito dura oposição ao governo Lula usando principalmente a bandeira do moralismo.


E a própria carne?

Há alguns meses, o deputado Edmar Moreira, então filiado ao partido, discordou da candidatura oficial da bancada à 2ª vice-presidência da Câmara Federal, concorreu ao cargo e foi eleito. Meses depois foi acusado de sonegar a posse de um castelo e o partido o expulsou.

Agora, com as acusações contra o seu único governador, José Roberto Arruda, e seu vice Paulo Octávio a postura não tem sido a mesma.

Não são acusações quaisquer. Este é o escândalo mais bem documentado da história da política brasileira. Há vídeos e áudios que deixam clara a participação de Arruda em esquemas nada republicanos. Por que o ex-PFL não o expulsou? Por que sofrer este forte desgaste?

Três questões tem que ser lembradas.

Primeiro o fato de que Paulo Octávio é um mega empresário, um dos homens mais ricos do país e tem grande capacidade de levantar dinheiro para o partido.

Segundo o fato de que Arruda é o único (último?) governador do partido e tem colocado dentro do seu governo gente do partido de outros estados como o ex-senador José Jorge (PE), que foi presidente da Companhia Energética de Brasília (CEB), Cássio Taniguchi (PR), deputado federal e ex-prefeito de Curitiba, e o deputado federal Alceni Guerra (PR), que foi secretário de Educação.

E terceira e mais importante. Nada garante que o dinheiro movimentado irregularmente pelo esquema de Brasília não tenha rojado para outros estados, principalmente nas eleições municipais do ano passado.


O dilema do ex-PFL

Se o partido não expulsar Arruda sofrerá mais ainda um enorme desgaste político. Pra quem passou os últimos anos apontando o dedo para supostos desvios éticos do governo federal, ter seu único governador engolido politicamente por um escândalo como este e ainda manter o apoio a ele, este pode ser um golpe definitivo.

Ao se colocar como sub-legenda nacional do PSDB e se negar a sequer tentar a viabilização de um projeto de governo e um projeto de poder próprio, o ex-PFL só pode querer indicar o vice da chapa tucana e manter uma bancada de pelo menos 50 deputados federais e 15 senadores. Porém, com a desmoralização total do partido, eles correm o risco de nem o vice da chapa tucana emplacarem.

Por outro lado, se expulsão Arruda este será o golpe final na carreira dele e não parece haver disposição dele de cair sozinho. Tendo ou não irrigado contas e campanhas do ex-PFL de outros estados, Arruda pode sair jogando panetone no ventilador.

Ó duvida cruel.

1.12.09

Quem sair por último apaga a luz

Sabe quando Michael Jackson morreu e demoraram meses para enterrá-lo? Pois é, parece que este é o estágio atual do Arruda.

Uma das condições fundamentais para sua queda, o isolamento político, vem acontecendo mais rápido do que se esperava.

O PDT, do senador Cristovam Buarque, decidiu que seus três filiados que ocupavam cargos no governo, Marcelo Aguiar, Edilson Barbosa e Israel Batista, deviam entragar seus postos e já aderiu ao movimento "Fora Arruda.

O PSB, do deputado Rodrigo Rollemberg, que era governo e oposição ao mesmo tempo decidiu ser só oposição. Abriu inquérito interno contra o deputado Rogério Ulysses, aliado de Arruda e citado no escândalo, e recomendou ao recém-empossado Joe Valle a deixar a presidência da Emater-DF. Joe já se demitiu e o PSB também aderiu ao "Fora Arruda.

O PPS, enroladíssimo no escândalo com o secretário de Saúde Augusto Carvalho e seu adjunto Fernando Antunes, também deixou a base de apoio do governo. O secretário de Justiça e Cidadania, deputado Alírio Neto, também saiu do governo.

O PSDB, principal aliado do DEM em âmbito nacional, também já ordenou que seus integrantes deixem o GDF. O presidente regional do partido, Márcio Machado, e José Humberto Pires ocupavam as secretárias de Obras e de Governo, respectivamente.

O próximo partido a anunciar o afastamento pode ser o neo-aliado PMDB, que já quase abandonou Arruda no início da semana passada.



Falando em partidos

Não vão pegar o Izalci Lucas e a republicana intervenção que Arruda fez no PR?

Valmir Amaral soltou m... no ventilador


O ex-senador e empresário do setor de transporte da capital Valmir Amaral soltou m... no ventilador de vez.

Amaral, que era suplente de Luiz Estevão e assumiu o cargo quando este foi cassado, compareceu à entrevista coletiva dada pelo ainda presidente da Câmara Legislativa, deputado Leonardo Prudente (DEM). Sabendo da presença de Amaral, Prudente atrasou o quanto pode a entrevista para não ouvir de frente a denúncia que Amaral faria, e fez.

Segundo Valmir Amaral, ele e outros empresários do setor teriam pago R$ 1 milhão aos deputados para eles aprovarem, no projeto do passe-livre estudantil , uma emenda que garante o benefício também a deficientes físicos. Assim o subsídio pago pelo GDF à empresas dobradia.

O governador Arruda vetou a emenda, mas, ainda segundo Amaral, os empresários pagaram outros R$ 600 mil para os deputados derrubarem o veto.

O fato, se verdadeiro, e tem tudo para sê-lo, mostra o quão endêmica é a corrupção dentro das instituições do Distrito Federal.