26.2.09

Lei burra continua não dando certo

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, o número de acidentes nas estradas brasileiras aumentou em 20% neste carnaval em relação ao do ano passado. O número de mortes ficou praticamente estável e o de feridos aumentou 21%.

Mais um exemplo da falha da lei burra, chamada também de lei seca.

O grave problema dos acidentes de trânsito, principalmente aqueles que são provocados por irresponsáveis bêbados, pede medidas que venham a solucioná-la, mas não será com um radicalismo burro.

O problema está na falta de conscientização do motorista. Alto aumento do valor das multas, cassação da Carteira Nacional de Habilitação e outras medidas como estas não podem ser o centro das ações.

Veja o caso do Distrito Federal. Em 2008, o governo do violador de painel arrecadou R$ 88 milhões com o pagamento de multas de trânsito. Quanto foi gasto, ou melhor, investido na realização de campanhas educativas de trânsito? Míseros R$ 6,3 milhões, 7,15% do arrecadado.

Só para outra pequena comparação, o governador violador de painel torrou R$ 83 milhões em divulgação oficial, segundo o portal Contas Abertas.

Joga pedra nele


Esse velhinho aí na foto é um safado.

Ele não quer discriminar homossexuais e, pasmem, defendem o uso de preservativo para prevenir a disseminação de doenças sexualmente transmissíveis.

O nome dele é Luiz Couto (PT-PB), deputado federal, e padre, mas sua Igreja, a Católica Apostólica Romana tiro-lhe o direito de agir como tal enquanto ele não retirar o que disse.

Que absurdo. Deveria ser excomungado para sempre e ponto.

23.2.09

O bloco dos donos da ética


O jornalista Josias de Souza publicou no seu blog a forma de um "frente anticorrupção".

Entre os articuladores da tal frente estariam o deputado tucano Gustavo Fruet (PSDB-PR) e os tucanos enrustido Jarbas Vasconcellos (PMDB-PE) e Fernando Gabeira (PV-RJ).

Ou seja, seria um grupo de políticos que se entitulariam donos da ética e da moralidade para dar sustentação à candidatura presidencial de José Serra.



Foto: Agência Brasil

Outro

Mais um motivo para não ler a revista Veja.

Na edição 2036, do dia 28 de novembro de 2007, o citado folheto publicou a matéria "Crise de identidade" (clique aqui para ler). A matéria é sobre um livro escrito sobre alguns "cabeças de planilhas", como diria Luís Nassif. Entre eles Pérsio Arida e Maílson da Nóbrega*. O livro questiona o papel dos bancos públicos diante a abundância de dinheiro público na economia.

Ou seja, mais um propaganda neoliberal sem nenhum conteúdo consistente. Mais uma vez eles querem vender ideologia como se fosse ciência.

Porém, o que chamou minha atenção na matéria foi a foto que a ilustra e sua legenda. A imagem de um avião sendo fabricado e os dizeres: "O BNDES ajudou na decolagem da Embraer, mas hoje ela pode se financiar no mercado privado."

Eu juro, é isto que está escrito lá. Sem tirar nem colocar. Abra a matéria em outra janela e confira.

Trecho do último parágrafo: "Não há dúvida de que os bancos públicos são usados para fins políticos e perderam espaço na economia. (...) No Brasil, no entanto, os bancos públicos ainda sobrevivem como um elo perdido de uma era de anomalia econômica. A hora, dizem os autores, é de repensar o atual sistema."

E viva o neoentreguismo!

20.2.09

Frase do dia

"Sou uma dessas pessoas otimistas que acreditam em pequenos gestos, como salvar um camaleão ou uma cobra da morte ou não ser assinante de Veja, ainda que de três em três meses só faltem me oferecer a revista de graça."

(Walter Rodrigues, jornalista maranhense)

19.2.09

Preconceito!

Não que o "jornalista" Lauro Jardim tenha alguma credibilidade, muito menos o folheto para o qual ele trabalha, a Veja, mas lendo o Radar On Line, seção escrita pelo supracitado no portal da revista, encontra-se mais um caso flagrante de preconceito contra o povo nordestino, particularmente o maranhense.


Reproduzo:


O "jornalista" chama o estado de Gonçalves Dias, de Ferreira Gullar, de Aluísio Azevedo e de Artur de Azevedo de aldeia.

Esta é a visão deste veículo de imprensa conservador e retrógado sobre um dos estados mais belos e com o povo mais aguerrido do país.

É hoje o dia


O Tribunal Superior Eleitoral julgará hoje, a partir das 19h, o processo de cassação do governador do Maranhão Jackson Lago (PDT).

Não estou torcendo pela cassação, afinal, assumiria o governo a senadora Roseana Sarney (PMDB), mas a não cassação seria desmoralizadora para a Justiça. As provas são muitos bem documentas.

E o PMDB, o corrupto (segundo Jarbas), deve ganhar nos tribunais dois governos estaduais em apenas uma semana.

Veja aqui algumas provas.

18.2.09

Enquetes no blog

Respondam as três novas enquentes do blog. Estão aí do lado.

Qual a marca do governo Arruda e em quem você pretende votar nas eleições majoritárias de 2010?

PT terá candidatura própria ao GDF em 2010

O Partido dos Trabalhadores/DF, em face de notícias desencontradas, divulgadas nos meios de comunicação, reafirma à sociedade e à sua militância, que tem, para o Distrito Federal, projeto político próprio, calcado na sua história de luta para que todos os brasileiros tenham direito à vida digna e feliz; todos os trabalhadores do campo tenham terra para plantar e o direito de colher; os movimentos sociais tenham o direito de participar das decisões que orientam as políticas do País; homem e mulher tenham respeitadas suas diferenças e tenham deveres e direitos iguais; os negros, as nações indígenas e todas as minorias sejam respeitados em seus direitos de cidadãos; a administração pública seja transparente; o dinheiro público seja, integralmente, aplicado para o bem-estar de todos os brasileiros; a educação crítica, libertadora e de qualidade seja direito de todos. Para isso e muito mais se criou e se constrói o Partido dos Trabalhadores que, neste mês de fevereiro de 2009, completa 29 anos.

Ao reafirmar esses compromissos históricos, o PT-DF reafirma, também, a vontade política de construir, junto com as instâncias de direção do partido, com sua aguerrida militância, com os partidos políticos, com o movimento social, enfim, com toda a sociedade do DF, um projeto de Distrito Federal que resgate o sonho e a esperança de toda a população, para disputar as eleições de 2010, com candidatura própria.

Um projeto que se diferencie tanto do desenvolvido pelo atual governo do DEM, como daquele do governo passado, ambos responsáveis pela mazelas que hoje sofre a população de todas as cidades e do campo do DF.

A Executiva do PT/DF reafirma, ainda, sua autoridade de falar pelo partido à sociedade e à imprensa, em qualquer momento, em qualquer instância e em qualquer situação, investida que está pela autoridade que lhe é conferida pelo estatuto.

Dessa forma, o PT-DF dirige-se aos seus filiados e à população em geral para informar que qualquer encaminhamento sobre alianças partidárias visando às eleições de 2010, sobre candidaturas, ou sobre qualquer procedimento de caráter partidário será fruto de decisões democraticamente decididas tão-somente pelas instâncias de nosso partido, particularmente, por sua direção regional. As eventuais manifestações de filiados se reduzem, assim, a manifestações individuais, que não se revestem do necessário caráter de decisões aprovadas nas instâncias do Partido dos Trabalhadores.

Brasília, 17 de fevereiro de 2009

Executiva Regional do PT-DF

Serra aceita as prévias


Serra dá sinal verde para PSDB realizar prévias, diz Guerra (O Globo)

Quem diria que um dia o pt aceitaria uma candidatura goela abaixo, como a da ministra Dilma Rousseff, e que o PSDB seria o partido a realizar prévias para escolher seu candidato a presidente.

Não dá pra prever o que sairá das prévias que os tucanos realizarão, mas Aécio aposta alto. Se fosse para ser colocado de lado que fosse pela cúpula. Assim seria compreensível ele lavar as mãos quanto à campanha de José Serra. Derrotado nas prévias, o neto de Tancredo terá a clara obrigação de suar a camisa caso seja derrotado e não terá condição moral de ir para o PMDB, se é que já teve.

O uso das prévias, se confirmada, será um grande acerto do PSDB. Fortalecerá o candidato escolhido e dará maior legitimidade à sua candidatura. O PT deveria fazer o mesmo, o PMDB também, o PSB também. De uma forma ou de outra todas as agremiações políticas deveriam buscar meios de fazer com que suas militâncias tenham maior participação direta fazendo com que sejam partidos políticos, e não apenas legendas.



Foto: Agência Brasil

16.2.09

Jarbas fala o óbvio e causa espanto


O senador Jarbas Vasconcellos (PMDB-PE) disse que 90% do PMDB quer mesmo é corrupção e deixou todo mundo surpreso.

Vamos aos fatos: Jarbas, que é um tremendo tucano filiado ao PMDB, reclama de corrupção e é desde já um grande apoiador da candidatura de José Serra (PSDB-SP) à presidência da República.

O PMDB, claro, não quer aumentar a polêmica. Respondeu o senador sem responder e vai ficar por isso mesmo. E não dá pra punir Jarbas por falar a verdade.

A vitória de Hugo Chávez


Me cansa esse povo que falar do presidente Hugo Chávez como um ditador, não é.

Chávez chegou ao poder e foi mantido ali pela plena vontade do povo venezuelano. Venceu quase todos os referendos pela vontade do povo venezuelano. Sua oposição fez um golpe de Estado que durou menos de uma semana e quase o matou, estudantes atacaram comitês chavistas com coquitéis Molotov. Quem é que não respeita a democracia na Venezuela?

Não sou um dos esquerdistas que não vê defeitos em Chávez. É centralizador, personalista, enfraquece algumas intituições, inclusive os partidos políticos, mas ditador ele não é.

Não entendo que democracia, necessariamente, tem que ter alternância de poder, mas como a soberania de um povo de escolher seus rumos. Se é isso que o povo venezuelano quer (e não é o que eu gostaria para o Brasil), é isso que eles devem ter. A democracia requer a possibilidade de alternância no poder.

Ora, a emenda aprovada pelo povo venezuelano não elegeu Chávez como um presidente vitalício, mas lhe dá o direito que concorrer quando vezes desejar, e se o povo quiser, repito, se o povo quiser ele continuará na presidência. Se o povo não o quiser mais não o reelege ou até revoga seu mandato, instrumento não existente neste terra tupiniquim.



Foto: Fernando Llano/AP

15.2.09

Mudando de opinião

Aos poucos a cobertura da grande imprensa sobre a crise econômica vem mudando.

Nunca nos esqueçamos que quando falamos dos grandes órgãos de imprensa estamos falando de empresas que, portanto, tem interesses comerciais. Luís Nassif, sempre competente jornalísta, avalia: "(Os grande veículos de imprensa) Deram um tiro no próprio pé, como cansei de alertar em dezembro. Primeiro, como a crise é global não conseguiram colar sua responsabilidade no Lula. Segundo, ao espalhar o medo da crise pelo país, aumentaram os receios dos empresários, que pisaram mais forte no freio. E os primeiros cortes são na publicidade."

O Jornal Nacional, o Correio Braziliense, a Folha de S. Paulo... Todo mundo desvestindo-se do discurso apocalíptico. O Sardenberg não escreve nada em seu blogue há quase uma semana. Daqui a pouco até a Miriam Leitão vai voltar a ver as cores nas flores.

12.2.09

O que foi que Tarso viu?


Decidi, até que enfim, falar sobre o caso de Cesare Battisti.

Primeiro. Vocês não vão ler neste blogue alguma citação referente a Battisti chamando-o de terrorista. A grosso modo, aqueles que o fazem são os mesmos que chamaram os bravos militantes da esquerda brasileira da mesma coisa quando estes lutaram na resistência à ditadura militar.

Porém, também não verão aqui uma defesa da decisão do ministro Tarso Genro. Me explico.

Não tenho a menor dúvida que Cesare Battisti é inocente das acusações que são atribuídas a ele. Estamos falando de homicídios com vários suspeitos, dos quais o único que fugiu foi Battisti. Ora, os outros acusados, que inclusive eram defendidos pelo mesmo advogado que supostamente estava a cargo da defesa de Battisti, iam, a procura da chamada "delação premiada",acusar quem?

No entanto não cabe ao ministro da Justiça do Brasil julgar a condenação que a Justiça italiana sentenciou a Battisti. Cabe apenas julgar se as condenações são de cunho político ou não.

Está na Constituição Federal:

"Art. 4º A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos seguintes princípios: (...)

X - concessão de asilo político."



Lá diferente de cá

A impressão que passa é de que Tarso tomou sua decisão com base em questões política. Olhou Battisti e viu um Marighella ou um Lamarca e num momento em que ele puxa o coro daqueles que querem punir os torturadores da ditadura militar brasileira seria, na visão dele, uma contradição tomar uma atitude contrária a um militante da esquerda.

O Setor Noroeste e sua falácia de "projeto ecológico"

O Setor Noroeste é, justificadamente, objeto de polêmica acerca de sua correção como projeto de expansão urbana do Plano Piloto de Brasília, entre outros aspectos de sua concepção – como a alegada característica de ser um inovador "bairro verde", ecologicamente correto. A questão urbana envolvida é elementar: o Plano Piloto de Brasília não previa, de forma alguma, essa expansão formada pelos setores Noroeste e Sudoeste, reflexos dos espaços das Asas Norte e Sul, respectivamente. Desde sua concepção original, a proposta de Lúcio Costa, de 1957, primava por sua elegância, concisão e limpeza. As formas desse extraordinário Plano Piloto foram comparadas com pássaros, aviões, borboletas... E não com gordas mariposas, ou com cidades de urbanismo pretensioso e cafona, como Las Vegas e Miami. No passado, no início, o Plano Piloto era esguio e elegante.

Todavia, 30 anos depois, em 1987, é o próprio Lúcio Costa que propõe esses dois novos bairros, dentro do Plano Piloto de Brasília, num singelo parágrafo, órfão de um só croqui de projeto urbano. Esse parágrafo se parecia mais com um daqueles incisos de última hora, que tanto vemos nos projetos de orçamento público do Poder Legislativo, Federal ou local.

Pior, não havia, para a criação desses impactantes setores urbanos, a menor justificativa, seja urbanística, seja de serviços, seja habitacional, seja estética. Os enormes volumes de trânsito de veículos (cerca de 40.000 veículos concentrados em um bolsão com poucas saídas), o impacto na infraestrutura de fornecimento de água potável e tratamento de esgotos, entre tantos outros aspectos, não eram considerados, de forma alguma. Era um parágrafo estranho a toda a biografia e doutrina do grande urbanista, um inusitado parágrafo que tão-somente abria a exceção para a ocupação imobiliária de áreas preservadas. Não tenho a menor dúvida de que Lúcio Costa foi pressionado a escrever e assinar essa enormidade, que agrava seriamente o mais importante plano urbanístico brasileiro.

O que acontece a seguir é lamentável.

O Setor Sudoeste, que o antecede em uma década e meia, foi projetado de forma ambientalmente agressiva, ocupando todos os espaços vazios disponíveis acima da Asa Sul e do Parque da Cidade, entre o Eixo Monumental e o Setor Octogonal. O Setor Noroeste será ocupado em etapas, da mesma forma imobiliariamente exaustiva. A alegação dos vendedores, de que será um "bairro verde", é falaciosa, pois: a) o Setor Noroeste não é fruto de nenhuma análise ambiental que o coloque como forma de defesa do ambiente, ou de manejo claramente orientado para a preservação daquela enorme gleba; b) não há um projeto de educação ambiental ou de organização comunitária concomitante com esse episódio de urbanização, central a esse projeto, gerador de suas formas. Isso, sim, seria inovador, revolucionário, exemplar, digno de Brasília.

Ao contrário, trata-se de um empreendimento com um padrão comercial que é o ideal para os espertos empreendedores imobiliários de Brasília, pois usa algumas das características do urbanismo de Lúcio Costa para promover um produto, uma mercadoria, de magna lucratividade. Não há sequer a previsão das condições básicas de organização comunitária já conquistada pelas comunidades das superquadras de Brasília, como as sedes de Prefeituras Comunitárias. O Setor Noroeste abrigará, isto sim, a imponente sede de uma Administração Regional, da confiança do governador, que fará o mesmo trabalho de desmobilização da comunidade, de um "peleguismo comunitário", que é fatal à organização de uma comunidade que defenda a qualidade ambiental de seu habitat.

Contudo, é impossível não reconhecer que o Governo do Distrito Federal – ao associar-se a empreendedores imobiliários de um modo tão explícito, esforçando-se para "vender" o novo bairro como um empreendimento ecologicamente fundamentado, ainda que de forma falsa, falaciosa – toca num ponto caro à população de Brasília: há enorme expectativa de que nossa cidade tenha empreendimentos com a qualidade da responsabilidade ambiental, de forma verdadeira, transformadora. E a Universidade de Brasília deve colaborar em projetos sérios, nessa direção: por um urbanismo que empodere a comunidade e promova uma ocupação urbana com base nas ciências ambientais.



Frederico Flósculo Pinheiro Barreto, 

Professor do departamento de Projeto, Expressão e Representação em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da UnB.

11.2.09

Golpe italiano

Só não vê quem não quer. A seleção italiana deu um golpe no futebol brasileiro ontem.

Você já tinha imaginado o Elano, jogador regularmente bom, fazendo um golaço no melhor goleiro do mundo? E o Pirlo perdendo a bola daquela forma dentro da área?

Golpe, meus caros.

A Itália entregou o jogo para que nós continuemos com  Dunga a frente da seleção brasileira e, portanto, sem chances de ganhar a Copa da Mundo.

Se minha teoria da conspiração colar, colou.

Se não colar vamos aos fatos.

Eu sou o DEM do Dunga. Sério mesmo. Eu torço pelo quanto pior melhor. 

Não me acusem de antipatriota. Aqui do lado, no meu perfil, deixo claro que sou, antes de tudo, um brasileiro. E por isso mesmo, há um bom tempo, eu só torço para que a seleção perca, jogo após jogo. Torço sempre pela queda do Dunga e para um técnico de verdade tomar o comando da seleção. Felipão, Muricy, Luxemburgo, Renato Gaúcho, Tite, Oswaldo de Oliveira, não importa. Eu quero o Dunga fora.

10.2.09

29 anos de PT


O partido do presidente Lula e da ministra Dilma Rousseff, o pt, completa hoje 29 anos de existência.

A festa ocorrerá no Villa Rizza, às 20h. Ingresso mais barato (e já esgotado): R$ 100.

Eu vou repetir pra quem não entendeu. Há 29 anos um monte de operário se juntou pra fundar um partido e hoje eles vão festejar cobrando R$ 100 por convite. Ou, se alguém quiser, também há convites de R$ 200, R$ 500 e R$ 1000.

Que festa de massa, que popular, que "de trabalhadores", hein.

A estrela da festa será ela, a candidata de Lula, general Rousseff, que o PT já decidiu aceitar goela abaixo. Alguém vai discordar de Lula com 84% de aprovação?
O PT mudou.
Foto: Agência Brasil

Ex-PFL procura um ético entre os seus


O deputado Edmar Moreira (DEM-MG) sofre de um caso de justa perseguição.

Perseguição porque a imprensa faz vista grossa pra coisas muito piores que muitos deputados fazem, mas neste caso investigaram incessantemente para apurar tudo que poderia haver de errado com Edmar. Tudo começando pelo fato de ele não ter declarado à justiça a posse de uma construção em forma de castelo no valor de US$ 25 milhões, sem se importar com o fato de a posse não ser dele, mas do filho.

Fato é que Edmar Moreira, ao subir à mesa diretora da Câmara dos Deputados, virou vidraça. Para aliviar a pressão ele renunciou aos cargos de 2º vice-presidente e Corregedor da Casa. Expulso do DEM (ex-PFL), ele agora corre o risco de perder até o mandato.

Os cargos vagos, respeitando-se a proporcionalidade das bancadas, cabe à indicação do DEM, mesmo o candidato oficial do partido em 2 de fevereiro, quando toda a mesa foi eleita, tendo sido o deputado Vic Pires Franco (DEM-PA). Sabendo que o cargo será vigiado por todos o partido tenta encontrar um nome acima de qualquer suspeita. O ex-governador de Pernambuco Roberto Magalhães é um dos favoritos à indicação. Nada impede que haja nova disputa voto a voto no plenário.



Foto: Agência Brasil



Atualização: 12/02 18:40 O DEM (ex-PFL) escolheu ACM neto.

9.2.09

Volta, Felipão!


Nunca torci contra o técnico brasileiro Luiz Felipe Scolari no Chelsea, pelo contrário, acho importante técnicos brasileiros vencerem no velho mundo, mas esta é a oportunidade que nós precisávamos.

Sua demissão abre as possibilidades para que ele volte ao comando da seleção brasileira e faça com que nós voltemos a lembrar de Dunga como um grande volante. E só.





Foto: Agência Brasil

4.2.09

A blogosfera ficou mais pobre

Mino se despedindo

Pena pra todo lado


O deputado José Aníbal (PSDB-SP) foi reconduzido a liderança do seu partido na Câmara dos Deputados.

Problema: o partido decidira em 2003 não permitir que ninguém mais seria reeleito líder da bancada tucana na Câmara.

Consequência: 19 deputados do partido, de um total de 58, lançaram nota chamando a continuação de Aníbal na liderança de golpe.

Leia a íntegra da nota com alguns grifos nossos:


"Movimento Unidade, Democracia e Ética

A atitude golpista e antidemocrática da liderança do PSDB na Câmara dos Deputados levou à dissidência um grupo expressivo de deputados e à formação do Movimento Unidade, Democracia e Ética na bancada do partido. O ato, típico de regimes autoritários, foi materializado em reunião convocada para a noite anterior à eleição do líder, com o intuito nefasto de alterar as regras e permitir a reeleição consecutiva, o que era vedado explicitamente desde 2003.

Além disso, a norma que interditava a reeleição havia sido ratificada pela bancada, por unanimidade, no dia 15 de outubro de 2008.
Além de ferir os princípios da boa convivência e da manutenção da palavra na política, a mudança na véspera das eleições é inaceitável para um tucano que tenha ética e respeito ao estatuto do partido. A história da criação do PSDB está profundamente marcada pela reação a práticas similares de formação de maiorias eventuais, ao atropelo das normas partidárias e dos direitos das minorias. Atitudes que, infelizmente, têm marcado a vida partidária brasileira.

No programa do PSDB está escrito: “Não haverá delegados permanentes – outra fonte de aliciamento e fisiologismo que desvirtua a democracia interna. A alternância dos dirigentes e o princípio da direção colegiada serão observados em todos os níveis”. Não há argumentos aceitáveis para excluir desse enunciado a eleição do líder do partido na Câmara dos Deputados.

O Movimento Unidade, Democracia e Ética congrega deputados que buscarão atuar de forma coordenada no trabalho parlamentar, pautando-se sempre pelos princípios programáticos do PSDB, e não seguirão a orientação do atual líder da bancada por considerar ilegítima a sua eleição.

Brasília, 4 de fevereiro de 2009

Dep. Antônio C. Pannunzio
Dep. Arnaldo Madeira
Dep. Carlos Alberto Leréia

Dep. Carlos Brandão
Dep. Emanuel Fernandes
Dep. Fernando Chucre
Dep. Gustavo Fruet

Dep. João Almeida
Dep. Julio Semeghini

Dep. Jutahy Magalhães

Dep. Leonardo Vilela

Dep. Luiz Paulo Vellozo Lucas

Dep. Mendes Thame

Dep. Nilson Pinto

Dep. Paulo Renato Souza

Dep. Ricardo Trípoli

Dep. Vanderlei Macris

Dep. Walter Feldman

Dep. Zenaldo Coutinho
"

Apesar de relaticamente poucos deputados terem assinado a nota, um terço da bancada, as assinaturas são bem qualificadas. Assinaram, entre outros o ex-ministro da Educação Paulo Renato de Souza (SP), o sempre credibilizado Gustavo Fruet (PR), o ex-líder Jutahy Magalhães (BA), e outros tucanos paulistas como Arnaldo Madeira (SP), Antônio Carlos Pannunzio (SP), Walter Feldman (SP) e Mendes Thame (SP).

A dura nota põe à observação pública a divisão de um partido que sempre se organizou em alas que se odiam, mas sempre buscaram não demonstrar isso abertamente.

As brigas tucanas já foram entra Efeagacê e Mário Covas, entre José Serra e Tasso Jereissati, e hoje é entre o mesmo Serra e Aécio Neves, com vistas à eleição presidencial de 2010.

José Aníbal, como bom tucano, jura ser amigo de infância de Serra, mas não desafetos antigos. Assim, a susposta ajuda que Aécio teria dado a Aníbal, segundo dizem alguns veículos da imprensa, é provavelmente verdadeira, assim como Serra também deve ter tido alguma participação numa nota assinada por Jutahy Magalhães, Mendes Thame e Arnaldo Madeira.

A briga tucana tende a ficar cada vez mais feia. Foi assim, rachado, que o partido rumou para as disputas de 2002 e de 2006. Perdeu as duas.




Foto: Agência Brasil

O que dirá Fraga?



O que o secretário de Transportes Alberto Fraga (DEM) vai falar depois do acidente de hoje? Que a remuneração dos empresários do setor de transportes de Brasília tem que ser aumentada para "que o serviço continue melhorando"?




Foto: Agência Brasil

Rodrigo Vianna: Lula vira Getúlio Vargas; Corvo aposta na crise

Lula bateu novo recorde de popularidade. Em plena crise econômica, com demissões já avançando em várias empresas do país, ele atinge 84% de aprovação na pesquisa CNT/Sensus.

Lula caminha para se transformar numa espécie de Getúlio, no imaginário popular. Só que Vargas era o pai dos pobres. Lula, no máximo, é o irmão mais velho. O problema de Lula é que, às vezes, se parece mais com Jango do que com Vargas (e Brizola) na disposição de combater os golpistas e conservadores.

Presidentes
O que eles têm em comum?

Com esses números da pesquisa, demos e tucanos devem estar morrendo de medo do terceiro mandato - correspondente lulista do “queremismo”* de Getúlio.

Sou contra o terceiro mandato (o que não tem a menor importância). Lula também parece ser contra (o que, aí sim, faz toda a diferença).

Vamos falar claramente: se FHC, a essa altura de seu governo, tivesse essa popularidade toda, a emenda do terceiro mandato já estaria em tramitação. Com apoio do Palácio do Planalto, da mídia e dos economistas de sempre, a defender que “a continuidade e a estabilidade são a melhor forma de enfrentar a crise”.

A pesquisa CNT/Sensus (http://www.cnt.org.br) também mostra que Serra segue na liderança pela disputa da cadeira presidencial em 2010. Teve leve queda, acompanhada de leve crescimento de Dilma. Heloisa Helena segue no páreo.

O que mais me chama atenção, entretanto, não é nada disso. Para 71,4% dos entrevistados, a violência e a criminalidade estão fora do controle no país. A violência parece preocupar mais do que a crise econômica já que “apenas” 34,4% dos entrevistados conhecem alguém que perdeu o emprego, mas 39,9% não conhecem ninguém nessa condição.

Vocês sabem que muitos tucanos torcem para a crise econômica se agravar. Serra, a essa altura, seria uma espécie de corvo (era assim que a “Última Hora” – Jornal de Samuel Wainer - chamava Carlos Lacerda, o homem que liderava os golpistas da velha UDN contra Vargas e Jango), à espreita da crise que o levará ao Planalto. Com uma vantagem: ele se parece muito mais com um corvo do que Lacerda.


O que eles têm em comum?

Os corvos só não perceberam o seguinte: o brasileiro teme mais perder a vida do que o emprego.

Se a crise econômica se agravar, a criminalidade vai crescer. A barbárie crescerá ainda mais, também em São Paulo.

Como Serra pretende “faturar” com a crise, enquanto dirige um Estado em que as polícias trocam tiros no meio da rua ?

Um Estado em que a PM – segundo o site do Paulo Henrique Amorim – só age quando a “Globo” está no ar: foi o que teria ocorrido ontem, nos confrontos de rua em Paraisópolis (espécie de Rocinha paulistana), imensa favela encravada no Morumbi.

A violência pode arrancar os olhos do corvo.

Quanto a Lula, veja a explicação de Clésio Andrade (presidente da CNT) sobre a popularidade recorde do presidente:

“(...) a popularidade do presidente Lula cresce, registrando recorde histórico na avaliação do governo e de seu desempenho pessoal, sustentado na forte crença e na esperança que o povo deposita em seu discurso e, provavelmente, a sensação, por parte da população, de que o governo está agindo e tomando medidas contra a crise.”

*”Queremismo” era o nome do movimento político que, em 1945, ao fim do Estado Novo, defendia que Vargas seguisse no poder. O PCB de Prestes, por exemplo, aderiu ao “queremismo”. Vargas não ficou. Retirou-se para São Borja, mas conseguiu eleger Dutra, um general sem carisma, para governar o Brasil.


RODRIGO VIANNA,

O escrivinhador

3.2.09

Cai a produção


As manchetes que mostram redução da produção industrial parecem que são reflexo da crise, não é. A redução é resultado da forma como o país está lidando com a crise.

Não há dúvidas de que os empresários estão demitindo, reduzindo jornadas etc. Mas ninguém diz que se um consumir quiser contra um Ford Ka hoje, terá que entrar numa fila de esperar de 45 dias. Ora, há demanda, mas o alardismo da imprensa e do empresariado está criando medidas adiantas de precaução que estão, na verdade, sabotando o país.

Como diz Delfim Netto, o Brasil vai crescer tanto quanto os brasileiros consigam fazer com que ele cresça.

Falando em Arruda


Depois de 25 meses de governo fica a pergunta: Quanto tempo vai levar pra ele cumprir a promessa, que o fez ganhar a eleição, de retirar de TODOS os pardais?

Ô governador, para de arrudear.

Arruda e Canhedo, eles querem seu dinheiro


O governador violador de painel José Roberto Arruda (DEM) já aumentou o preço das passagens do metrô e dos microônibus, aqueles que foram comprados para substituir as vans e, na verdade, ocupa as linhas circulares nas cidades satélite.

Mas não pensem que vai parar por aí. Arruda e o secretário de Transportes, Alberto Fraga (DEM), aquele que reassumiu o cargo de deputado federal no dia da eleição para a presidência da Câmara e ganhou mais de R$ 16 mil do erário público por um dia de, digamos, trabalho, ainda querem aumentar em R$ 0,50 os preços das outras passagens.

Brasília, como já disse aqui, tem o pior e mais caro sistema de transporte do Brasil. Enquanto em Fortaleza a passagem é de R$ 1,60, aqui chega a R$ 3 e querem passar para R$ 3,50. Enquanto o morador da capital cearense que pega uma linha por dia paga R$ 70,4, querem que o brasiliense pague R$ 154. R$ 83,6 a mais.

As desculpas (esfarrapadas) de Arruda e Fraga é que há muito tempo as passagens não são reajustadas enquanto aumentou-se o número de ônibus, vagões do metrô e estações metroviárias. O que nem eles, nem o Correio Braziliense falam é que o índice de passageiros por quilômetro rodado, o chamado IPK, dos ônibus era de cerca de 15.000.000 e depois que tiraram as vans de circulação aumentou para mais de 26.000.000, quase o dobro. Será que eles estão tão necessitados assim?

O fim da circulação das vans nada tem a ver com ordem pública, foi apenas uma manobra para os grandes empresários do setor botarem a mão em uma fatia do bolo que ainda não era deles.

Na quinta-feira, haverá uma plenária da Frente Contra o Aumento do Preço das Passagens, às 10h, no auditório do Sindágua, no Venâncio, no CONIC. Este blog estará lá.

Lula: 84%


Na pesquisa CNT/Sensus publicada hoje o presidente Lula bateu novo recorde chegando a 84% de aprovação.

Clique aqui e tenha acesso a pesquisa completa em .pdf.

A pesquisa mostra duas características do povo brasileiro. É um povo pouco exigente e esperançoso.

Pouco exigente porque, convenhamos, Lula é um bom presidente, mas não pra ter 84% de aprovação.

E esperançoso. Veja os quadros:


Avaliação dos últimos 6 meses



Expectativa para os próximos 6 meses


Perceba que, independente da avaliação dos meses passados, a expectativa para os próximos meses é sempre positiva, mesmo com a tal crise.


E a imprensa?
Fica claro também que a imprensa brasileira está léguas distante do povo. Enquanto nossos jornalistas fazem projeções apocalípticas e criticam o presidente incessantemente o povo, de uma forma geral, ruma com outro pensamento.


Quanto a 2010
Me nego a comentar uma pesquisa para o eleição que ocorrerá daqui a quase dois anos.

2.2.09

Sarney, Renan, Collor, Gim e Jucá massacram o otimismo deste blog




Não sei onde eu estava com a cabeça, mas realmente acreditava que Tião Viana (PT-AC) poderia derrotar José Sarney (PMDB-AP) na disputa pela presidência do Senado Federal. Talvez eu tenha ouvido "Yes, we can" demais. Cri na "change" na qual aquele mulato tanto fala, não sei.

O discurso de Arthur Virgílio (PSDB-AM), primeiro líder a falar, me encheu mais ainda de esperança. Com toda sua eloquência* deu vários argumentos aos senadores para elegerem Viana sem desmoralizar o desmoralizável senador Sarney. Ideli Salvatti (PT-SC), Osmar Dias (PDT-PR), Renato Casagrande (PSB-ES), Aloízio Mercadante (PT-SP), todos pró-Viana. José Agripino (DEM-RN) foi o único líder a defender Sarney, até porque Renan Calheiros (PMDB-AL) e Gim Argello (PTB-DF) seriam mais queimação do que ajuda.

Falou-se na imagem da instituição, na concentração de poder no PMDB, na renovação, nas companhias de Sarney, mas adiantou. Não faltaram argumentos a Viana, faltaram votos. Placar final: 49 contra 32, pró-Sarney.

Fortalece-se a política pequena, feita na base do toma-lá-dá-cá, carguinho aqui, votinho acolá. Fortalece-se Fernando Collor (PTB-AL), que pode acabar presidindo a comissão de Relações Exteriores. Perdeu-se uma grande oportunidade de mudar e acabar com alguns incômodos costumes na Casa Alta do Senado Federal.



Agora é na Câmara

O resultado pode ter reflexos na eleição Câmara. A conferir.