28.11.08

Tu vens




Anunciação
Composição: Alceu Valença

I'm sorry, Arnaldo

Podre e leviano. Como se não bastasse, desrespeitoso, banal, viesado, desconhecedor, e beirando a idiotice.


Tudo que se disser é pouco depois de ouvir o comentário de um comentarista da CBN, um tal Arnaldo.


Dizem, e eu estou propenso a acreditar, que a distância entre o ódio e o amor é muito tênue. Assim, eu não sei se ele odeia o nosso Presidente Lula ou ele o ama. A forma como ele explicita o seu ódio é simplesmente transcendental.


Ele bem que poderia se concentrar nas suas pieguices, falando do cotidiano, dos filmes que fez e dos que deixou de fazer, mas jamais invadindo a seara alheia, falando das contas públicas e seus efeitos na economia.

Felizmente, tudo que ele fala de economia revela um tremendo desconhecimento, mas tenta induzir o ouvinte a acreditar nas suas mentiras.


O comentário de ontem, dia 27/11/08, diz que “o Senado aprovou uma Medida Provisória que reajusta o salário de 380 mil servidores, ao custo de R$ 23 bilhões, o que se constitui uma verdadeira irresponsabilidade do Governo Central, criando dificuldades para o futuro Presidente da República, o José Serra”.


Vamos à verdade dos fatos: o Senado Federal aprovou, com emendas a Medida Provisória, já aprovada na Câmara Federal, reajustando os salários de funcionários ocupantes das Carreiras de Estado, cujos benefícios já foram pagos aos servidores, de forma retroativa, e que vai gerar um impacto de R$ 1,5 bilhões em 2008; R$ 5,7 bilhões em 2009; R$ 7,4 bilhões em 2010; e R$ 8,9 bilhões em 2011.


Ainda bem que a pujança da economia brasileira, hoje, permite fazer justiça a esses servidores públicos que, durante o Governo de Fernando Henrique Cardoso, ficaram sete anos sem qualquer espécie de reajuste.


Ainda bem que essas mesmas contas que pagam aos servidores permitem socorrer, de imediato, as vítimas da catástrofe de Santa Catarina (R$ 1,6 bilhão). Ele também é contra?


Não sabe ele que no mês de outubro, as contas públicas, porque bem administradas, apresentaram um superávit primário superior a R$ 14,4 bilhões e um superávit nominal superior a R$ 5 bilhões. Talvez não saiba também que o nível de desemprego apresentou o menor índice desde 1996.


Será que ele sabe que a relação Dívida/PIB alcançou o nível de 36,6% no mês de setembro e que já foi de 51% na era FHC? Ou será que ele não sabe que as vendas nos supermercados de janeiro a outubro de 2008 foram maiores em 10,4% as vendas de igual período de 2007?


Tudo isso apenas para dizer que podemos pagar a conta!


Pecado, irresponsabilidade e negligência é privilegiar apenas uma pessoa e não um segmento social, é privilegiar um Daniel Dantas ou ter um Advogado Geral da União defendendo a todo custo a “entrega” da Vale do Rio Doce a um determinado grupo econômico.


Ainda bem que o Arnaldo faz parte da minoria, daqueles que desaprovam o Governo Lula.

Ibrahim Sued, um antigo colunista social carioca, sempre terminava os seus comentários com a frase “sorry, periferia”.


Só nos resta dizer: sorry, Arnaldo!




Newton Braga,

Professor de Economia do Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB)

26.11.08

Fato político do dia

Os senadores Arthur Virgílio Neto (PSDB-AM) e José Agripino Maia (DEM-RN) foram reconduzidos às lideranças dos seus respectivos partidos no Senado Federal. Ambos irão para o sétimo ano como líderes no sétimo ano de seus mandatos.

No PT o líder no ano que vem deve ser Aloísio Mercadante (PT-SP) e no PMDB, ele, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Azeredo, um mensaleiro aloprado?

Tirado do blog Articulando:

"Todo o mundo lembra da crise política de 2005. A do famoso escândalo do valerioduto, esquema de arrecadação de dinheiro via caixa 2, do qual vários partidos se utilizaram para pagar dívidas de campanha e despesas políticas em geral. Os acusados começaram acusar os acusadores de serem os criadores do esquema em projeto piloto que acontecera em Minas Gerais na campanha à reeleição para o governo do Estado do atual senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG). Pronto, cheguei onde eu queria. Eduardo Azeredo, protagonista deste texto.

As acusações que açoitaram da presidência nacional do seu partido o senador Eduardo Azeredo, de ter sido o principal favorecido de um valerioduto mineiro, não são maiores nem maiores as que pesam sobre João Paulo Cunha ou Paulo Rocha, por exemplo. Porém, Azeredo não enfrentou processo de cassação e não tem a imprensa nos seus calcanhares. Muito pelo contrário, ele continua exercendo seu mandato com toda liberdade, e que liberdade.

Azeredo é relator de polêmico projeto que tipifica os crimes na internet e é considerado autoritário por vários blogueiros (exemplo) e agora é autor de projeto que estabelece cota de 40% para a meia-entrada em shows, teatros, cinemas outros eventos culturais e artísticos. O projeto foi aprovado hoje (25) na Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal em 1º turno. Clique aqui pra ver como votaram os senadores na comissão.

E a imprensa? Continua tratando-o como o “amigo do chefe”"

23.11.08

Lei seca continua não dando certo

Depois de cinco meses em vigor a lei seca continua não dando certo. Neste período, em relação ao mesmo do ano passado, o número de mortos no trânsito caiu apenas 6,2%, o de feridos aumentou (!) 2,4% e o de acidente aumentou (!!!) 9,3%.

Eu avisei que isto não ia dar certo e o Estado continua estrapolando seus poderes.

PHA e a super-tele

Vale a pena ler o texto no blog Anais Políticos.

Cássio, apenas o primeiro

O (ex-) governador tucano da Paraíba Cássio Cunha Lima foi cassado nessa semana pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ele recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para manter-se no cargo, mas dificilmente a Suprema Corte irá contra a decisão.

Cunha Lima, porém, pode ser apenas o primeiro de muitos. Vários governadores estão com a cabeça na guilhotina a ponto de perderem o mandato. Segue a lista:

  • Ivo Cassol (sem partido/RO)
  • Jackson Lago (PDT/MA)
  • José Anchieta Júnior (PSDB/RR)
  • Luiz Henrique da Silveira (PMDB/SC)
  • Marcelo Miranda (PMDB/TO)
  • Marcelo Déda (PT/SE)
  • Waldéz Góes (PDT/AP)

20.11.08

Dantas em dois tempos

No mesmo dia:

1º A Polícia Federal, mesmo com Protógenes Queiroz afastado, pediu a prisão de Daniel Dantas no novo relatório da operação Satiagraha. Enquando Dantas tiver "um trânsito ferrado" nos tribunais superiores nada disso adianta muito.

2º O presidente Lula assinou decreto mudando o Plano Geral de Outorga (PGO), o que permite a fusão entre a Brasil Telecom e a Oi. Ou seja, se algo de errado for encontrado nesta mais do que nebulosa transação Lula está com as mãos sujas.




obs: Ando escrevendo pouco porque assume a chefia de edição do novo blog Articulando. Clique aqui para acessar.

18.11.08

A crise lá fora

Será que pensam que eu sou bôbo, ou querem me fazer de bôbo? Pensam que eu não tenho discernimento ou estão repetindo uma inverdade tantas vezes que até o autor da mentira passa a acreditar nela?

Todos sabemos que as vendas de qualquer empresa depende, em parte, da renda dos eventuais compradores do seu produto. “A renda afeta a demanda”. Isto é válido para uma empresa como também para um país. Quanto maior for a renda dos compradores dispersos nos diversos países, maior a minha chance de vender produtos para eles. Se a renda deles cai, menores serão as minhas vendas.

Até aí, tudo bem. Sabemos que seremos afetados pela crise financeira internacional. Não é essa a lógica da globalização?

Por outro lado, quem de direito, os condutores da política econômica brasileira vêm tomando as medidas necessárias para que a redução das vendas externas seja compensada com a expansão do mercado interno. Daí essa injeção de recursos via redução do depósito compulsório, reforço das antigas linhas e criação de novas linhas financiamento, dentre outras.

A turbulência no mercado financeiro e seus efeitos na economia real já mostram que a economia alemã experimentou redução do PIB por dois trimestres consecutivos e a economia japonesa repetiu o mesmo comportamento. Grandes conglomerados apresentam prejuízos nos seus balanços e alguns certamente vão à falência.

E no Brasil? Grandes bancos se fundem; outros grandes bancos apresentam lucros colossais e não existem sinais de recessão. Ao contrário, as estimativas do mercado apontam para um crescimento do PIB superior a 5% em 2008.

A propósito, recente levantamento do IBGE informa que as vendas no varejo, até o mês de setembro, apresentaram uma variação positiva de 10,4% em relação ao mesmo período de 2007. Aí, vem um comentarista (da Globo, claro!) e informa aos incautos: “a crise é pior lá fora” . Se é pior a de lá de fora, a nossa é “menos pior”. Estamos em crise ou estão querendo me enganar?


Newton Braga,

Professor de Economia do Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB)

17.11.08

Para lembrar a 5º série...

Vamos relembrar o tempo em que eramos crianças felizes e inocentes, e fazíamos perguntinhas como as listadas abaixo:

1- “Vai tomar no cu!”
2- “Tomar no cu é verde, verde é bambu, bola na rede, meu pau no seu cu”

1- “Que time é teu?”
2- “Bateu na trave entrou no teu”
1- “Juiz apitou e não valeu”

1- “Olha a fichaaaa!” (apontando)
2- Olha pra onde a mão aponta.
1- “Olhou porque é bichaaaaa”

1- “Jacaré no seco anda?”
2- “No meu anda, no seu atola”

1- “Foda-se”
2- “Corroda-se, senta no meu pau e se acomoda-se”
1- “Foda-se bem, foda-se mal, cai de boca no meu pau”
2- “Foda-se mal, foda-se bem, cai de boca você também”

1- “Olha pra onde eu te comi”
2- fecha os olhos automaticamente
1- “Ahhnnn te comi no escurinho, né?”
2- “A luz acendeu quem te comeu fui eu”
1- “A luz queimou quem te comeu foi meu avô”

1- “Te pego, te jogo na cama, te enfio a banana, que cara tu faz?”
2- “Dou um mortal e te como por trás”

1- “O que que a baleia faz no seu cu?”
2- “Nad… Er… Porra nenhuma”

1- “Você está num navio com seu amigo Nabunda. O navio afunda. Você leva nabunda ou deixa nabunda?”
2- “Nabunda nada”

1- “Qual o aumentativo de dacueba?”
2- “Fudeu…”

1- “Vou fazer um churrasco. Com 30 quilos de carne dá pra 20 comer?”
2- “Foi mal, não sou bom com contas, como você, certo?”

1- “Qual o nome do carro do Speed Racer?”
2- “Match 5″
1- “Então toma” (atocha 5 dedos nas nádegas do outro garoto)

1- “Nesse calor, como sua a bunda né?”
2- “Não, não… Vai tomar no cu”
1- “Tomar no cu é verde…” (volta para o início)

Essa é lá do Supergunta