30.8.07

Boas camisetas

100%

Exemplo do seu poder

Na entrevista coletiva que José Dirceu deu hoje sobe a decisão do Supremo de aceitar as denúncias contra ele de corrupção ativa e formação de quadrilha ele falou sobre o poder da imprensa e foi criticado por quem? Pela imprensa.

Não brigue com a imprensa, caro leitor. O poder dela é realmente enorme. Eu aposto que você mesmo deve acreditar na história maluca de que deputados recebiam 30 mil todo mês para votarem com o governo. Claro, se eu não confiar na imprensa vai confiar em quem, né?

Mas exemplo maior do poder da imprensa é a história do senador Renan Calheiros (PMDB-AL). Diuturnamente a imprensa se esforça para derrubar o homem e agora ele é culpado na visão de todo mundo.

O relatório dos senadores Renato Casagrande (PSB-ES), pré-candidato a governador do seu estado, e da senador Marisa Serrano (PSDB-MS) diz que é "imprópria ao decoro" a relação do presidente do Senado com seu amigo Cláudio Gontijo, lobista da empreiteira Mendes Junior, e que ele não conseguiu provar que arcou com os pagamentos de pensão à jornalista Mônica Veloso, a ex-amante que acabou de posar para a revista Playboy, por concidência da editora Abril.

Vocês leram com atenção? O acusado não conseguiu provar que pagou a pensão. O que foi provado contra ele? Nada. Na dúvida guilhotina nele.

Senhores, estamos vivendo uma época na qual prevalece a "presunção da culpa".

Grave, muito grave

A manchete da "Folha de S. Paulo" de hoje é gravíssima.

Se as informações foram realmente conseguidas como se descreve na matéria a jornalista Vera Magalhães está de parabéns. Cumpriu muito bem o papel que a imprensa deve cumprir num país democrático.

A jornalista diz que presenciou conversa telefônica entre o ministro do Supremo Tribunal Federal Ricardo Lewandowski e alguém chamado Marcelo na qual o membro da mais alta Corte disse que o Supremo foi acuado pela imprensa e que todos os ministros votaram com a faca no pescoço no julgamente da denúncia do escândalo do mensalão.

Isto pode elucir algumas decisões sem cabimento. A aceitação da denúncia contra o ex-ministro Luiz Gushiken, a aceitação da denúncia de formação de quadrilha contra o ex-secretário-geral do PT Sílvio Pereira mesmo depois de todas as outras denúncias contra ele serem recusadas. Isto é, ele se juntou a outras pessoas para cometer ações criminosas. Estas outras pessoas podem ter cometido (ex-cúpula do PT), mas ele não. A mim isto não faz sentido.

O caso do ex-ministro José Dirceu me parece emblemático. As provas contra ele são a palavra de Roberto Jefferson, cassado por mentir, ilações sobre a palavra de Marcos Valério e a premissa de que como ele tinha muito poder, influência e é super centralista nada aconteceria de errado no governo ou no PT sem ele saber ou até mesmo liderar. Deus! O Supremo se baseia neste tipo de coisa para tomar suas decisões?

As decisões de Suprema Corte têm que ser técnicas, e não políticas ou influênciadas pela pressão da mídia ou qualquer outra pressão.

O Supremo é o guardião da Constituição, é quem mantem a República.

Um www feito por você

Não faço propaganda no Blog e nem tenho conta neste banco, mas a música do comercial é muito boa e gera polêmica.

A voz é do ministro Gilberto Gil?

28.8.07

A Vale é nossa





A lua é o que resta

Terminado o julgamento do escândalo do mensalão no Supremo Tribunal Federal tento descansar. Dormir é inútil. O que me resta é o início da noite quando a lua está mais linda e paro cinco minutinhos para apreciá-la. E olhem que nem apaixonado estou (A propósito está na hora de lançarmos a campanha "Faça o Braga Feliz"), mas este astro me parece cada dia mais maravilhoso de se admirar.

Veja é pega mentindo

Resuminho da história:

A revista Veja acusa o senador Renan Calheiros (PMDB-AL).

Renan acusa a editora Abril, dona da Veja.

Renan e seus aliados apoiam a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar as denúncias contra a editora Abril.

A Veja vem às bancas defendendo-se e mostrando a fala de várias pessoas criticando a criação da tal CPI.

O Blog do Braga repercute publicando o nome de todos os críticos à criação da CPI chamando-os de Amigos da Abril.

O senhor Claudio Weber Abramo, diretor executivo da Trânsparência Brasil, responde ao post da seguinte forma:

"Prezado senhor:

Informo que enviei à Veja a seguinte comunicação:

Prezados senhores:

A respeito de declarações minhas publicadas na edição de Veja desta semana, gostaria de esclarecer o seguinte:

1. Confirmo que a atitude to sr. Calheiros parece represália contra a publicação, por Veja, de reportagens que exibem dimensões antes desconhecidas de seus negócios, e que o deixam muito mal.
2. Declarei, ainda, que as matérias de Veja me pareceram bem feitas.
3. Contudo, não declarei que "Pela leitura do noticiário, não enxerguei nenhum ilícito praticado pela empresa". O que disse foi que a leitura do noticiário não permitia concluir nada numa direção ou noutra.
4. Também declarei que a eventual instauração de uma CPI para tratar do assunto não deve ser encarada como ameaça à democracia ou manifestação de autoritarismo.

Atenciosamente,"

A revista Veja havia publicado a seguinte frase atribuindo ao senhor Abramo: "Tudo indica que o presidente do Senado aventou essa possibilidade de irregularidade na transação da Abril em represália às matérias de VEJA. Pela leitura do noticiário, não enxerguei nenhum ilícito praticado pela empresa."

Ora senhores, mais uma prova da verdade relativa que a revista Veja publica semanalmente. Distorce informações à forma que melhor lhe convir. Isto, meus caros, não é jornalismo.

Dirceu vira réu

A semana do 3º Congresso do PT começou mal para o partido.

O Supremo Tribunal Federal decidiu por unanimidade aceitar a denúncia de corrupção ativa contra o ex-ministro José Dirceu na noite desta segunda-feira. O ex-presidente do PT e atual deputado federal José Genoíno e ex-tesoureiro Delúbio Soares também viraram réus. Já o ex-secretário-geral do partido Silvio Pereira, aquele que ganhou um Land Rover de presente de uma fornecedora da Petrobrás, escapou da acusação.

É bom lembrar que a decisão não declara a culpa, mas abre um processo contra os acusados pela convicção da Suprema Corte de que há indícios de atos criminosos.

A decisão era esperada, mas a unanimidade da votação foi surpresa. Isto deverá colocar ainda mais lenha da fogueira da briga interna petista.

Dirceu ainda terá a denúncia de formação de quadrilha julgada pelo STF.

Censura: Uma Forma de Escravidão

27.8.07

Dois bons textos para a coluna Economia ao Alcance de Todos

Agências, para quê?

Pessoas existem que são antipáticas no primeiro contato, na primeira leitura ou na primeira audição das suas opiniões. As falas muito carregadas de adjetivos e superlativos já colocam tais pessoas numa posição de radicalismo.

Estou falando da “cientista” político Lúcia Hipólito. Mas abro um espaço nas minhas concepções para apoiá-la num dos seus comentários sobre as agências reguladoras. Segundo a colunista, existem agências demais. Concordo plenamente.

Analisemos a origem das agências no Brasil. Em 1995, foi editado pelo MARE (Ministério da Administração e Reforma do Estado) uma publicação intitulada “Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado”.

Após vários considerandos, o documento deixa claro que ...... “reformar o Estado significa transferir para o setor privado as atividades que podem ser controladas pelo mercado” e que “Desse modo, o Estado reduz seu papel de executor ou prestador direto de serviços, mantendo-se no papel de regulador e provedor ou promotor destes...”

Pelo exposto, as agências reguladoras surgem quando o Estado se afasta da esfera produtiva, delega tais atribuições ao setor privado e passa a regular o relacionamento entre tais empresas fornecedoras de serviços e o cidadão. Porque, então, existe uma ANCINE? O Estado nunca produziu filmes. E a ANA? Quantas empresas são fornecedoras de água? E a ANAC? O papel desta agência não era tão bem desempenhado pelo DAC? (Departamento de Aviação civil). As agências ligadas ao setores de transportes, de telefonia e de energia elétrica, parecem ter um bom desempenho e são típicas no relacionamento Estado-cidadãos. Proliferou e banalizou-se a tal ponto a idéia de agências reguladoras que algumas delas não passam de uma estrutura burocrática do Estado, mas sem ter o que regular.

Revivendo Jean Paul Sartre no seu livro O Diabo e o Bom Deus, não existe uma pessoa totalmente boa ou totalmente ruim. Eu sabia que um dia eu iria encontrar o lado de Bom Deus da Lúcia Hipólito.




Passou despercebido

Passou despercebido por muitos colunistas (não creio que tenha sido proposital) o fato da divulgação nesta semana que a chamada Classe C da nossa sociedade teve o seu consumo de bens elevado. Notas de canto de página ou comentários de relance não expressam o significado de tais estatísticas.

Este fato deveria ser alardeado e festejado. Significa que pessoas que participam pouco do mercado teve a sua participação elevada.

Talvez o fato não tenha merecido maior destaque porque aconteceu em pleno desenrolar da quase crise mundial deflagada nos Estados Unidos e com toda a sua repercussão.

Passou despercebido também que, de acordo com o Relatório Focus do Banco Central, o mercado já projeta um crescimento do PIB de 4,62%, mas o próprio Banco Central já projeta 4,7%



Newton Braga
,
Professor de economia do Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB)

26.8.07

Correção ao porta-voz

O ex-porta-voz do governo Collor escreve no seu blog:

"A "tevê pública" será particular: Lula decidiu que ele - e não "entidades da sociedade civil" - indicará os vinte membros do seu conselho gestor."

O Blog do Braga corrige: "(...)Lula decidiu que o presidente da República indicará os membros do conselho gestor da TV pública brasileira."

Os amigos da Abril

Sou tão amigo da Editora Abril quanto da Rede Globo. Nem um pouquinho (ouviu Galvão?). Porém, não faço falta na vasta galeria de defensores da editora dona da revista Veja:

José Serra (PSDB), co-presidente da República, pré-candidato à 2010 e governador de São Paulo sob as bençãos da Abril;
Aécio Neves (PSDB), futuro presidente da República, tão pré-candidato quanto Serra e governador de Minas Gerais;
Sérgio Cabral (PMDB), governador do Rio de Janeiro e pré-candidato a vice-presidente em 2010;
Gilberto Kassab (DEM), prefeito de São Paulo por decisão de Serra e pré-candidato a reeleição;
César Maia (DEM), blogueiro e prefeito do Rio de Janeiro;
Tasso Jereissati (PSDB), senador e presidente nacional dos tucanos;
José Sarney (PMDB), ex-presidente da República, do Senador, senador e ex-dono do Maranhão;
Jefferson Péres (PDT), senador;
Demóstenes Torres (DEM), senador;
Pedro Simon (PMDB), senador (até ele);
Fernando Gabeira (PV), deputado;
Onyx Lorenzoni (DEM), deputado e líder do seu partido na Câmara;
Claudio Weber Abramo, diretor executivo da Transparência Brasil
Maurício Azêdo, presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI)
Dalmo Dallari, jurista

Não adianta. O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) fez uma denúncia contra a editora Abril e ela tem que ser apurada. Ponto.

Se a investigação deve ser feita por uma CPI ou não? Bem, se fazem CPI para investigar os aviões atrasam...

25.8.07

O julgamento do escândalo

Primeiro: Desculpem caros leitores por não ter escrito aqui nestes últimos dias. Tenho me dedicado à cobertura do julgamento do escândalo do tal mensalão no Supremo Tribunal Federal de tal forma que me falta tempo.

Tenho visto duas nomenclaturas na imprensa. "Julgamento do caso mensalão" e "Julgamento do escândalo mensalão". A segunda me parece mais apropiada. Reconheço o esforço da maioria dos ministro da mais alta corte do nosso judiciário em fazer um julgamento técnico, mas há determinadas passagens, como a aceitação da denúncia contra o ex-ministro Luiz Gushiken, que mostram a pressão midiática sobre o moderador da República.

A denúncia apresentada pelo procurador-geral da União é inépta. E não é pouco não. Se juntassem-se Ricardo Noblat, Lúcia Hippolito, Arnaldo Jabor e Diogo Mainardi para escrever a peça teria saído quase a mesma coisa, mas com mais deboche.

Mas vocês já devem ter lido outros falando sobre esse julgamento. O que mais me chamou a atenção nestes dias que tenho frequentado o STF é um detalhe do plenário:


O que aquele crucifixo está fazendo ali?

O Estado é, ou pelo menos deveria ser, laico. E o pior é que não é uma excessão não.

Salão Negro

Plenário da Câmara
Plenário do Senado (acima do busto de Rui Barbosa)



E o preâmbulo da Constituição? " Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democratico (...) promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL"

E a catedral de que o Estado construiu em Brasília? É ecumênica? Não, é católica.

No Brasil, o Estado está longe do laicismo.




fotos:
Plenário do Supremo: Site oficial do STF
Plenário da Câmara: Brasil para todos (ótimo site)
Plenário do Senado: Site do STF

22.8.07

A insensatez de algumas análises econômicas

É temeroso para qualquer economista arriscar um prognóstico sobre os efeitos da atual crise originada do setor imobiliário dos Estados Unidos. É verdade que a crise ainda está aí, com os seus efeitos totais desconhecidos, com perdas virtuais dos bancos e aplicadores, trazendo consigo um ambiente de incertezas.

Nada pior para a economia do que a incerteza, porque dela deriva o baixo investimento, as baixas aplicações em ativos produtivos e, com isso, há uma tendência à estagnação.

Alguém me perguntava sobre os efeitos para o brasileiro, para o operário. Ainda assim, temos que fazer uma estratificação: para os aplicadores na Bolsa, houve uma perda imediata, porque seus papéis sofreram uma baixa; para quem atua na área de exportação, o possível efeito negativo ou o baixo nível de crescimento do PIB americano pode redundar em vendas menores para aquele país. Sem alarde, porque do volume total das exportações brasileiras os EUA compram o equivalente a 18%. Já foi bem pior no governo passado, quando dependíamos de 25% das comprar americanas; como a economia americana afeta outras economias, estas ficarão mais pobres e comprarão em menor volume as nossas mercadorias; para o brasileiro comum, há o efeito sobre a taxa de juros. Possivelmente, o COPOM, na sua próxima reunião, não diminuirá 0,5% na taxa SELIC, significando dizer não será sensível a queda na taxa de juros.

Para a economia como um todo, já passou por um teste: houve uma pequena alta na cotação do dólar (não era desejável?) pela necessidade dos aplicadores honrar compromissos utilizando os dólares aqui aplicados.

Com tudo isso, o mercado está sinalizando um aumento do PIB de 4,62% em 2007.

Estamos salvos? Ainda não. Os comentaristas da Rede globo costumam construir cenários mais tenebrosos possíveis. Ainda ontem, um noticiário da CBN informava que o Palácio do Planalto estava preocupado com a crise. Tanto seria verdade que já estavam sendo tomadas medidas anti-crise, quais sejam promover o equilíbrio das constas públicas, limitar os reajustes dos servidores, etc, etc. coisas que são feitas independente da qualquer crise. Mas não é somente dessa forma que eles enganam os leitores/ouvintes: o Carlos Sardenbrg falava no dia 20/07 a respeito da prorrogação da CPMF que o Partido dos trabalhadores sempre foi contra a CPMF no governo passado e agora defende freneticamente essa contribuição. Ele deveria informar que aqueles que hoje são contra eram os que defendiam no passado. Seria esta omissão proposital? Sensato seria informar as duas facetas do mesmo assunto.


Newton Braga,
Professor de economia do Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB)

21.8.07

Renan inocentou

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) fez ao senador Gim Argello (PTB-DF) o que queria para si. Inocentou-o.

A mesa diretora do Senado decidiu não aceitar a representação do PSOL contra o senador do DF. A votação estava empata e veio o voto de minerva do presidente da Casa, ele, Renan Calheiros, quem seria melhor?

O PSOL não desistiu e prometeu ir ao Supremo para reverter a decisão.

Comentário do líder do partido na Câmara, deputado Chico Alencar (PSOL-RJ): "O nome dele é Gim e o outros que ficam bêbados".

Este é Ricardo Noblat

Neste post


O jornalista Ricardo Noblat mostra bem quem é.

Esforçado. Se deu ao trabalho de ler todas as páginas da denúncia do procurador-geral da República que será julgada neste semana no Supremo.

Competente e dono de redação incorrigível.

Imprevisível. Ataca diariamente o PT, o governo Lula e, quando dá tempo, o ex-ministro José Dirceu, mas desta vez disse "a denúncia contra Dirceu não reúne indícios minimamente robustos de que ele conhecia e chefiava o esquema do mensalão".

Irresponsável. Afirmou que o STF não tem peito para tomar a decisão acha correta se esta vai de encontro com opinião publicada e ainda afirma categoricamente que o julgamente será, "acima de tudo", político.

Porém, devo dizer, ele está certo. Não há provas de que José Dirceu era o chefe do tal esquema do mensalão.

Parabéns Vascão!

Hoje é o dia do Vasco no Rio de Janeiro em homenagem ao aniversário do clube.

109 ano de história, uma belíssima história.

Agora sim Tarso

Já falei que o ministro Tarso Genro tem um histórico de bolas foras, mas dessa vez pode ser diferente.

O PRONASCI (Programa Nacional de Segurança com Cidadania) pode ser a grande bola dentro da carreira de Tarso. No próprio do programa está clara a diferença entre ele e os outros que tentaram solucionar ou pelo menos melhorar o estado da Segurança Pública no Brasil. Não basta repressão, muito mais importante são as ações sociais para evitar a marginalização.

Boa, Tarso!

Mensalão, que mensalão?

Ás vésperas do julgamento no STF dos acusados de participar do suposto esquema do mensalão as pessoas continuam sem saber o que é ou foi ou teria sido isso que o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) denunciou.

Eu já fiz questão de deixar claro aqui que não acredito no tal esquema.

Tereza Cruvinel diz que foi "aquele grande caixa 2 do PT chamado valerioduto" e que só foram envolvidos membros do PT e da base aliada. O ex-PFL de Roberto Brant, um dos acusados, que se resolva com a jornalista.

O Estadão define como "pagamento de uma suposta mesada a parlamentares para votarem a favor de projetos do governo"

A Agência Senado define como "Mesada supostamente paga a deputados da base aliada do governo, em troca de apoio político em votações no Congresso. O esquema foi denunciado pelo ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), no dia 6 de junho de 2005."

O sítio www.comciencia.br define como esquema de pagamento de propina a parlamentares alegadamente inspirado pelo PT
.

O portal g1, da Globo, diz : "Mensalão" é como ficou conhecido o esquema denunciado pelo deputado Federal cassado Roberto Jefferson (PTB-RJ), de que existiria pagamento de mesada para a base aliada em troca de apoio ao governo nas votações do Congresso.

A Wikipédia não define o mensalão, mas sim o escândalo como um todo. Para ilustrar, uma foto de Roberto Jefferson.

Nem parece que um dos motivos que o relator do processo contra Roberto Jefferson na Câmara dos Deputados, Jairo Carneiro (PFL-BA), incluiu no parecer para pedir a cassação do seu mandato e a suspensão dos seus direitos políticos por oito anos foi justamente ele nao ter provado a existência de tal esquema. O relatório, é bom lembrar, foi aprovado no "santo" conselho de Ética e soberano Plenário da Casa.

Agora só resta esperar o que o Supremo dirá sobre o caso no fim desta semana. Se for um julgamento técnico dirão que não há provas. Se for um julgamento político...

Quem viver verá!

Remuneração do FCTS: Por que inferior à Poupança?

20.8.07

Kassab, a estrela

Antes de ser prefeito de São Paulo Gilberto Kassab (DEM) foi vereador, deputado federal, estadual e secretário na administração de Celso Pitta.

Candidato a vice-prefeito na chapa emcabeçada por José Serra, que prometeu cumprir o mandato até o fim, assumiu quando o tucano não cumpriu o que prometeu. Serra saiu no meio do mandato para ser governador do estado.

Kassab fico conhecido nacionalmente por expulsar um senhor de um unidade de Saúde chamando-o de vagabundo e agora, segundo Ana Paula Paiva, da revista Época, está saindo do anonimato e deixando a sombra de Serra.

Francamente... Desde já a grande imprensa já articula o que pode para eleger Serra presidente.

Do Blog do Petta

O "Cansei" é apartidário?

MPF sim, imprensa não

Sempre reclamam das indicações que o presidente da República é incumbido de fazer. Ministros de Estado, ministros do Supremo e dos tribunais superiores, embaixadores, diretorias de estatais e agências reguladoras, procurador-geral da República, presidente e diretores do Banco Central etc.

Alguns, como os ministros de Estado, devem lealdade ao presidente e ao governo. Outros, como os ministros do Supremo, tem que ser totalmente isentos, não devendo gratidão pela indicação.

O atual procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, tem sido exemplar nesta questão na falta de gratidão, de presente recebeu a recondução ao cargo. Palmas para o presidente e para ele.

Apesar do ministério público ser pautado pela mídia, Antonio Fernando vem cumprindo com seu papel com a maior isenção possível. Denunciou aquilo que ele acreditar ter sido uma organização criminosa formada por 40 membros com o intuito de perpetuar o PT no poder e agora denunciará também o chamado mensalão tucano.

É até bom lembrar. Tudo isso que gerou a avassaladora crise política de 2005/2006 foi inventado, até onde sabemos, pela campanha do então governador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) à reeleição em 1998, quando Fernando Henrique também era candidato a reeleição (e eu não vou nem falar sobre como este instrumento foi incluído na Constituição).

Mas é muito curioso o que aconteceu depois de Azeredo ter sido denunciado. Ele saiu da presidência do PSDB e continuou seu mandato de senador sem ser importunado. Não foi linchado publicamente como os acusados do tal mensalão. É, inclusive, relator de uma importante matéria sobre a regulamentação do uso da internet no Brasil. Ele quer tirar a sua privacidade, caro (e)leitor.

Encontro sempre Azeredo. Estou sempre no Congresso colhendo informações para publicar aqui para vocês, e ele está atuante no plenário ou nos corredores. Os reporteres da grande imprensa não olham torto para ele, não o prejulgam como chefe de uma quadrilha, nada.

Não quero que ataquem injustamente o senador Azeredo, só não concordo com essa imprensa parcial que se transveste de neutra.

E disse o ex-todo-poderoso do governo e atual todo-poderoso do PT

Às vésperas do julgamento do escândalo do tal mensalão no Supremo o ex-ministro, ex-deputado, ex-presidente do PT e eterno manda-chuva do partido soltou essa no seu Blog:

"Não consigo ficar sem dar respostas às matérias que a imprensa tem publicado a meu respeito. Apesar de não dar entrevistas nos últimos dias, por orientação de meu advogado, sou obrigado a responder e esclarecer determinadas matérias, como fiz em relação à do colunista Diogo Mainardi, da Veja. A mídia volta a publicar inverdades, como essa pérola de que dou "consultoria secreta", como escreveu um jornalista da Folha.

Todas as minhas consultorias estão declaradas no imposto de renda e não são públicas por uma generalizada e usual prática de confidencialidade, nada mais do que isso. As empresas exigem essa cláusula e, no meu caso, tem o agravante de que jornalistas que me pediam para divulgar os nomes das empresas foram os primeiros a pressionar essas empresas com uma publicidade negativa que beira a exigência de que não me contratem como consultor.

Outra inverdade é que faço lobby. Já respondi inúmeras vezes e até hoje não há nenhuma evidência, prova ou mesmo indício de que faço lobby, mas a cantilena continua. Na verdade, não querem permitir que eu exerça minha profissão de advogado e a atividade legítima de consultor. Querem me interditar, como na ditadura. Não bastou me afastar do governo e do PT e ainda cassar meu mandato. Agora não posso exercer minha profissão e ganhar a vida com a experiência que adquiri em 45 anos de trabalho, já que comecei com 15 anos de idade.

Na sua já prática natural, como se isso fosse ético, nossa imprensa continua escondendo os fatos que provam minha inocência. Um jornal carioca não me cita, mas põe uma foto minha numa matéria sobre denunciados investigados pela Receita Federal que, supostamente, teriam cometido ilícitos ou sonegação. Já declarei inúmeras vezes que durante 17 meses tive minha vida patrimonial, bancária e fiscal, de 2000 a 2005, investigada pela Receita, e nada foi encontrado de ilícito ou sonegação. Logo, fui inocentado, recebi uma espécie de atestado de honestidade da Receita Federal.

O mesmo vale para as investigações e inquéritos ou mesmo CPIs nas quais fui inocentado, no chamado caso Waldomiro Diniz, onde eu sequer sou citado em duas investigações, dois inquéritos e duas CPIs, e a denúncia caluniosa do irmão do prefeito assassinado de Santo André, Celso Daniel, que se retratou em juízo. Nesses casos, também fui inocentado, mas a imprensa finge desconhecer.

Agora, a mídia constrói castelos de cartas sobre meu futuro, quando já deixei claro que minha prioridade é minha defesa no Supremo Tribunal Federal e minha anistia. Não tenho planos futuros, não participo da disputa interna do PT, sou delegado eleito por defensores de todas as teses no meu diretório na Vila Mariana, em São Paulo, e delegado ao Encontro Nacional, eleito pelo Encontro Estadual de São Paulo. Vou ao Congresso do PT como filiado, não voltarei a ser dirigente do PT e não sou candidato às eleições de 2010, simplesmente porque sou inelegível.

Mas tenho legitimidade e direito de fazer política, de ser militante do PT e de participar, porque tenho direitos políticos, apenas sou inelegível por oito anos, fruto de uma cassação sem provas. E não abrirei mão de participar da vida política brasileira, porque nos últimos 40 anos lutei pela democracia, pela construção do PT, pela eleição de Lula e pelo governo do qual tive a honra de participar.

Não aceito a morte civil que querem me impor, nem o pré-julgamento que a mídia já fez. Sou inocente e vou provar".


José Dirceu de Oliveira e Silva,
Zé Dirceu

Bruxa solta

O deputado Júlio Redecker (PSDB-RS) faleceu no acidente da TAM.

Assumiu sua vaga, segundo a Folha, o suplente Claudio Diaz (PSDB-RS).

Agora o carro de Diaz foi atingido por um trem!!!

O deputado foi internado e passa bem. Desta vez não houve vítimas fatais.

Governo anuncia editais para concessões de rodovias

Eu avisei que este dia ia chegar.

BR-116 São Paulo - Curitiba;
BR-381 Belo Horizonte - São Paulo;
BR-116/376/101 trecho Curitiba - Florianópolis;
BR-101 Divisa RJ/ES Ponte Presidente Costa e Silva;
BR-153 Divisa MG/SP até a divisa SP/PR;
BR-116 Curitiba até a divisa SC/RS;
BR-393 Divisa MG/RJ até o entroncamente BR116 (via Dutra).

Este são os trechos para os quais o governo anunciou edital de licitação para a concessão "compreendendo a execução dos serviços de recuperação, manutenção, monitoração, conservação, operação, ampliação, melhorias e exploração" dos trechos.

Segundo o ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento (PR), ganhará a candidata que cobrar o pedágio mais barato.

Aguardamos qualquer manifestação daqueles que combateram a privataria tucana e os pedágios dos governos Covas e Alckmin em São Paulo.

19.8.07

Não acreditaria

Se, no começo do ano, alguém me dissesse que o Vascão estaria na terceira posição, disputando uma vaga na Libertadores e até, quem sabe, o título, com o segundo melho ataque da competição e a quarta melhor da defesa no início do segundo turno eu daria uma daquelas boas e sonoras gargalhadas.

Toda aquela expectativa em torno do psedo-milésimo gol do Romário parecia que o clube abdicaria qualquer pretensão coletiva e passaria o ano lutando pela marca pessoal do baixinho. Porém, ele fez bastantes gols no carioca, chegou a desejada marca nas primeiras rodadas do Brasileirão e se machucou. Com todo respeito à sua história, mas ainda bem. Romário em campo hoje mais atrapalha do que ajuda.

O resto do time, repito, é muito fraco. A boa colocação na tabela demonstra duas coisas. Primeiro: o nível técnico do campeonato nacional é muito baixo. Segundo: As críticas feitas à escolha de Celso Roth para comandar o Gigante da Colina, inclusive as publicadas por este Blog, foram injustas. Roth está tirando leite de pedra.

Alguns jogares, confesso, me surpreendem até agora. Esse Vilson, o Júlio Santos, o Wagner Diniz, um dos destaques do time da temporada, Perdigão, o homem do passe certo, Darío Conca, argentino desconhecido que de pouquinho em pouquinho foi mostrando trabalho, Rubens Junior, jogando no Vasco o que nunca tinha conseguido antes na carreira, são alguns dos exemplos.

O destaque mesmo fica por conta de Leandro Amaral. Fechou ao Vasco no ano passado desacreditado e acabou caindo nos braços dos vascaínos com atuações cheias de raça e boas jogadas. É o artilheiro do time no campeonato com sete gols e xodó da torcida.

BNDES também bateu recorde de lucros

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lucrou R$ 4,4 bilhões neste 1º semestre de 2007.

Com a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) no menor nível de sua história, 6,25% ao ano, o banco também bateu recorde de empéstimos. Foram R$ 6,5 bilhões em julho, elevando a R$ 31,2 bilhões os empréstimos dos primeiros sete meses de 2007 e a R$ 60,9 bilhões os dos últimos 12 meses.

Cansei, também

Cansei dos apagões nas paradas de ônibus, onde milhões de trabalhadores e estudantes esperam por transporte, debaixo de sol e de chuva, sob ameaça de assaltos, sem ter a quem reclamar e sabendo que sua tragédia será ignorada nos jornais. Do apagão da saúde nas filas dos hospitais, na cara doente do povo, no olhar de crianças assustadas e mães angustiadas. Cansei da desigualdade com que a tragédia escolhe seus portadores, poupando os que podem comprar remédios, médicos, advogados, até alguns anos de vida, prorrogando a própria juventude.

Cansei dos que estão cansados com aviões atrasados, mas sempre se omitiram ante um país que não decola, por causa da omissão e equívocos, da falta de patriotismo e de prioridades. Cansei da tolerância passiva ante os dois muros nos quais o Brasil esbarra: o muro do atraso e o muro da desigualdade.

Cansei do país campeão mundial da concentração de renda. E da burrice institucional que mede o progresso pelo número de carros engarrafados em ruas apinhadas.

Cansei dos que gritam e esperneiam contra a corrupção no comportamento individual dos políticos, mas usufruem da histórica corrupção nas prioridades da política. Cansei da humilhação dos baixíssimos salários dos professores, mas também das direções sindicais que não se ocupam da tragédia das escolas fechadas, por causa da guerra civil dos morros ou de greves intermináveis, pura e simplesmente.

Cansei, mas não me desesperei, ainda.


Cristovam Buarque,
Ex-reitor da Universidade de Brasília (UnB), ex-governador do Distrito Federal e senador da República pelo PDT

Vai-e-vem na Europa

Para acompanhar as transferências no futebol europeu.

17.8.07

Ovos, piauí e macacos

No discurso de posse o presidente Collor disse: "Há no Brasil, como sabemos, dois tipos de elite. Há elites responsáveis, modernas e criadoras, legitimas pela eficiência e pela qualificação. E há elites anacrônicas, atrasadas, que não hesitam em posar como donas do nacionalismo ou do liberalismo enquanto vivem à sombra de privilégios cartoriais, defendendo interesses do mais puro particularismo."

Collor, meus caros, estava certo. Há uma parte da elite que vive isolada em seus privilégios, que não se importa com a miséria dos pobres e só se preocupa em manter as estruturas desta sociedade capitalista selvagem que tira os direitos dos cidadãos e depois devolve alguns como favores, fazendo os mais necessitados cumprirem dura pena de vida e só servirem como base de apoio e de manobra para a manutenção dos seus luxos. Só sendo membro desta parte da elite alguém pode jogar ovos pela janela sem se importar com quem é acertado, "é divertido", pode espancar empregadas domésticas por achar que são garotas de programas ou queimar índios por achar que são mendigos. Só um legítimo membro desta elite diria que um estado como o Piauí, ou qualquer outro estado, poderia sumir e ninguém ficaria chateado.

É a elite preconceituosa. É a elite que elegeu o próprio Collor e, mais tarde, o presidente FHC porque, ora, eles tem "cara de presidente". Homens estudados, cultos e preparados para governar esta republiqueta de bananas. Jamais vão aceitar um retirante que desafiou a morte, a vida e a ditadura, não tem curso superior, tem fama de beber, não é um gentleman, não estudou em Sorbone, veio do nordeste, mas não é membro de nenhuma oligarquia e ousou chegar a presidência da República e governar priorizando os interesses dos mais pobres.

Essa elite tem os grandes veículos de comunicação como seus porta-vozes. O jornal "O Estado de S.Paulo" é só sincero. É contra a democratização dos meios de comunicação. Eles, senhores do saber completo e incorrigível, são os únicos que podem praticar o bom jornalismo. Informar as pessoas de forma alternativa, mostrando um fato por outro ângulo de visão, meus caros, é ser um MACACO.


Falta Querer

A Câmara dos Deputados realizou nesta semana um oportuno debate com uma pergunta: "Por que a educação deu certo em outros países e não deu certo no Brasil?"

A resposta exige apenas três palavras: "Porque eles quiseram". A pergunta então é: "Por que não quisemos?".

Por três razões: primeira, cultural. Não somos um povo, elite e massa, com visão e sentimento de que educação é um valor fundamental. Para nós, educação é, no máximo, um serviço público, como água, esgoto; com valor inferior aos investimentos na infra-estrutura econômica como energia, transporte, estrada, portos, aeroportos, bancos, e inferior também aos bens de consumo. Nenhuma família brasileira compraria uma televisão em uma loja parecida com a escola onde deixa seus filhos.

Faz parte da cultura brasileira ver a educação como um capítulo secundário ao propósito de renda, patrimônio, bem estar, soberania, justiça, democracia. O padrão de beleza é físico, jamais um jovem é tido como atraente por seus conhecimentos, por suas notas na escola. As novelas mostram seus heróis com base na riqueza, na saúde, no corpo atlético, nunca na formação literária, filosófica ou científica. E, se fizer essa inversão, parecerá falso.

Mesmo aqueles que se preocupam com a educação dos filhos, olham menos o conhecimento que terão do que as vantagens salariais que poderão obter com seus conhecimentos. Por isso, no Brasil, o interesse é maior com o diploma do que conhecimento.

Segunda, histórica. A cultura é conseqüência da história. A população deseducada não dá valor à educação. A má escola de hoje é vista como boa, porque os pais nada tiveram, agora seus filhos têm onde ficar, comer e ter a impressão que estudam. A exclusão gera a aceitação da exclusão, como as castas na Índia. No Brasil, os pobres vêem as boas escolas como um direito apenas dos filhos dos ricos, e os ricos acham que basta educar seus filhos. Os primeiros acham que não é possível uma boa escola para todos, os outros acham que não é preciso.

Terceira, política. Somos um povo dividido entre elite e povão. E historicamente a vontade política é orientada para atender aos desejos da minoria privilegiada, não às necessidades das massas excluídas. Isso vale tanto para os produtos da economia, que atendem ao mercado formado pela renda dos ricos; como para os serviços sociais: moradia, água, esgoto, transporte, cultura e também educação. Por isso, os aeroportos, por exemplo, são federais, mas as rodoviárias, municipais ou estaduais; as universidades, as escolas técnicas são federais, mas as escolas básicas, municipais ou estaduais. Quando os aeroportos entram em crise, o ministro é substituído, surge dinheiro para novas pistas, trens para levar os passageiros da cidade a novos aeroportos. Mas a tragédia educacional das greves se arrasta por meses sem qualquer ação da parte dos governos, especialmente o federal.

Quarta, abandono. Na educação, décadas de abandono fizeram com que o abandono gerasse um descaso ainda maior. O abandono provocou greves, as greves provocam mais abandono; o mesmo se passa com os baixos salários, e a perda de interesse dos professores, com as más condições dos prédios, com o roubo de equipamentos; com a violência.

São essas as principais razões que impedem o Brasil de dar o salto na educação: por falta de uma consciência social que nos impede de ter a vontade política coletiva de mudar.

Por isso, é tão difícil fazer a revolução educacional no Brasil. Não é porque não sabemos como fazer, é porque ainda não nos convencemos de que é preciso fazer.

A saída é fazer da educação uma questão nacional, fazer da escola uma responsabilidade federal. Tomar a decisão de que as escolas terão a mesma qualidade, independente da família em que a criança nasceu e da cidade onde vive. O desafio é convencer o povo de que isso é possível e preciso.

A maior tarefa, de quem quiser mudar a educação brasileira, é assumir o papel de educacionista, convencer, conscientizar os brasileiros de que é preciso e é possível, fazer essa revolução. Só mudando a cabeça do Brasil é que vamos educar as cabeças de nossas crianças, com a qualidade e a igualdade de que o Brasil precisa.

Cristovam Buarque,
Ex-reitor da Universidade de Brasília (UnB), ex-governador do Distrito Federal e senador da República pelo PDT

16.8.07

Heráclito

Nos últimos dois dias o senador Heráclito Fortes (DEM-PI) fez dois discursos que merecem comentários.

Na quarta foi mais de meia hora sobre a propaganda do Banco do Brasil. Aquela que fala sobre as pessoas fazerem três boas ações por dia em nome da sustentabilidade. Discordamos. O senador acha que há uma mensagem subliminar em defesa de um suposto terceiro mandato seguido do presidente Lula. Eu só acho que a propaganda é bem ruinzinha mesmo. Com todo o respeito àqueles que a fizeram, até entendo a intenção de despertar a curiosidade do público e tal, mas é bem ruinzinha, viu.

Na quinta-feira, de volta à tribuna do Senado, Heráclito atacou o presidente da Philips no Brasil, Paulo Zottolo, pelas declarações dadas pelo líder do movimento "Cansei" sobre o estado do Piauí. Junto ao senador Mão Santa (PMDB-PI) só não chamou Zottolo de gente. Tolo, ignorante, imbecil, cansado e megalomaniáco foram alguns dos adjetivos usados. Tudo isso porque o empresário deu uma entrevista ao jornal Valor Economico e declarou: "Não se pode pensar que o país é um Piauí, no sentido de que tanto faz quanto tanto fez. Se o Piauí deixar de existir ninguém vai ficar chateado".

Agora, vamos pensar bem. O que pode haver de cívico em movimento liderado por um homem que fala uma idiotice dessas?

Depois da repercusão Zottolo pediu desculpas ao governador Wellington Dias (PT).

15.8.07

Não sabia

Fundadores do PSDB


O site do PSDB conta a história do partido e lembra o nome dos seus fundadores. Entre eles, pasmem, Renan Calheiros (PMDB-AL).

14.8.07

Ao governador

Ilmo sr. governador do Distrito Federal José Roberto Arruda,


Vossa excelência não me conhece, portanto trato de me apresentar. Sou um jovem estudante de jornalismo e militante da esquerda brasiliense. Nunca apoiei sua candidatura e exatamente por sentir calafrios ao pensar na possibilidade de um mentiroso governar o Distrito Federal apoiei a candidatura da ex-vice-governadora Arlete Sampaio na disputa pelo comando do GDF que se deu em 2006.

Depois de outubro, como disse o presidente Lula no seu discurso depois da segunda vitória, não há mais adversários e passei a torcer por vossa excelência. Cri que vossa excelência tinha uma grande oportunidade de fazer um ótimo governo. Bastava fazer o mínimo que se espera de um político, aquilo que ele prometeu em campanha.

Vossa excelência não prometeu demolição de prédios, demissões e abandono das causas sociais, mas é o que vem acontecendo neste sete meses e meio do seu governo. Vossa excelência falou que em cada escola construiria quadras poliesportivas e colocaria, repito, em cada escola pública, um dentista para atender as crianças. Meu Deus. Nem professores suficientes nós temos, imagine dentista. E os pardais, governador? Vossa excelência disse que ia acabar com essa maquininha caça-níquel e enganou a classe média da capital. Uma multa chegou aqui em casa, diga-se de passagem.

Muito tempo de governo ainda lhe resta, o que resta pouco é a paciência dos brasilienses. Por isso peço que mude de rumo.

Continuo esperançoso que os problemas do transporte "público" sejam resolvidos. O que o trabalhador humilde passa todo dia com esse apagão terrestre é realmente de cansar, mas este povo, o povo humilde, que elegeu vossa excelência, não cansa. Não pode se dar o luxo de cansar. E, teimoso, segue acreditando que vossa excelência se lembrará das promessas e as cumprirá.


Luiz Eduardo Braga,
cidadão brasiliense

Passos renuncia

Deputado distrital Pedro Passos renuncia para evitar provesso de cassação

Como diz a sabedoria popular: Pedro Passos está certo. Errado é quem votou nele.

Do Painel da Folha

Escrete. Corintianos tentarão equilibrar forças na Câmara paulistana com os rivais palmeirenses, que já contam com Ademir da Guia (PR). Sairão candidatos a vereador o ex-goleiro Ronaldo (PPS) e o ex-atacante Dinei (PDT).

FHC, com a sinceridade a flor da pele

Algumas frases do ex-presidente e eterno guru tucano Fernando Henrique Cardoso na edição deste mês da revista Piauí:

“Quais são as instituições que dão coesão à sociedade ? Família, religião, partido, escola. No Brasil, tudo isso fracassou.” (verdade)

“No meu governo universalizamos o acesso à escola, mas para quê ? O que se ensina ali é um desastre.” (verdade)

“A única coisa que organiza o Brasil hoje é o mercado. E isso é um desastre.” (verdade)

“Essa coisa de ser brasileiro é quase uma obrigação.”

“O problema do Brasil não é nem o esfacelamento do Estado. É algo anterior: é a falta de cultura cívica.” (verdade)

“Como eu ia dizendo, é bom ser brasileiro: ninguém dá bola.”

“Não acredito que o Lula tenha práticas de enriquecimento pessoal... O que há é que ele é um pouco leniente.”

“Já o Lula é o Macunaíma, o brasileiro sem caráter, que se acomoda.”

“Sou mesmo a única oposição, mas estou me lixando para o que o Lula faz. O problema é a continuidade do que foi feito.”

“ ... no Governo Sarney. Foi quando começou o loteamento dos cargos ... Com o PMDB, o que se loteou foi a máquina do Estado: ministérios, hospitais, todo tipo de órgão, até o mais insignificante, tudo. O Estado desapareceu, virou patrimônio dos políticos.” (verdade)

“Em restaurantes em Buenos Aires sou aplaudido quando entro. É que eu traí os interesses da pátria, então eles me adoram.”! A neta Julia, de 18 anos, balança a cabeça: “Como é que ele diz essas barbaridades ...”
õ.Õ

" Eu não sou a favor da privatização. É uma questão prática. Se nós não tivéssemos privatizado a telefonia, o Brasil não teria entrado na Era da Internet."

" Acho que o presidente Lula deveria ter tido a grandeza, depois da transição pacífica que fizemos, de dizer para nós do PSDB: “Vamos trabalhar juntos para mudar o Brasil”." (Tem razão)

"Eu acreditava [que Lula faria o convite ao PSDB]. Mas, na verdade, Lula resolveu fazer o contrário: alianças com os setores mais atrasados do Congresso." (Falou o cara que governou com o PFL a tira colo)

A juventude e a condução do trem da história



Agora?


Eles devem ter chegado a conclusão de que pode ser meio perigoso...
o.O

O Google concorda comigo

Se você, caro leitor, se der o trabalho de visitar o site do google e procurar a expressão "Zé Graça" vai encontrar o artigo da Wikipédia sobre Diogo Mainardi, o Zé Graça III.

Tudo começou aqui.

Ué!

Acabou a crise?

Amor estranho amor

Para quem não sabe do que se trata: clique aqui e/ou aqui.

O garotinho que fez a tal cena erótica com a Xuxa pretende escrever um livro. Entrevista à Folha de S.Paulo.

Privatizações a vista

O novo presidente da Infraero, Sérgio Gaudenzi (PSB), disse hoje que não é contra privatizações de aeroportos brasileiros.

Agora eu quero ver!

Vai ter muita gente que demonizou todo e qualquer tipo de privatização mudar o discurso e defender se o governo Lula decidir fazer também.

Este Blog é daqueles que critica a privataria do governo FHC. Não porque é coisa do demônio, mas porque os processos que se deram no reinado tucano foram cheios de tráfico de influência, como no caso da Telebrás, ou com preço de banana, como no caso da Companhia Vale do Rio Doce, que foi vendida por 3 bilhões e hoje lucra mais de três vezes isso em um único ano.

Vale a pena privatizar os aeroportos brasileiros? Esta é não é uma questão de ideologia. Desde que não gere prejuízo para o Estado e traga benefícios para o consumidor não há problema. O que eu duvido é que estas duas condições sejam respeitadas. A primeira ainda até vá lá. Temos hoje a Dilma Rouseff no governo defendendo os interesses nacionais, mas o consumidor será afetado negativamente. Por que? Ora, porque a TAM fala com sinceridade aquilo que todos pensam no mundo capitalista: Nada substitui o lucro*. Dane-se o conforto dos passageiros, dane-se até a segurança deles, "tudo vale a pena quando o lucro não é pequeno".

Exemplo de que o consumidor é sempre o elo fraco da corrente é que as aéreas já avisaram: mais espaço entre assentos pode gerar tarifa maior. Este "pode" na frase é pura gentileza. Claro que o prejuízo vai cair nosso bolso.




*Juro que não sabia que o capitalismo já fosse algo tão natural na mente das pessoas. Dia desses estava na faculdade e numa aula de jornalismo econômico a professora fez a seguinte pergunta supostamente retórica: "Por que o objetico é sempre qual?". Ao meu lado, lá num famoso fundão, alguém respondeu sem titubear e como se fosse lógico: "O lucro!".

Para aonde estamos caminhando, senhores?

E daí?

Marta descarta concorrer à Prefeitura de São Paulo


E o Serra descartou sair no meio do mandato de prefeito para se candidatar a governador. Grande coisa!

A propósito:

11.8.07

Que vontade de bater na empregada

O Zé Graça está impagável esta semana.

Falando sobre a direita e a esquerda diz que os petistas falam que ser direita é jogar ovos pela janela e espancar empregadas domésticas. Voltando o assunto para o seu mundinho em particular ele emenda: "Por mais direitista que eu seja, segundo José Dirceu e seus amigos, ainda reluto em adotar a prática de arremessar ovos pela janela. Por outro lado, penso em surrar minha empregada sempre que ela se esquece de comprar manteiga no supermercado."

Este Zé Graça...

Jarbas presidente (?)

Essa esculação sobre uma possível candidatura do senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) para a sucessão de Renan Calheiros (PMDB-AL) na presidência do Senado é só cochicho da oposição para a imprensa para dar impressão de que a queda de Renan já é certa (e já é mesmo).

Jarbas é senador de primeiro mandato. Está no Senado não há um ano. Os maiores animados com esta possível candidatura, inclusive Ricardo Noblat, contam com pelo menos 36 votos certos. Porém, os que se animavam com a candidatura de José Agripino Maia (PFL-RN) no início do ano contavam com 40 votos. Não tiveram 30.

Sobre a possibilidade de Jarbas suceder Renan um aliado do alagoano é taxativo e responde com um sorriso no rosto: "O Jarbas é um ótimo executivo".

Outro blog

O mais novo deputado blogueiro é Geraldo Magela (PT-DF).

Na última quinta-feira ele promoveu um jantar num famoso restaurante da cidade para lançar seu novo site. Mais um passo rumo à candidatura a governador.

2010, senhores, está chegando.

CPI não, mas...

Nenhum dos líderes de bancadas do Senado Federal responderam até as mensagens que este Blog enviou perguntando se apresentarão uma proposta ou apoiaram a criação de uma CPI pra investigar as denúncias feitas pelo senador Renan Calheiros (PMDB-MG) contra a editora Abril, mas o presidente da comissão de Ciência e Tecnologia do Senado, senador Wellington Salgado (PMDB-MG), já disse que pretende requerer a convovação de representantes da editora que publica a revista VEJA, aquela do Zé Graça, da Telefonica e da Anatel, que aprovou a transação suspeita entre as empresas.

10.8.07

Boa música



E quem faz sucesso é o Latino

¬¬

Mas o Senado não gira em torno de Renan

Durante a sessão desta tarde o senadores falavam sobre a repartriação dos boxeadores cubanos que vieram competir nos jogos Pan-Americanos e tentaram desertar quando o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), aparteando discurso do senado Cristovam Buarque (PDT-DF), lembrou: "entre os meus 15 e 21 anos treinei boxe e cheguei a competir no campeonato paulista de 1962". O senador Heráclito Fortes (DEM-PI), oposicionista e piadista de primeira, pegou o microfone e disse: "Não sabia disso. Serei mais cauteloso daqui pra frente nos embates com o senador Suplicy aqui no Senado".

9.8.07

A acusação de Renan

E não contra Renan.


O senador Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado Federal, foi hoje à tribuna da Casa ratificar as denúncias que já havia feito contra a editora Abril e a revista Veja. A editora, segundo Renan, estaria envolvida numa negociação bilionária na qual venderia a TVA (transmissora de televisão por sinal a cabo e por satélite) para a empresa espanhola Telefônica, a mesma que comprou a Telesp no conturbado processo de privatização das "teles" que se deu durante o governo FHC.

Além do controle total da TVA também seriam vendidos 86,7% da operadora Comercial Cabo e 91,5% da TVA Sul.

Que não se atenha à discussão de que empresas estrageiras deveriam ou não poder comprar empresas de comunicação no Brasil. O fato é que a lei atual considera tal ato crime.

A editora Abril soltou nota oficial à imprensa na qual afirma que a "parceria" está rigorosamente dentro da lei.

Confio menos na editora Abril do que no senador Renan Calheiros.

Em tempo que CPI virou Minancora (remédio pra tudo) este Blog enviou uma mensagem eletrônica a todos os líderes de bancadas partidárias e de blocos do Senado Federal perguntando se estes apoiariam um eventual requerimento pedindo a abertura de uma CPI para investigar as denúncias feitas pelo senador Renan Calheiros. Aguardamos resposta.



***

Só para constar: Quando desceu da tribuna, de onde fez as acusações, Renan cumprimentou todos os senadores que viu a sua frente e o primeiro, até porque era o primeiro no seu caminho, foi o senador José Agripino Maia (DEM-RN), com quem protagonizou bate-boca nesta mesma semana no mesmo plenário do Senado. Este, educadamente, não lhe furtou o prazer de um bom aperto de mãos com tapinhas nos ombros.

Nova do Rafinha

Há um novo vídeo do comediante Rafinha Bastos no Youtube:




recomendo todos

Pirataria: até peças de turbinas de avião

8.8.07

Dirceu mobiliza mais do que a Zelites

Na noite desta quinta-feira o ex-deputado, ex-ministro e ex-presidente do PT José Dirceu lançou seu novo site no Bar Momumental, na quadra 201 sul de Brasília, na presença de companheiros de longa data.

Com direito a coro "Dirceu / guerreiro / do povo brasileiro" puxado pelos jovens presentes, a festa distribuiu um livro chamado "Em defesa de José Dirceu" que conta um pouco de sua história e da sua defesa em relação às acusações de que seria um "chefe de quadrilha".

A presença de mais de 200 pessoas, entre as quais deputados, senadores, ministros e outras personalidades do mundo político, no evento mostra a força de mobilização e dará força à campanha que ele pretende encampar pela sua anistia.

Ao contrário do que estava programado Dirceu não ficará muito tempo em Brasília. Pensava em permanecer quase um mês e até participar do "1º seminário Anistiados do Brasil - Anistia e Direitos Humanos", que será realizado no Câmara do Deputados neste mês (apesar do nome sugestivo trata-se da anistia de 1979, da ditadura militar), mas como o Supremo Tribunal Federal julgará o processo do mensalão, no qual Dirceu é o principal acusado, ainda em agosto ele foi aconsehado pelos advogados a deixar a cidade para evitar rumores, já que o processo deverá ser arquivado.

Alguns dos presentes avistados pelo Blog durante o lançameto:

Ricardo Berzoini(PT-SP);
José Genoino(PT-SP);
Antônio Palocci(PT-SP);
Maurício Rands (PT-PE);
Marco Maia (PT-RS);
Zé Geraldo (PT-PA);
Edson Santos (PT-RJ);
José Mentor (PT-SP);
Paulo Rocha (PT-PA);
Professor Luizinho (PT-SP);
Chico Vigilante (PT-DF);
Geraldo Magela (PT-DF);
Carlito Merss (PT-SC);
Ideli Salvatti (PT-SC);
Eduardo Cunha (PMDB-RJ);
Agnelo Queiroz (PCdoB-DF);
Matilde Ribeiro;
Gilberto Carvalho;
Luiz Dulci;
Expedito Veloso (articulista deste Blog);
Muitos militantes de base;
Ilimar Franco (O Globo);
Denise Rothenburg (Correio Braziliense);
Cristiana Lobo (Globo);

Em suma, o Dirceu mobilizou mais gente para o lançamento do seu novo site do que a marcha dos cansados. De longe.

Bate-boca dos melhores

Meninos, eu vi.

Estava eu no Senado Federal na tarde desta terça-feira e ouvi atentamente o discurso que o presidente da Casa, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), fez da tribuna. Nada de grande novidade. Destaque para as acusações contra a editora Abril. Valeu Renan. Inimigo da Abril é amigo meu.

Porém, a surpresa veio logo depois. Já com Renan de volta à cadeira de presidente da sessão o senador José Agripino Maia (DEM-RN), líder do seu partido, pediu a palavra "pela ordem" e reafirmou a posição dos "demos" de pedir a Calheiros que se afaste da presidência do Senado. Pra quê, rapaz? Renan respondeu com o dedo em riste. "Nenhum senador suportaria por duas semanas a pressão que estou aguentando há meses. Minha vida está sendo vasculhada de todas as formas. Vossa excelência, senador Agripino, é um homem que tem vários negócios. Concessões públicas, negócios com bancos estatais. Se isto estivesse se passando com vossa excelência eu não o prejulgaria nem permitiria que ninguém o fizesse". Agripino não gostou da citação de seus negócios como se tivesse sido acusado de algo e retrucou: "Se vossa excelência tem alguma acusação contra mim que diga abertamente para a nação saber."


Em suma, a queda de Renan é questão de tempo, repito.

7.8.07

Não mexe com a elite não

Ministro da Defesa recua e libera jatinhos em Congonhas

Mais um recorde

Depois do anúncio do lucro do Bradesco de R$ 4,007 bilhões vem o lucro deo Itaú: R$ 4,016.

Repito: Não há imposto em cima deste lucro!

A Mídia, a Política e a Economia

O jornalista Paulo Henrique Amorim usa uma expressão que, à primeira vista, pareceria fora de moda e eu demorei a aceita-la. Trata-se de “a mídia conservadora e golpista...”, tão repetida nos seus escritos. No entanto, ao ouvir qualquer veículo de comunicação do SISTEMA GLOBO essa expressão parece cada vez mais cristalina.

Saindo um pouco da economia e indo até a política, estive ouvindo a cientista (?) política Lúcia Hyppólito comentando a última pesquisa sobre a popularidade do Presidente Lula. Ela afirmou que “não se pode acreditar exageradamente em pesquisa de opinião”. Eu não consigo entender um cientista que seja refratário a pesquisa. Certamente a parcialidade da “cientista” leva a acreditar nas pesquisas quando o resultado é favorável às suas crenças.

A mesma cientista, no auge da “apagão aéreo”, em outro comentário criticava a Ministra Dilma Rusself por ela ter afirmado que um novo aeroporto em São Paulo poderia ser construído em 90 dias, afirmando, ainda, que construir aeroporto é diferente de construir carrinho de pipoca. Valha-se Deus! Como eu tinha assistido o pronunciamento da Ministra, posso dizer que ela afirmou que, se fosse o caso, a escolha de um local para construção de um novo aeroporto poderia ser feita em 90 dias.

Os cientistas devem se resguardar evitando cometer leviandades.

Voltando à economia, apesar dos resultados esplendorosos da atividade econômica, o Carlos Sadenberg não faz por menos. Crítico contumaz do Governo Lula, ele sempre esquece de ressaltar os bons resultados alcançados nesta administração. A inflação está sob controle, o mercado projeta um crescimento de 4,50% do PIB (mas eu, repito, aposto em 4,7 a 4,8%), as vendas de veículos acabam de bater recorde, a venda de máquinas agrícolas cresceu 107% no caso das colheitadeiras.

Do lado das contas públicas, o superávit primário (necessário para pagar os juros da dívida interna) alcança R$ 13 a 14 bilhões a cada mês. Isto quer dizer que o governo está arrecadando mais do que o que gasta.

Pois bem. E até justo afirmar que o Sadenberg entende de Economia, mas faz mau uso dos conceitos básicos. Dizer que a carga tributária aumentou e que o governo também aumentou os seus gastos é, no mínimo, insensato. O certo seria dizer que a máquina pública está mais eficiente no seu poder arrecadatório e, como tal, ocorreu um aumento na arrecadação. Por conta disso, existe um espaço para aumentar os gastos públicos, o que não é nenhum pecado. Aumentar os gastos públicos, decorrente de aumento no investimento, é bastante salutar.

Uma dúvida permanece. Ele sempre tem um entrevistado no seu programa. Coincidentemente, todos eles emitem opiniões que são muito próximas da sua. Como será a escolha dos entrevistados?

E uma tremenda armação! Tenho que concordar com o Paulo Henrique Amorim.


Newton Braga,
Professor de economia do Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB)

Pode desistir, Renan

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) pode fazer o que bem entender, mas vai cair.

Não tenham dúvidas. A imprensa conservadora já decidiu que vai derrubar Renan e não vai descansar até conseguir.

6.8.07

Lucro recorde

O Bradesco teve, só no primeiro semestre deste ano, um lucro de R$ 4.000.000.000,00 (para quem perdeu a conta dos zero é quatro bilhões de reais).

Imposto neles!

Não há, senhores, imposto neste lucro dos bancos. Este governo, dito de esquerda, deveria implentar para reduzir os impostos em cima dos remédios, ou dos alimentos, ou da gasolina, ou o imposto de renda, ou sei lá, mas um lucro deste, só por parte de um único banco, sem imposto é absurdo!

"É complicado se opor a Lula", diz líder tucano

Palavras de Pannunzio

E é fácil governar com uma oposição destas.

O governo Lula só tem oposição na imprensa conservadora. No congresso o último oposicionista com qualidade de argumentação e persuasão é o senador José Agripino Maia (DEM-RN).

E não me venham falar no PSDB. Estes já estão na base aliada do governo.

5.8.07

Trilha sonora dos cansados

O processo da Mobilização Social

Hoje, quando estava em reunião, ouvi um termo que muito me chamou atenção. "Mobilização Acadêmica". À caminho de casa vim pensando nesse termo e neste texto. Observem...


Quem acompanha este blog, sabe da minha luta por mobilização social. Acho e tenho a certeza que para dar um basta na corrupção do Brasil ( e dos outros países subsequentemente), para propiciar uma vida melhor a todos, e principalmente para obter o direito à educação e informação é necessário uma mobilização social. O termo mobilização social engloba toda população brasileira. Já o termo mobilização acadêmica engloba os docentes de universidades, os discentes de universidades e a estrutura universitária como um todo. A mobilização acadêmica pode ser muito bem exemplificada pelo epidósio da invasão da reeitoria da USP. Que também pode ser exemplo de mobilização social tendo em vista que não só os alunos estavam nessa invasão, nesse protesto. A partir do momento em que essa invasão atraiu a imprensa, chamou ateção da população brasileira, e levou a uma tardia atitude governamental essa moblização acadêmica tornou-se mobilização social. Pois, pela imprensa a população brasileira tomou conhecimento do assunto, o movimento - com certeza- começou a ganhar mais adeptos e então culminou na resolução parcial do problema. Não questiono aqui a classe social ou a personalidade dos manifestantes.


Entende-se então que antes de uma manifestação social há uma pré-manifestação. A primeira pré-manifestação chamarei de manifestação intelectual. Há primeiramente, a necessidade de mudança e essa é compreendida no intelecto. Se o indivíduo não a compreende e não- digamos assim- " conscientiza" a necessidade da mudança, não há como dar início a uma mobilização social. Então a gênese da mobilização social está na mobilização intelectual.


A segunda pré-moblização são as mobilizações que se dão por meio de clãs. Então: mobilização acadêmica, mobilização partidária, mobilização jornalística, mobilização indígena, etc. Esta caracateriza-se por adquirir adeptos. São importantes para o andamento da mobilização social. É partir dessa mobilização, inciadas nos clãs, que é possível alcançar êxito na mobilização social.


Este processo é de fundamental importância. Se a maioria da popualção brasieliera - ouso em dizer a elite brasileira ( pois é ela que tem o maior acesso a educação)- soubesse do processo que envolve a mobilização social, creio que muitos não diriam: "Mobilização social é oba-oba, é bagunça!". Não negariam ajuda às outras pessoas que fazem este país. Não estariam preocupados com o consumismo e deixariam de ser jovens alienados e cheios de "malhação".

É difícil conscientizar uma população que não se interessa pela nossa Constituição Federal que "todo poder emana no povo". E é triste saber que parte desse mesmo povo sabe disso e não se interessa em usar o seu poder para melhorar a vida do próximo.

A situação atual da mobilização social brasileira é instável e individualista o suficiente para deixar de existir. Mas a situação dessa jovem aqui é forte e decidida o suficiente para não deixar que isso aconteça.

Este texto foi escrito por Ana Paula Bessa,
estudante de jornalismo, articulista do Blog do Braga, que tem um anseio enorme por mudar a conscientização poítica e social dos jovens brasileiros.

Dirceu vence

Na etapa regional do 3º Congresso do Partido dos Trabalhadores ocorrido aqui no Distrito Federal o placar foi o seguinte:

Movimento PT (Tendência de Geraldo Magela): Dois delegados;

Mensagem ao partido (Tese de Tarso Genro): Quatro delegados;

Construindo Um Novo Brasil (Tese do ex-Campo Majoritário, de José Dirceu, Berzoini, Luiz Dulci, etc): Oito delegados.

Sem clima para golpe

Quando o presidente Lula foi eleito pela primeira vez a direita achou que ele ia fazer um péssimo governo, ia ser radical e quebrar o país. Porém, Lula fez um governo bem sucedido e quando viram que ele era favorito para a reeleição, já em 2005, tentaram desestabilizar o governo com a tal crise do mensalão. Não colou. Lula foi reeleito.

Depois da reeleição Lula ficou ainda mais popular. E eu, ingênuo, achei que a imprensa, a direita e a elite (se forem três coisas diferente) iam deixá-lo em paz. Pelo contrário. Tentaram culpá-lo pelas quase 200 mortes no acidente da TAM e, cansados, foram às ruas. Confesso. Depois das vaias na abertura do Pan achei que a "zelites" iam mobilizar o país numa nova Marcha da Família com Deus pela Liberdade. Que nada. Poucos gatos pingados foram às passeatas golpistas. No mesmo dia, de lambuja, sai uma nova pesquisa do Datafolha: 48% consideram o governo Lula bom ou ótimo, 36% o consideram regular e 15% ruim ou péssimo.

O PAC do blog do Zé

O PAC (Plano de Aceleração do Crescimento) é o programa do governo federal com o maior número de lançamentos oficiais da história.

Agora o Blog do Zé Dirceu quer competir. O ex-ministro escorraçado pela imprensa e ex-deputado cassado sem provas lançou em São Paulo no mês passado seu novo site que embloga o seu já existente blog. Nesta terça-feira ele virá a Brasília e fará novo lançamento do site. Será no Bar Monumental na 201 sul, às 19 horas.

4.8.07

Opa, não é bem assim

O Painel da Folha de S.Paulo de hoje diz que o presidente do diretório estadual do PT em São Paulo, Paulo Frateschi, tenta de todas as formas evitar que as eleições internas do partido sejam antecipadas pra este ano, o que encurtaria seu mandato.

Não é verdade.

Recebi há cinco dias um e-mail do Paulo cujo assunto era exatamente "Por que não antecipar o PED?"

PED = Processo de Eleição Direta

A zelites do Brasil



E disse o portal voz

O jornalista Cláudio Humberto, porta voz do presidente Collor, mantém em seu blog a frase do co-presidente José Serra: "Vamos ter que fazer demissões, isso é certo". E logo depois a explicação: "Governador de São Paulo, José Serra, após o fim da greve selvagem dos metroviários".

Deixa eu ver se eu entendi: Quando os controladores de vôo (ou voo) fazem greve, motim, chatageam e geram o tal apagão aéreo o governo Lula é incompetente e eles, os controladores estão apenas querendo seu justo aumento salarial e redução de carga horaria de trabalho. Quando os metroviários fazem o mesmo eles que são os selvagens?!

o.O

Aos anti-Lula

Você, caro amigo que odeia o presidente, foi a favor da criação das CPI's Apagadas, aquelas destinadas a apurar os motivos do apagão aéreo e encontrar soluções. Ou porque CPI serve pra isso, para buscar soluções, ou porque é o melhor jeito de culpar o presidente e desestabilizar o governo.

Agora, me diga: Essas duas CPI's deprimentes são realmente necessárias?

Não vou gastar meu latim falando da CPI do Senado, ela consegue ser mais apagada do que a dos deputados. Esta sim, um grande palanque. Cheia de ilustres desconhecidos. Gustavo Fruet, tucano respeitado, Marco Maia, pré-candidato a preifeto de Canoas, Marcelo Castro, grande defensor da criação do estado da Gurguéia (um tipo de Piauí ainda mais pobre), Eduardo Cunha, maior responsável pela futura nomeação de Luiz Paulo Conde para a presidência de Furnas...

As conclusões da CPI até agora: A culpa do acidente da GOL é dos pilotos do Legacy que desligaram o tal transponder. Oooooooooo...

Não precisava de CPI pra chegar a esta conclusão. Até porque há investigações sendo feitas por quem entende do assunto. O que os deputados entendem de turbina, transponder, reversor, grooving e afins? O mesmo que eu, o mesmo que você, querido leitor: Nada!

Mudança na Infraero

O novo ministro da defesa Nelson Jobim decidiu demitir o presidente da Infraero brigadeiro José Carlos Pereira, um homem competente, mas que caiu para dar uma resposta à sociedade, e principalmente à imprensa.

O substituto será o presidente da Agência Espacial Sérgio Gaudenzi, ligado ao PSB, mas convidado por indicação pessoal do ministro ele fará com que além dos porto o aeroportos também fiquem sob controle dos socialistas, como eles tanto queriam.

Para que serve o movimento estudantil?

A nova presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes), Lúcia Stumpf, disse, em entrevista para o portal G1, da Globo, que pretende abordar temas mais diversos como meio ambiente e cultural para atraiar mais jovens para o movimento estudantil.

Ora, Lúcia mostra bem o que a UJS (União da Juventude Socialista), a juventude do PCdoB, pensa sobre o movimento estudantil. Eles querem encher com mais gente e continuar fazendo farra. Elegendo delegados para os congressos na base do oba-oba e conquistando seu enorme curral eleitoral para se manter controlando a UNE e comandando-a com todo o centralismo possível.

O movimento estudantil deveria, além de representar os estudantes e lutar por seus direitos, politizar os universitários e secundarista, principalmente num momento de juventude tão alienada.

Não concordo com o pensamento comunistas, mas essa garotada do PCdoB é boa de formulação, ou pelo menos a meia dúzia que controla o resto. Eles poderiam levantar essa bandeira, mas preferem se manter no controle de um monte de estudantes alienados.

3.8.07

Interessantíssimo

Substituto da madeira

Senado, um clube de amigos (?)

Comumente ouvi-se que o Senado é um clube de amigos. Não é verdade. Até porque amizade é uma das coisas mais raras na política.

O Senado é pra onde vão ex-governadores, ex-presidentes, homens e mulheres de grande prestígio político. Assim sendo, são, na grande maioria, pessoas polidas que sabem deixar as diferenças políticas de lado e tratar uns aos outros cordialmente.

Nesta volta de recesso então parecem alunos no primeiro dia de aula depois das férias. Elogios aos cabelos mais lisos do senador Aloizio Mercadante (PT-SP), ao bigode bem aparado do senador Romero Jucá (PMDB-RR), fulano engordou, sicrano está mais bem humorado.

A tricotagem vai longe.

Seleção de quem?

Texto da Soninha

O espírito da bandeira

Nessas últimas duas semanas, o mundo viu a bandeira do Brasil ser hasteada 161 vezes, no pódio dos jogos pan-americanos. Para surpresa de muitos, nossa bandeira, diferente do modelo tradicional, traz um texto escrito.

Em muitos países, o telespectador não tinha a menor idéia do que queriam dizer as duas palavras; muitos outros, por terem alfabetos diferentes, ou por serem analfabetos, não sabiam sequer que aqueles símbolos eram letras.

Em 1889, depois de terem derrubado o imperador Pedro II, os republicanos desenharam a nova bandeira doBrasil e nela escreveram “Ordem e Progresso”.

Discutiram longamente a posição correta na qual colocar cada estrela, sem perceber a insensibilidade do ato de escrever um texto na bandeira de um país com 65% da população analfabeta.

Apesar de republicanos, escolheram uma bandeira para ser reconhecida por apenas 35% dos adultos, 6,3 milhões de brasileiros deixaram de ser considerados cidadãos, ficaram sem bandeira.

Cristovam Buarque,
Ex-reitor da Universidade de Brasília (UnB), ex-governador do Distrito Federal e senador da República pelo PDT

É simples assim

01 - dois pilotos norte americanos resolveram passear no Brasil, alteraram o plano de vôo, delisgaram o transpôder, provocaram o acidente com GOL e a imprensa disse: "A CULPA É DO LULA"

02 - UM AVIÃO da TAM tocou a pista de pouso com velocidade acima do aceitável, tinha um REVERSO travado pela empresa, estava superlotado, causou uma tragédia, doze horas após o acidente a imprensa, sem nenhuma avaliação técnica disse: 'A CULPA É DO LULA"

03 - um buraco desmoronou na obra do metrô de SP, ninguém culpou o governo paulista, que contratou a obra, pessoas morreram, casas foram destruídas, famílias inteiras estão desabrigadas até hoje, dias depois o GOvernador de São Paulo concedeu entrevista coletiva, ninguém perguntou nada sobre o acidente para ele. O ex governador, que contratou a obra, foi ao programa Roda Viva, ninguém tocou no assunto do acidente.

04 - o Governador da Paraíba foi cassado pelo TRE por compra de votos, qual o partido dele? PSDB... a imprensa sequer noticiou.

Chega de manipulação!!

Não é isso que que chamo de imprensa livre !!!!!!


Paulo Valério Silva Lima,
Assessor Parlamentar

2.8.07

Rumo a Toquio

O vascão venceu o campeão mundial de clubes, o Internacional de Porto Alegre, e assumiu a 3ª posição na tabela de classificação do Brasileirão.

Toquio aí vamos nós!

Governo de joelhos

O governo Lula assumiu toda a sua rendição à voracidade do fisiologismo dos parlamentares, sobretudo do PMDB.

O presidente, em pessoa, convidou o ex-prefeito do Rio de Janeiro, atual secretário de Cultural, reparem bem, de Cultural do governo do Rio de Janeiro e arquiteto por formação Luiz Paulo Conde para presidir a estatal Furnas Centrais Eletricas.


Será que não tem ninguém pra cochichar no ouvido do presidente: "Vai dar m...!"?!

Economia de vento em polpa

As vendas de carros bateram o recorde histórico em julho e a confiança dos empresários na economia brasileira nunca esteve tão alta.

O fim do ano, quando o consumo costuma aumentar, deverá ser ótimo.

Esta grande confiança agora fará com que os empresários aumentem a produção, contratem mais, aumentem a renda, o que aumentará o consumo.

Quando a coluna "Economia ao Alcance de Todos", do Blog do Braga, foi a primeira, repito, a primeira a dizer o PIB brasileiro cresceria em torno de 4,5% eu ri, achei que era otimismo exagerado, mas parece que o crescimento será ainda maior.

Depois ele mesmo falará melhor sobre o assunto.

TSE mantém tucano

O Tribunal Superior Eleitoral contrariou a decisão do TRE paraibano e manteve o mandato do governador Cássio Cunha Lima (PSDB).

Agosto, o mês do desgosto, chegou

Agosto já começou com tragédia nos EUA.

Uma ponte caiu e matou pelo menos 9 pessoas.

Até agora ninguém tentou responsabilizar o presidente Lula.