31.12.07

2007, um feliz ano velho

Sempre digo que o Brasil não tem reveillon. Tem um processo de mudança de ano que começa no início de dezembro e acaba depois do carnaval, mas oficialmente o ano acaba hoje. O balanço é positivo. 2007 foi um ano de crescimento das economias mundial e brasileira e de distribuição de renda nesta terra tupiniquim. Não chegamos (e estamos longe) no ideal, mas já é bem melhor que outros tempos da nossa história.

Quanta coisa aconteceu. Tivemos a trágica morte do menino João Hélio, o presidente estadunidense George W. Bush nos visitou, Sandy e Júnior anunciaram o fim da dupla no inicio do ano (e só agora concretizaram a promessa), Madeleine McCann, assim como milhares de crianças brasileiras, desapareceu, o parlamento do Mercosul foi instaurado, o canal de TV venezuelano RCTV foi extinguido por Hugo Chávez (que mais tarde levou um grosseiro "Por que no te callas?" do rei espanhol Juan Carlos I), Romário fez o milésimo gol da carreira e depois virou técnico do Vasco, o São Paulo foi campeão do brasileiro, o Fluminense campeão do Brasil e o Corinthinas rebaixado. Tony Blair deixou a chefia do governo britânico, o Cristo Redentor foi eleito uma das novas sete maravilhas do mundo, tivemos os jogos Pan-americanos do Riod e Janeiro, o acidente do vôo JJ 3054 da TAM, a estréia do canal "Record News", o Brasil foi escolhido sede da Copa do Mundo que se realizará em 2014, a Petrobrás anunciou a descorberta de uma enorme reserva de gás e petróleo na bacia de Santos, estreiaram a TV digital no Brasil e as transmissões da TV Brasil e o Corinthians foi rebaixado (eu sei que já falei isso, mas vale a pena dizer de novo).

2008 chega prometendo ser outro ano feliz e este é o desejo deste blog para todos!

O APAGÃO DA NOTÍCIA

De praxe, nossos governantes falam aos seus governados no fim de cada ano, fazendo um balanço da situação e dos progressos ou dificuldades encontradas ao longo do período.

Neste ano de 2007 aconteceu o inusitado. A fala do Presidente Lula foi precedida pelas informações captadas pelos repórteres sobre o conteúdo da mensagem. Notícias boas, aliás muito boas, na economia e algumas dificuldades no encaminhamento de algumas questões que não dependem apenas do Poder Executivo.

Onde está o inusitado? O Presidente falou no dia 27/12 (ontem) por volta das 20 horas. No noticiário das 23:55 horas da Rede Globo, (Jornal da Globo), nenhum comentário. No Programa Bom Dia Brasil do dia seguinte (hoje) nenhuma notícia. A emissora preferiu falar de futebol (leia-se Zico), da corrida de São Silvestre e dos passageiros no Terminal Rodoviário do Tietê.

Ainda bem que a economia não depende do noticiário, mas o contrário é verdadeiro. Não só. A opinião dos cidadãos, também.

Não falta de mais um apagão a ser noticiado, surge o APAGÃO DA NOTÍCIA.


Newton Braga,
Professor de economia do Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB)

27.12.07

Tempo bom que não volta

Que coincidência

Arnaldo Jabor saiu de férias dia 19 de dezembro e entitulou seu último comentário do ano na CBN "Hoje em dia, só se fala em bilhão". Como as coisas mudam rápido. O volume de transações na Bovespa passou hoje, pela primeira vez na história, a marca de R$ 1.000.000.000.000,00 (um TRILHÃO de reais).

Morreu o ex futuro rei do Brasil

Não fosse a proclamação da República em 1889 estaríamos velando hoje o corpo de um imperador. Dom Pedro Gastão de Orleans e Bragança faleceu hoje na Espanha de causas naturais.

Neto da princesa Isabel e, até a sua morte, chefe da família imperial brasileira, Dom Pedro Gastão foi um dos protagonista do plebicisto de 1993 no qual a população decidiu com qual forma de governo o Brasil deveria seguir. Ele foi o grande defensor do sistema monárquico. Até porque se declarava o autêntico herdeiro do extinto trono brasileiro.

Vou festejar

A letra da bela música "Vou Festejar", de Neoci, Dida e Jorge Aragão, diz "Você pagou com traição há quem sempre lhe deu a mão". Pois foi o que Leandro Amaral fez com o Vasco.

O jogador estava havia sete meses sem jogar depois de ter sido dispensado da Portuguesa. Em visível declínio de uma carreira que nunca se firmou em grandes clubes, Leandro não era nem cotado para time nenhum quando o Vasco, sob comando de Renato Gaúcho, apostou nele e o contratou. Ali ele reapareceu para o futebol, jogou muito e caiu nas graças da torcida. Tudo as mil maravilhas até acabar o Brasileirão e começar a negociação para renovação do seu contrato.

Independentemente de quem dirige o Vasco hoje o que ele fez foi coisa de moleque. Disse que pretendia renovar seu contrato e só sairia se fosse por uma proposta irrecusável que viesse de um clube do exterior. Pois da última vez que fui à cidade maravilhosa vi as Laranjeiras ao lado do palácio do governo do estado do Rio de Janeiro e, portanto, no Brasil. O Fluminense contratou um mercenário.

O que Leandro fez com o Vasco não se faz com ninguém em circunstância nenhuma. Chama-se deslealdade.

25.12.07

Meu nome é Enéas

Resposta de Letícia Sabatella a Ciro Gomes

Caro deputado Ciro Gomes, Antes de visitar frei Luiz Cappio em Sobradinho, tinha conhecimento desse projeto da transposição de águas do Rio São Francisco, através da imprensa, e de duas conferências sobre o meio ambiente, das quais participei a convite de minha querida amiga, a ministra Marina Silva. Há alguns anos, quieta também, venho escutando pontos de vista diversos de ambientalistas, dos movimentos sociais, de nossa ministra do Meio Ambiente e refletindo junto com o Movimento Humanos Direitos (MHuD), do qual faço parte. Acompanho a luta de povos indígenas e ribeirinhos, sempre tão ameaçados por projetos de grande porte, que visam a destinar grande poder para um pequeno grupo em troca de tanto prejuízo para esses povos, ao nosso patrimônio social, ambiental e cultural.

Acredito que devam existir benefícios com a transposição, mas pergunto, deputado, quem realmente se beneficiará com esta obra: o povo necessitado do semi-arido ou as grandes irrigações agrícolas e indústrias siderúrgicas? Afinal, a maior parte da água (bem comum do povo brasileiro) servirá para a produção agrícola e industrial de exportação e apenas 4% dessa água serão destinados ao consumo humano.

Sabendo do desgaste que historicamente vem sofrendo o rio, necessitado de efetiva revitalização, sabendo do custo elevado de uma obra que atravessará alguns decênios até ser concluída e em se tratando de interferir tão bruscamente no patrimônio ambiental, utilizando recursos públicos, por que razão, em sendo sua excelência deputado federal, este projeto não foi ampla e especificamente discutido e votado no Congresso? Por qual motivo essa obra tão "democrática" foi imposta como a única solução para resolver a questão da seca no semi-árido quando propostas alternativas, que descentralizam o poder sobre as águas, não foram levadas em consideração? No dia 19 de dezembro de 2007, o que presenciei na Praça dos Três Poderes, em Brasília, foi a insensibilidade do Poder Judiciário, a intransigência do Poder Executivo, e a omissão do Congresso Nacional. Será que não precisamos mesmo falar mais sobre democracia republicana, representativa? Ou melhor, praticar mais? Quanto ao gesto de frei Luiz, sinto que o senhor não age com justiça, quando não reconhece na ação do frei uma profunda nobreza. Sinto muito que o senhor ainda insista em desqualificálo. Por tê-lo conhecido e com ele conversado, participado de sua missa na Capela de São Francisco junto aos pobres, pude testemunhar sua alma amorosa e plena de compaixão humana, pastor de uma Igreja que mobiliza e não anestesia, que ajuda a conscientizar e formar cidadãos. Ele vive há mais de trinta anos entre ribeirinhos, indígenas, trabalhadores rurais, quilombolas e é por eles querido e respeitado.


Conhece profundamente as alternativas propostas pelos movimentos sociais, compostos por técnicos e estudiosos que há muitos anos pesquisam o semi-árido. Uma dessas alternativas foi proposta pela Agência Nacional de Águas, com o Atlas do Nordeste, que foi objeto de seu debate com Roberto Malvezzi, da Comissão Pastoral da Terra, cuja honestidade intelectual o senhor publicamente enalteceu em seminário realizado na UFF. Ele mostrou que o projeto da ANA custaria R$ 3,3 bilhões, metade do custo da transposição, beneficiando com água potável 34 milhões de pessoas, abarcando nove estados: então, por que o governo não levou em consideração esta opção mais barata e mais abrangente? Infelizmente, caro deputado, Dom Cappio não exagerou quando decidiu fazer seu jejum e fortalecer suas orações para chamar a atenção de todos à realidade do povo nordestino. O governo do presidente Lula optou por um modelo de desenvolvimento neocolonial que, dando continuidade à tradição de realizar grandes obras para marcar seus mandatos, sacrifica o povo com o custo de seus empreendimentos, enquanto o que esperávamos deste governo era a prática de uma verdadeira democracia.

Rio de Janeiro, 20 de dezembro de 2007

Celular gera explosão (?)



Em todos os postos há avisos que proibem o uso de aparelhos celulares naqueles estabelecimentos, mas pouca gente leva a sério. E não é pra menos. É a primeira vez que se tem notícia de um possível caso como este. Se a perícia concluir que, de fato, a explosão foi provocada pelo celular as noções de segurança em postos de combustível poderão mudar, mas isto ainda está por se provar.

Então é Natal

Caros amigos do Blog do Braga,

Este espaço é laico e quem costuma escrever aqui é até agnóstico, mas o Natal transcende as questões religiosas e virou, por convenção, uma época de solidariedade, de gratidão, famílias reunidas.

É uma pena que o espírito natalino só dure nesta época do ano, mas ele, sem dúvidas, merece ser comemorado.

Se você quer deixá-lo ainda mais especial aí vai uma dica deste Blog. Abra sua agenda telefônica, pegue o número do telefone daquelas pessoas com quem você não fala há muito tempo, daquelas com quem você gostaria de ter estado mais perto durante o ano, daquelas com quem você brigou, aproveite e pegue também o número de telefone daquelas pessoas fazem parte do seu cotidiano, mas acabam muitas vezes passando despercebidas e ligue só para desejar um feliz natal. Elas ficaram super feliz e você super satisfeito por ter deixado alguém assim.

E tenha um natal felicíssimo para você e para toda a sua família.

24.12.07

Papo no msn

Cirinho paz e amor (2010 aí vou eu) diz:

ow, para de apoiar esse padre sem juízo. A obra vai levar água pra quem precisa... ;)


____________________________________________

Cirinho paz e amor (2010 aí vou eu) acabou de pedir atenção!

____________________________________________


Letixinha miguxa de d Cappio diz:

ah naum... mas a indústria também vai lucrar


Cirinho paz e amor (2010 aí vou eu) diz:

E vc's preferem deixar o povo sem água por causa disso?!


Letixinha miguxa de d Cappio diz:

Ué, claro... Faz todo o sentido.


Cristovam está na conversa

Cristovam diz:

Só dá pra resolver esse problema investindo em educação!

Cristovam saiu da conversa.

Cirinho paz e amor (2010 aí vou eu) diz:

Vou ter que sair, Let. Tenho uma campanha para cuidar. Qq coisa cel-me.

Letixinha miguxa de d Cappio diz:

=***********

23.12.07

Por isso que defendemos esta política econômica

Destaque do Correio Braziliense de hoje:

********************************************

"Brasil está pronto para o espetáculo da economia

Crescimento do PIB acima de 5%, taxa de desemprego próxima a 8%, consumo em alta e investimentos recordes. Desde o pós-guerra o país não reunia tantas condições para superar os problemas estruturais e trilhar o caminho do desenvolvimento sustentável

Apesar da demora, país começa a colher os frutos da estabilidade. Força da expansão econômica abre porta para vencer os gargalos "

********************************************

O Brasil demorou a crescer acima dos 5% anuais porque tinha que demorar. Caso contrário seria mais um vôo de galinha. Os pessimistas de sempre dirão que ainda é pouco, que a China cresce não sei quantos, a Índia cresce outros tantos... Ora, este não são exemplo a serem seguidos. Ninguém cresce tanto quanto o Brasil qualitativamente. Crescemos com distribuição de renda, com a manutenção das leis trabalhistas e com a natureza, na medida do possível, sendo preservada.

E agora querem derrubar o ministro da Fazenda. Curioso. O último ministro, Antônio Palocci, também caiu quando a economia ia de vento em polpa. Este provavelmente não cairá. Guido Mantega é italiano e, portanto, não pode ser candidato a presidência da República.

Brasília nunca mais será a mesma

21.12.07

Ritmo de festa



Lupi, o gauche

Carlos Lupi é uma figura interessante. Entrou na política quando conheceu Leonel Brizola por meio da sua profissão na época: jornaleiro. Depois disso virou pupilo do caudilho. Foi secretário municipal no governo de Marcello Alencar frente à prefeitura do Rio de Janeiro e secretário estadual no governo Garotinho.

Foi também protagonista de um desses absurdos que só vemos na política brasileira. Quando Roberto Saturnino Braga foi eleito senador da República em 1998, Lupi era seu primeiro suplente e ouvira a promessa de que os dois dividiriam o mandato. Saturnino acabou cumprindo o mandato até o último dia. Quando ele mesmo foi candidato a uma cadeira na Câmara alta, em 2002, ficou em 10º lugar.

Virou figura nacional com a morte do seu mentor, em 2004 sucedendo-o na presidência do PDT, cargo que ocupa até hoje. Tudo muito certo, tudo muito bem. Até o dia em que seu partido o indicou para virar ministro do Trabalho e o presidente Lula, sempre obediente aos apelos fisiológicos dos partidos, o nomeou. De lá pra cá a Comissão de Ética Pública o advertiu várias vezes que ser ministro de Estado e presidente de partido ao mesmo tempo é incompatível. Ele sempre fez ouvido de mercador.

Agora a comissão decidiu enviar mensagem a sua excelência o presidente da República, a quem, segundo o artigo 84º da Constituição, compete privativamente o poder de nomear e exonerar ministros. Na mensagem a comissão deverá recomendar a demissão do ministro.

O que fará Lula? Vai se indispor com um partido da sua base aliada? Um partido cujos senadores, sem exceção, votaram a favor da prorrogação da CPMF?

O problema de Lupi não é legal. Não há uma linha na constituição ou em qualquer lei que declare incompatíveis os cargos que Lupi ocupa. O problema é meramente ético, segundo a própria comissão de ética pública.

Sem entrar no mérito de se é ético ou não alguém acumular estas funções e tomando a conclusão da comissão como correta vários outros ministros deveriam estar encrencados também. O ministro das Cidades Márcio Forte é 8º vice-presidente do Partido Progressista, o ministro da Cultura Gilberto Gil é conselheiro do Partido Verde, os ministros Luiz Dulci, Marta Suplicy e Paulo Bernardo são membros do diretório nacional do Partido dos Trabalhadores. Ora, se não pode ser presidente nacional também não deveria poder nenhum outro cargo partidário.

20.12.07

Carta a Letícia Sabatella

O GLOBO - Carta a Letícia Sabatella :: Ciro Gomes

Letícia, ando meio quieto por estes tempos, mas, ao ver você visitando o bispo em greve de fome no interior da Bahia, pensei que você deveria considerar algumas informações e reflexões. Poderia começar lhe falando de República, democracia, personalismo, messianismo... Mas, sendo você a pessoa especial que é, desnecessário. O projeto de integração de bacias do Rio São Francisco aos rios secos do Nordeste setentrional atingiu, depois de muitos debates e alguns aperfeiçoamentos, uma forma em que é possível afirmar que, ao beneficiar 12 milhões de pessoas da região mais pobre do país, não prejudicará rigorosamente nenhuma pessoa, qualquer que seja o ponto de vista que se queira considerar.

Séria e bem intencionada como você é, Letícia, além de grande artista, peço-lhe paciência para ler os seguintes números: o Rio São Francisco tem uma vazão média de 3.850 metros cúbicos por SEGUNDO (!) e sua vazão mínima é de 1.850 metros cúbicos por SEGUNDO (!). Isto mesmo, a cada segundo de relógio, o Rio despeja no mar este imenso volume de água.

O projeto de integração de bacia, equivocadamente chamado de transposição, pretende retirar do Rio no máximo 63 metros cúbicos por segundo. Na verdade, só se retirará este volume se o rio estiver botando uma cheia, o que acontece numa média de cada cinco anos. Este pequeno volume é suficiente para garantia do abastecimento humano de 12 milhões de pessoas.

O rio tem sido agredido há 500 anos. Só agora começou o programa de sua revitalização, e é o único rio brasileiro com um programa como este graças ao pacto político necessário para viabilizar o projeto de integração.

No semi-árido do Nordeste setentrional, onde fui criado, a disponibilidade segura de água hoje é de apenas cerca de 550 metros cúbicos por pessoa, por ANO (!). E a sustentabilidade da vida humana pelos padrões da ONU é de que cada ser humano precisa de, no mínimo, 1.500 metros cúbicos de água por ano. Nosso povo lá, portanto, dispõe de apenas um terço da quantidade de água mínima necessária para sobreviver.

Não por acaso, creia, Letícia, é nesta região o endereço de origem de milhões de famílias partidas pela migração. Converse com os garçons, serventes de pedreiros ou com a maioria dos favelados do Rio e de São Paulo. Eles lhe darão testemunhos muito mais comoventes que o meu.

Tudo que estou lhe dizendo foi apurado em 4 anos de debates populares e discussões técnicas. Só na CNBB fui duas vezes debater o projeto. Apesar de convidado especialmente, o bispo Cappio não foi. Noutro debate por ele solicitado, depois da primeira greve de fome, no palácio do Planalto, ele também não foi. E, numa audiência com o presidente Lula, ele foi, mas disse ao presidente, depois de eu ter apresentado o projeto por mais de uma hora (ele calado o tempo inteiro), que não estava interessado em discutir o projeto, mas "um plano completo para o semi-árido".

As coisas em relação a este assunto estão assim: muitos milhões de pessoas no semi-árido (vá lá ver agora o auge da estiagem) desejam ardorosamente este projeto,esperam por ele há séculos. Alguns poucos milhões concentrados nos estados ribeirinhos ao Rio não o querem. A maioria de muitos milhões de brasileiros fora da região está entre a perplexidade e a desinformação pura e simples. Como se deve proceder numa democracia republicana num caso como este?

O conflito de interesses é inerente a uma sociedade tão brutalmente desigual quanto a nossa. Só o amor aos ritos democráticos, a compaixão genuína para entender e respeitar as demandas de todos e procurar equacioná-las com inteligência, respeito, tolerância, diálogo e respeito às instituições coletivas nos salvarão da selvageria que já é grande demais entre nós.

Por mais nobres que sejam seus motivos - e são, no mínimo, equivocados -, o bispo Cappio não tem direito de fazer a Nação de refém de sua ameaça de suicídio. Qualquer vida é preciosa demais para ser usada como termo autoritário, personalista e messiânico de constrangimento à República e a suas legítimas instituições.

Proponho a você, se posso, Letícia: vá ao bispo Cappio, rogue a ele que suspenda seu ato unilateral e que venha, ou mande aquele que lhe aconselha no assunto, fazer um debate num local público do Rio ou de São Paulo. Imagine se um bispo a favor do projeto resolver entrar em greve de fome exigindo a pronta realização do projeto. Quem nós escolheríamos para morrer? Isto evidencia a necessidade urgente deste debate fraterno e respeitoso. Manda um abraço para os extraordinários e queridos Osmar Prado e Wagner Moura e, por favor, partilhe com eles esta cartinha. Patrícia tem meus telefones. Um beijo fraterno do

Ciro Gomes

CIRO GOMES é deputado federal (PSB-CE) e foi ministro da Integração.

Debate Collor X Lula no 2º turno de 1989




17.12.07

Sobre a polêmica dos mundiais

A FIFA, finalmente, fez justiça.

Nem o Santos de Pelé, nem o Flamengo de Zico, nem o Grêmio de Renato Gaúcho, nem o São Paulo de Telê Santana foram campeões mundiais. Eles tinham futebol para serem, mas não foram por uma questão muito simples: Não havia mundial de clubes!

Não estou dizendo que a Taça Toyota que era disputada pelos campeões da Europa e da América do Sul não fosse importante. Seria ótimo se o Vasco também tivesse sido campeão intercontinental (Valeu, Nasa"!"), mas não é mundial se você não permite que os clubes de todo o mundo joguem.

E daí que os clubes dos outros continentes são muito fracos? Será que se a FIFA organizasse um mundial clubes da forma que faz hoje de 1950 para cá nenhum clube de outro continente teria ganho? Ou pelo menos chegado à final? "Improvável", dirão. O Once Caldas ganhar a Taça Libertadores da América também era, ora. Está questão não é de qualidade de futebol, mas de conceito.

O mundo inteiro pode chamar aquela partida de mundial. Os estadunidenses podem dizer que seus campeonatos nacionais de beisebol e futebol americano são mundiais também. Mas não é!

E verdade seja dita. Se for por questão de nível de futebol podem considerar o campeão da Europa como campeão mundial. O futebol jogado no velho continente está muito a frente de todos os outros e não é um gol do Adriano Gabiru que vai me fazer acreditar que aquele Internacional era melhor que aquele Barcelona.

Mundial de Clubes é o de 2000, vencido pelo Corinthians, e os de 2005 pra cá.

Se a Copa Toyota for mundial de clubes a Copa Rio e o Torneio de Paris também são.

Palmeiras, Serra e o conto da CBF

"A Fifa pode dizer o que quiser em relação aos campeões mundiais de clubes. O mundo sabe bem quem são eles

O MILAN é tetracampeão mundial de clubes depois de derrotar, com sobras, o Boca Juniors, vítima de um rigor exagerado da Fifa que não permitiu a participação de Riquelme em seu torneio, mesmo que ele tenha disputado a Libertadores pela equipe portenha. Indiscutíveis 4 a 2.


Mas o Milan é tetracampeão só para nós, amantes do futebol. Porque pela Fifa não é não. Para a entidade, o Milan é o primeiro clube europeu a ser campeão mundial, depois que três clubes brasileiros o foram de 2000 para cá.


Decisão do Comitê Executivo da Fifa, registre-se, algo bem mais sério do que a produção dos jornalistas que fazem sua página na internet, com mais erros do que os deste colunista -que, ao menos, não trabalha para nenhum órgão "oficial".


Por mais que os europeus sempre tenham tratado a Copa Intercontinental como tal, o fato é que a América do Sul sempre a tratou como equivalente ao título mundial.


E por quê?


Porque era. E é.

América do Sul que ganhou 25 dos 47 títulos interclubes disputados com os europeus e nove, a metade, das Copas do Mundo de seleções e que, portanto, deve ser levada em conta por quem cuida da cultura do futebol mundial.


Ou alguém vai nos convencer de que o Santos de Pelé, o Flamengo de Zico, o Grêmio de Renato Gaúcho e o São Paulo de Telê não foram campeões mundiais?


Bobagem. E das grossas.


A decisão tem, porém, o efeito de ser mais uma demonstração de como é pouco sério o presidente da CBF, que informou, com pompa e circunstância, em palácio, ao governador de São Paulo, que o Palmeiras seria reconhecido como campeão mundial por ter vencido a Copa Rio em 1951.


Serra, serra, serrador, serra o papo do governador, brincou Ricardo Teixeira com o palestrino militante que ora ocupa o posto mais alto do Estado mais importante do país.

E José Serra acreditou, apesar de não poder ser ingênuo alguém que já foi presidente da UNE, deputado federal, senador, secretário de Estado, ministro, candidato à Presidência da República etc. Acreditou tanto que serrou (sem trocadilhos, hein) fileiras com outros 11 governadores no convescote homologatório, em Zurique, que anunciou o Brasil como sede da Copa de 2014.

E até aceitou convite para entregar a Rogério Ceni o troféu de craque do ano na festa da CBF, no Rio, embora, no último instante, tenha preferido ir a Belo Horizonte se encontrar com Aécio Neves.

Trocou seis por meia dúzia, é verdade, mas ficou em seu mundo, com falsidades de outro tipo.
Será que Serra pedirá desculpas aos seus camaradas palmeirenses?

Ou, mais importante, será que Serra se convencerá de que São Paulo não tem por que se curvar diante da CBF, mas, ao contrário, só exigir a parte que lhe cabe na Copa de 2014, sem rapapés diante de gente tão despreocupada com a seriedade?

Porque não só seus eleitores ficarão ao seu lado caso haja alguma retaliação como, também, é óbvio que, se Teixeira puder escolher entre ele e Aécio Neves, entre São Paulo e Minas, a escolha já está feita.

E o Palmeiras perderá de novo."


Juca Kfouri

Já está decidico

Ricardo Berzoini é reeleito presidente nacional do PT

*********************************************

Clique aqui

Berzoini é reeleito e Tarso Genro desmaia

Com cerca da metade dos votos apurados o deputado federal Ricardo Berzoini pode começar, discretamente, a comemorar sua reeleição ao posto de presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT).

Berzoini aparece com mais de 60% dos votos válidos e deverá confirmar o favoritismo. A surpresa aconteceu aqui no DF, onde o atual presidente Chico Vigilante perdeu para Lenildo Moraes, o candidato do deputado Geraldo Magela (PT-DF). Lenildo contou com o apoio de mais garrafinhas. Com isso Magela se cacifa para concorrer ao que bem entender em 2010.

Os resultado deverão ser confirmados até amanhã.



O ministro Targo Genro não tem nada a ver com a eleição interna no PT. Desmaiou na altitude de La Paz.

Campanha de José Serra em 2002

15.12.07

Semana dos Alves

Garibaldi Alves (PMDB-RN) não foi o único da família a ter motivos para comemorar esta semana. Seu primo, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), foi reconduzido à liderança do partido na Câmara dos Deputados.

Henrique Eduardo está no seu 10º mandato consecutivo da Câmara Federal. Isto meu, caro leitor. Nem eu me equivoquei ao escrever nem você ao ler. Concluindo este mandato ele chegará a 40 anos ininterruptos como deputado federal. O mais experiente em toda a Casa.

Como não poderia ser diferente, Henrique Eduardo não é unanimidade, mas vêm contruindo pontes de diálogo com todos os deputados da bancada e não teve concorrentes para a liderança do partido na Casa. Neste ano ele conseguiu manter a bancada com uma fidelidade de mais de 80% nas votações em relação aos encaminhamentos da liderança. "Não se via o PMDB assim há pelo menos uns 10 anos", declarou o deputado Paulo Henrique Lustosa (PMDB-CE).

Polícia (não mais republicana) Federal

Texto de Paulo Henrique Amorim

********************************************

Clique aqui

CPMF - Perdas e ganhos

O Síndico do edifício onde moro deu a seguinte informação ao final da reunião da Assembléia Geral: “já que a maioria não concordou com a instituição da taxa extra, vamos deixar de fazer as melhorias pretendidas por parte dos moradores”. Quem ganhou? Quem perdeu? Houve ganhadores e perdedores? A maioria assim decidiu.

Assim é no nosso condomínio, assim é para uma comunidade qualquer, assim é para o país. Algumas coisas, necessariamente, deixarão de ser feitas. Estabeleçamos prioridades: se o nível de investimento na economia é tradicionalmente baixo, não podemos reduzi-lo, sob pena de travarmos o crescimento econômico; como é socialmente desejável que todos os brasileiros tenham o mínimo de suas necessidades satisfeitas, não se pode nem pensar em cortes no bolsa-família; as transferências obrigatórias, o próprio nome já indica, têm que ser cumpridas. Restam as transferências voluntárias e a “queima de gorduras” nas despesas de custeio.

É preciso desmistificar o propalado excesso de receita do governo. Uma família pode viver com uma renda de R$ 1000,00; essa família viverá melhor se a sua renda aumentar para R$ 5.000. O que vai diferir é o nível de vida, é o padrão de bem estar dos seus membros. Analogamente, mais dinheiro arrecadado significa a possibilidade de melhorar o padrão de vida de milhões de brasileiros que precisam do Estado.

Não se pode participar do jogo de sedução de opositores que afirmam que o governo gasta demais. Mesmo porque quando um orçamento é aprovado pelo Congresso Nacional, a despesa é igual à receita. Esta é uma condição, imposta por uma lei (nr. 6420) que vigora desde 1964. Como a despesa, segundo a lei, se constitui numa autorização, fica o governo autorizado, de antemão, a gastar aquilo que for arrecadado. Quando há excesso de arrecadação, ele precisa de nova autorização legislativa para realizar os gastos.

No entanto, durante a execução orçamentária, no exercício financeiro, que vai do primeiro ao último dia de cada ano civil, é feito um esforço para que a receita supere a despesa propiciando as condições para se saldar os juros e parte da dívida interna – esse é o tal superávit primário.

Sem os recursos da CPMF, fica sacrificada a geração do superávit primário, ficam sacrificados os serviços que o Estado propicia nas áreas de saúde e de educação.

Os reflexos para a economia não podem ser vistos apenas dessa forma. Existe um mercado financeiro que é bastante sensível a essas mudanças. Refletirá na bolsa de valores, com uma possível queda no seu desempenho e o fluxo de capitais externos só será aliviado porque nos Estados Unidos a taxa de juros foi reduzida em mais 0,25%.

São várias as funções da CPMF, ressaltando-se o fato de ser inibidora da sonegação. Isto pode se constituir em fator de preocupação para muitos.

Parece, e é, uma contradição o fato do Poder Legislativo ter aprovado a regulamentação da Emenda 29, que destina mais R$ 24 bilhões para a saúde e, ao mesmo tempo, retira o dinheiro para o mesmo setor.

É preciso ter cuidado, também, com uma informação que ouvi hoje de um comentarista da CBN, segundo o qual é melhor o dinheiro nas mãos das pessoas, na sociedade, do que entregá-lo ao governo. E mais ainda: o dinheiro que cada um pagaria por conta da CPMF poderia ser empregado no pagamento de um bom plano de saúde! No ponto máximo desta ilação, governo não arrecadaria recursos; governo sem recursos não existiria razão da sua existência, o que seria um regime anárquico. Por outro lado o governo não exerceria a sua função distributiva, pois os mais abastados teriam direito aos serviços de saúde pagos por aquilo que ele contribuiria para oferecer tais serviços aos mais pobres.

Assim, os pobres deixam de ganhar. E, em economia, deixar de ganhar significa perder.


Newton Braga,
Professor de economia do Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB)

ACM, meu amor

Famosa peça de campanha de Antônio Carlos Magalhães quando concorria ao governo da Bahia em 1990.



Já publiquei este vídeo aqui antes, mas vale a pena ver de novo.

13.12.07

Lá lá lá lá lá Brizola

De novo o bispo

O bispo d. Luiz Cappio continua com sua greve de fome contra a transposição do Rio São Francisco. É a segunda vez que ele faz isso. Na primeira o governo foi frouxo e o então ministro das Relações Institucionais, Jacques Wagner, foi visitá-lo e garantiu que o governo suspenderia a obra.

Imaginem se todo mundo fosse fazer greve de fome cada vez que discordasse de uma ação do governo. Eu mesmo já teria ido pro beleleu há muito tempo.

Ser a favor ou contra a tal transposição é uma questão mais técnica do que qualquer outra coisa. Se, como diz o governo, ela for levar água para quem não tem e nada de ruim vai acontecer ao rio todo mundo tem que ser a favor. Se, como dizem os pessimistas, o rio for secar por causa deste desvio de 1% das águas todo mundo tem que ser contra. O que realmente vai acontecer este Blog não sabe, assim como o bispo, que também não é técnico no assunto.

De qualquer forma em matéria de greve de fome o bispo Cappio está mais para Anthony Garotinho do que para Mahatma Gandhi.

E sabe quem apóia o bispo?

A CPMF caiu

Assim votaram os senadores:

Contra:

Adelmir Santana (DEM-DF)
Álvaro Dias (PSDB-PR)
Antonio Carlos Junior (DEM-BA)
Arthur Virgílio (PSDB-AM)
César Borges (PR-BA)
Cícero Lucena (PSDB-PB)
Demóstenes Torres (DEM-GO)
Eduardo Azeredo (PSDB-MG)
Efraim Morais (DEM-PB)
Eliseu Rezende (DEM-MG)
Expedito Junior (PR-RO)
Flexa Ribeiro (PSDB-PA)
Geraldo Mesquita (PMDB-AC)
Heráclito Fortes (DEM-PI)
Jarbas Vasconcellos (PMDB-PE)
Jayme Campos (DEM-MT)
João Tenório (PSDB-AL)
Jonas Pinheiro (DEM-MT)
José Agripino (DEM-RN)
José Nery (PSOL-PA)
Kátia Abreu (DEM-TO)
Lúcia Vânia (PSDB-GO)
Mão Santa (PMDB-PI)
Marco Maciel (DEM-PE)
Marconi Perillo (PSDB-GO)
Maria do Carmo Alves (DEM-SE)
Mario Couto (PSDB-PA)
Marisa Serrano (PSDB-MS)
Papaléo Paes (PSDB-AP)
Raimundo Colombo (DEM-SC)
Romeu Tuma (PTB-SP)
Rosalba Ciarlini (DEM-RN)
Sérgio Guerra (PSDB-PE)
Tasso Jereissati (PSDB-CE)

A favor

Almeida Lima (PMDB-SE)
Aloísio Mercadante (PT-SP)
Antonio Carlos Valadares (PSB-SE)
Augusto Botelho (PT-RR)
Cristovam Buarque (PDT-DF)
Delcídio Amaral (PT-MS)
Edson Lobão (PMDB-MA)
Eduardo Suplicy (PT-SP)
Epitácio Cafeteira (PTB-MA)
Euclydes Melo (PTB-AL)
Fatima Cleide (PT-RO)
Flavio Arns (PT-PR)
Francisco Dornelles (PP-RJ)
Gerson Camata (PMDB-ES)
Gilvam Borges (PMDB-AP)
Gim Argello (PTB-DF)
Ideli Salvatti (PT-SC)
Inácio Arruda (Pc do B-CE)
Jefferson Péres (PDT-AM)
João Durval (PDT-BA)
João Pedro (PT-AM)
João Ribeiro (PR-TO)
João Vicente Claudino (PTB-PI)
José Maranhão (PMDB-PB)
José Sarney (PMDB-AP)
Leomar Quintanilha (PMDB-TO)
Magno Malta (PR-ES)
Marcelo Crivella (PRB-RJ)
Neuto do Conto (PMDB-SC)
Osmar Dias (PDT-PR)
Patricia Saboya (PDT-CE)
Paulo Duque (PMDB-RJ)
Paulo Paim (PT-RS)
Pedro Simon (PMDB-RS)
Renan Calheiros (PMDB-AL)
Renato Casgrande (PSB-ES)
Romero Jucá (PMDB-RR)
Rosenana Sarney (PMDB-MA)
Sérgio Zambiasi (PTB-RS)
Serys Slhessarenko (PT-MT)
Sibá Machado (PT-AC)
Tião Viana (PT-AC)
Valdir Raupp (PMDB-RO)
Valter Pereira (PMDB-MS)
Wellington Salgado (PMDB-MG)

Resultado: 45 votos favoráveis e 34 contrários. Como eram necessário três quintos dos 80 possíveis votos, por se tratar de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) a CPMF deixará de ser cobrada assim que este ano findar.

Já declaramos apoio à CPMF. Ela é tão importante que não deveria ser prorrogada, mas sim instituída como permanente. É o único tributo insonegável, atinge os mais os ricos, representa uma receita considerável etc.

A não prorrogação da contribuição, como o Blog do Braga disse ontem, tem como pano de fundo a sucessão presidencial de 2010. A oposição tentou (e conseguiu) sabotar o governo Lula diminuindo suas receitas. Não que nós vamos voltar ao caos econômico, mas teríamos mais condições de fazer investimentos, aumentar os programas sociais e pagamentos da dívida com o dinheiro da CPMF.

Como conseqüência do fim da CPMF as taxas de juros não cairão tão cedo. Se duvidar a Selic pode até subir. A rigidez fiscal agora é coloca em dúvida e sua excelência o Mercado perde parte da confiança da economia tupiniquim.

Em resumo: Tentando atrapalhar o governo as oposições atrapalham o Estado brasileiro.

As oposições não votaram pensando no que é melhor para o país. E sim por questões do jogo político. O PSDB é o caso mais engraçado. "Não venham dizer que nós não negociamos", bradou o líder tucano no Senado Arthur Virgílio (PSDB-AM). É verdade. Sentaram para conversar com ministros, que cederam na maioria das reivindicações e nada. O PSDB disse que aceitaria a CPMF por apenas um ano e que durante este ano queria que fosse realizada uma reforma tributária. O presidente Lula disse que topava, mas o PSDB deu pra trás. O senador Mário Couto (PSDB-PA) disse que o governo deveria destinar toda a receita do "imposto do cheque" para a área da saúde. Virgílio, sempre ele, foi além. Disse que se o governo aceitasse essa condição seu partido votaria pela prorrogação. O governo topou de novo e o PSDB deu pra trás de novo. Ora, que diabos de negociação é essa?!

Alguns senadores chamaram a atenção pelo voto. O PSDB e o ex-PFL (DEM) conseguiram que todos seus senadores votassem contra o governo. Nessa brincadeira, alguns senadores de estados (que eles são eleitos para representar) em situação financeira calamitosa votaram para seus estados receberem menos receitas. João Tenório (PSDB-AL), Cícero Lucena (PSDB-PB) e Lúcia Vânia (PSDB-GO) estão entre estes.

O que resta agora é esperar que o Congresso realize uma reforma tributaria no ano que vem, que desonere, combata a sonagação, simplifique o sistema e faça justiça. Com ou sem a CPMF.

12.12.07

Garibaldi é eleito

Ainda bem que nos livramos daquele corrupto membro das oligarquias nordestinas.

Campanhas eleitorais

Nestes tempos de eleições presidenciais (o.O) o Blog do Braga vai lembrar algumas peças publicidade e alguns momentos marcantes de candidaturas.

Começamos o símbolo daquela onda de esperança na qual o Brasil surfou em 2002. Jingle da campanha de Lula em 2002:

Vida besta

Tirado do sítio Vida Besta:

Notícias do dia e 2010

Economia do país cresce 5,7% no 3º trimestre, em relação a um ano antes

Avaliação positiva do governo Lula sobe para 51%

CNI/Ibope: 79% estão satisfeito com ano de 2007

*************************************************

Conclusão. A votação de logo mais no Senado influi diretamente em 2010. Se a CPMF for mantida o governo terá condições de manter este altos níveis de avalição e, então, Lula eleger o sucessor será conseqüência.

O co-presidente José Serra (SP) e o governador Aécio Neves (MG) acham que não. Acham que quem for o escolhido dentro do PSDB vencerá o candidato de Lula de qualquer forma. Ledo engano.




Obs: Cada dia mais me convenço que José "compromisso" Serra jamais será presidente desta República.

E dane-se Montesquieu

Presidente Lula deu ordem para votar CPMF esta quarta, diz líder do PT

********************************************

E o legislativo vai ficando mais de joelhos para o executivo e o executivo se curvando ao fisiologismo do legislativo.

Charles de Montesquieu não sobreviveria a esta realidade brasileira.

11.12.07

Garibaldi candidato

Mais uma vergonhosa interferência do executivo na vida do legislativo.

Tem o dedo, a mão e todos os braços do governo na escolha de Garilbaldi Alves Filho (PMDB-RN), membro de uma das mais poderosas oligarquias nordestinas, os Alves do Rio Grande do Norte, como candidato do seu partido à sucessão de Renan Calheiros (PMDB-AL) na presidência do Senado Federal. O PMDB, por ter a maior bancada, tem, por tradição, a preferência em indicar o presidente da Casa.

Garibaldi não é pior que Renan. Não é algo de outro mundo no obscuro mundo político brasileiro. O maior mal dele ter sido o escolhido foi terem deixado de lado o brilhante senador Pedro Simon (PMDB-RS).

Simon foi preterido pelo simples motivo de ser "independente demais". Não seria subserviente aos interesses do governo. Isto é, seria como um presidente do Senado deveria (no mundo ideal) ser.

Fique com um pouco de Pedro Simon:

Efeagacê, pode esperar, a tua hora vai chegar

Fujimori é condenado a 6 anos de prisão

Querem rir?

Dica de sítio engraçado é o "Pérolas do Orkut".


E ainda indico duas pérolas em especial. "A procura da batida perfeita" e "Eu achei que era uma minhoca".

Perfume de Mulher

10.12.07

Sobre o CONUBES

O 37º Conubes (Congresso da União Nacional dos Estudantes Secundaristas) foi realizado em Goiânia (GO) neste último final de semana.

Não passou de mais um evento para ratificar o domínio da UJS sobre o Movimento Estudantil brasileiro.

Esse pilotos voadores

Tirado do Blog do Juca Kfouri:

"Sempre que morre um piloto nas pistas de corrida alguém exclama: 'Loucura!'

Como se um piloto pudesse viver sem voar.

A morte de Rafael Sperafico na Stock Car Light em Interlagos neste domingo traz de volta exclamações.

Mas Rafael não poderia viver sem voar.

Alguns lembrarão como as corridas de carro são desprovidas de sentido. Meros passatempos.

Como se houvesse algum sentido na vida. Na vida sem paixão.

Rafael amava os carros. Tanto que parou de pilotar em 2003, mas retornou às pistas ano passado.

Como Portinari amava suas tintas. Tintas que causaram a sua morte.

Como Caruso amava as óperas.

Caruso que nos últimos concertos chorava de dor.

Como José Rául Capablanca. Enfartando quando fazia um gambito da dama.

Para os que desconhecem a paixão, todas essas vidas são desprovidas de sentido.

Quadros, óperas

e jogos de xadrez. Corridas. Meros passatempos. Loucuras.

Coisas de quem não tem o que fazer.

Mas para os que vivem a paixão, para os que amam.

Sempre que morre um piloto nas pistas de corrida alguém exclama: 'Paixão'.

Porque um piloto não pode viver sem voar."


(Roberto Vieira)

9.12.07

CONUBES

Pessoal,

O Blog do Braga voltará na segunda-feira com a cobertura do 37º CONUBES ( Congresso da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas).

7.12.07

Casamento Homossexual

Texto de faculdade que vale a pena ler:

"O homossexualismo ainda não é encarado com normalidade pela maioria da população brasileira. Pelo menos esta é a opinião dos próprios homossexuais. "Vivemos numa sociedade muito conservadora. Um casal de heterossexuais andando de mãos dadas num shopping não escandaliza ninguém, mas se for um casal de gays muita gente olha torto.", afirma o Secretário Nacional de Movimentos Populares do Partido dos Trabalhadores Renato Simões. Sua secretaria lançou este ano a campanha "Homofobia é crime", mas ainda não é.

A senadora Fátima Cleide (PT-RO) é a relatora no Senado Federal do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 122/06, que tipifica o crime de natureza preconceituosa e discriminatória contra a orientação sexual no Código Penal. Ele já declarou que seu relatório será apresentado favoravelmente ao projeto, mas nem mesmo ela defende abertamente o casamento entre homossexuais. Durante uma conversa com os dos membros deste grupo ela respondeu à pergunta sobre sua opinião acerca do casamento gay assim: "Eu sou a favor dos direitos iguais para todos", esquivando-se. Com a insistência da pergunta ela foi ainda mais vaga: "Eu sou a favor da felicidade e do amor". Daí pode-se ter uma idéia do quanto este tema ainda é um tabu na sociedade. Os senadores Marcelo Crivella (PRB-RJ) e Magno Malta (PR-ES), ambos evangélicos, são peremptoriamente contrários ao projeto e se esforçam para que o relatório de Cleide seja rejeitado.

Independentemente das questões religiosas ainda são recorrentes casos públicos de homofobia. Um dos mais recentes foi o que teve o jogador do São Paulo Futebol Clube Richarlyson no centro das atenções. Um dirigente de outro clube insinuou que ele seria gay e ele entrou na justiça pedindo indenização. A decisão do juiz veio com mais descriminação ainda. Alguns trechos da sentença:

· "O futebol é jogo viril, varonil, não homossexual";

· "Se fosse homossexual, poderia admiti-lo, ou até omiti-lo, ou silenciar a respeito. Nesta hipótese, porém, melhor seria que abandonasse os gramados";

· "Não que um jogador não possa jogar bola. Pois que jogue, querendo. Mas forme o seu time e inicie uma federação. Agende jogos com quem prefira pelejar conta si".

O deputado federal Clodovil Hernanes (PR-SP), tantas vezes vítima de descriminação por ser homossexual declarado (ou confesso, como alguns tratam o tema) se diz contrário à legalização da união civil entre os homossexuais. "O casamento é instituição falida até no certo, ainda mais no torto. Não tem lógica um homem casar com outro, não há perpetuação. Sou a favor de mãe, de família. E tenho conhecimento. Meu pai era gay e a primeira pessoa que me seviciou foi o diretor do colégio, um padre. Ninguém tem nada para me ensinar de moral.", declarou à imprensa já depois de eleito.

Na última mudança que ocorreu no Código Civil Brasileiro, em 2001, o código passou a estabelecer que a família abrange as unidades familiares formadas por "casamento, união estável ou comunidade de qualquer genitor e descendente. O código de 1916 dizia que a "família legítima" é aquela formada pelo casamento formal, que é o eixo central do direito de família. Esta mudança abriu caminho para, dependendo da interpretação do juiz, o casamento entre pessoas do mesmo sexo ser validado perante a justiça. Outra mudança estabeleceu que o casamento é a "comunhão plena de vida", com direitos iguais para os cônjuges, obedecendo à regra constitucional segundo a qual "os direitos e deveres referentes à sociedade conjugal são exercidos igualmente pelo homem e pela mulher". O código de 1916 dispunha que o objetivo do casamento era constituir família."

Romário, técnico do Vasco

Mais uma obra dos piadistas que cismam em brincar com o futebol pitoresco que é jogado nestas terras tupiniquins.

Natal

O que (não) muda no PT

Depois de encerrado o 1º turno das eleições diretas do Partidos Trabalhadores o campo "Construindo um Novo Brasil", o ex-Campo Majoritário, já sabe que manterá a predominância interna. Terá 8 das 18 vagas da Executiva Nacional.

A chapa que carregou o deputado Jilmar Tatto ao segundo turno, "Partido é Pra Lutar", terá 4 vagas e o grupo "Mensagem ao Partido", o pessoal de José Eduardo Cardozo e Tarso Genro, terá 3 vagas.

As outras vagas ficarão com a "Articulação de Esquerda" (2) e a "Militância Socialista" (1).

Cadê o pessoal que previu o fim da "Era Zé Dirceu"?

6.12.07

IV Congresso Nacional do PSDB

Veja ao vivo a sabatina do ex-presidente Efeagacê à Folha de S. Paulo.

Entre os sabatinadores estão Luis Carlos de Mendonça e Barros, o Josias de Souza e a Eliane Catanhêde.


Clique aqui

2º turno no PT


Os filiados do PT foram às urnas e levaram os deputados Ricardo Berzoini (PT-SP) e Jilmar Tatto (PT-SP) ao segundo turno das eleições internas para a presidência nacional do partido.

Ótimo pra todo mundo, menos para o ministro Tarso Genro. O deputado José Eduardo Cardoso teve 19,02% dos votos e não conseguiu chegar à segunda etapa da disputa, mas teve uma boa campanha e se coloca como um líder do partido, mesmo não sendo de uma das tendências internas. O que é raro. Ele se declara independente.

Jilmar Tatto já foi longe o suficiente. A demonstração de força do seu grupo interno foi enorme. A ministra Marta Suplicy, entusiasta da sua campanha, mostra que pode ser candidata à presidência da República em 2010, mesmo seu projeto sendo o governo estadual, e o presidente da Câmara dos Deputados Arlindo Chinaglia (PT-SP), outro defensor da candidatura Tatto, ganha força para ser o candidato do partido à prefeitura de São Paulo.

No campo "Construindo Um Novo Brasil" há quase um consenso de que Eduardo Cardoso poderia aglutinar mais forças à sua candidatura no 2º turno. Disputar contra Jilmar Tatto, que tem sérias restrições dentro do grupo deu apoio Cardoso, praticamente garante a vitória de Berzoini.

Ah, esqueci de falar do Tarso Genro. Ceteris paribus, suas chances de ser o candidato do PT à presidência em 2010 estão sepultadas e o grupo que ele capitaneia internamente, a "Mensagem ao Partido", se mostrou mais como um "Recado ao partido", ou "Lembrete ao partido", ou quem sabe um "Post-it ao partido", ou ainda um "Bilhetinho ao partido".



Foto: Rossana Lana

Morales, democrata ou sabidão?

Interessante a proposta do presidente boliviano Evo Morales. Quer convocar um referendo popular para que o povo possa revogar seu mandato, se assim desejar. Só que ele quer colocar os mandatos de todos os governadores de estado, a maioria de oposição a ele, em xeque também.

"Se o povo me mandar embora, não tenho nenhum problema. Sou democrata.", declarou Morales. E se o povo mandar embora, no meio do mandato, os governadores de oposição como consequência desta jogada política não tem problema nenhum também, né Morales?

O referendo apenas para o mandato presidencial seria uma demonstração de apreço à democracia. Incluir os governadores no mesmo balaio seria jogada política.

Ô Mano!

Um técnico desconhecido vai treinar um grande clube que está na segunda divisão.

De forma heróica o time consegue subir para a primeira.

No ano seguinte se classifica para a Libertadores.

É vice-campeão da Libertadores.

Faz uma boa campanha no Brasileirão, mas ele não se entende com a direção que está para assumir o comando do clube e sai.

É chamado por um outro grande clube que se classificou para a Libertadores.

E o que ele faz?

Vai assumir um outro grande clube que está na segundona!

Esta é a trajetória recente do técnico Mano Menezes.

Assumiu o Corinthians (um tremendo abacaxi), mas não tem nada a perder. Com uma direção que é filhote daquela que colocou o clube onde está e com jogadores de baixa qualidade técnica, o "Timão" (reparem as aspas) pode cair para a terceirona que ninguém o culpará.

Já se salvar o alvi-negro paulistano se credencia até para assumir a seleção quando o Dunga cair.





Obs.: Vocês repararam uma pontinha de torcida minha nesta última frase?

5.12.07

PAC da Saúde

Se esse "PAC da Saúde" for realmente colocado em prática e for bem-sucedido o ministro José Gomes Temporão entra no tabuleiro de 2010.

Erro mais bobo

Já vi o Noblat falando essa besteira e desta vez no blog do Josias de Souza.

O senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), pré-candidato à presidência do Senado, não foi o presidente da CPI dos Bingos. O presidente foi o senador Efraim Morais (DEM-PB). Garibaldi foi o relator.

Que erro de foca.

4.12.07

Reações

"Não tenho dúvidas que houve um acordão envolvendo a salvação de Renan e a aprovação da CPMF", desabafou Agripino Maia (DEM-RN)

"Não tem nada a ver uma coisa com a outra. O corporativismo é muito mais forte do que a CPMF", Arthur Virgílio (PSDB-AM) perguntado pelo blog se a votação expressiva demonstrava que a CPMF seria prorrogada.

"Ele podia ser um santo de operar milagres, mas a quebra de decoro estava em colocar o Senado situação que nós estamos", membro da oposição em off ao blog.

"Renunciar à presidência do Senado foi imprescindível para ele (Renan) manter o mandato", disse o senador César Borges (PR-BA).

"Não vamos tapar o sol com a peneira. Renan teve alguns votos da oposição. Creio que inclusive do PSDB", desabafou Arthur Virgílio.

Eu já sabia!

Eu avisei.

Porque é sempre bom zoar

Do site Jacaré Banguela:

Abrem-se as cortinas e começa... bem, qualquer coisa, menos um espetáculo

15:18 Findada a chuva, começa a sessão que definirá o futuro de Renan Calheiros (PMDB-AL)!

15:24 O Democratas, por meio do seu líder José Agripino Maia (DEM-RN), anuncia que não usará seu direito de defender a cassação de Renan e passará a voz ao relator, que já tinha direito a fala como relator, senador Jefferson Péres (PDT-AM).

15:29 Clique aqui para entrar no sítio da TV Senado, que está transmitindo a sessão.

15:47 Finalmente param de falar sobre a acusação de espionagem contra os senadores Marconi Perillo (PSDB-GO) e Demóstenes Torres (DEM-GO) e começaram a discutir a acusação de hoje, que Renan teria usado "laranjas" para comprar emissoras de rádio e jornais no seu estado.

15:55 Péssima fala do senador Arthur Vírgilio (PSDB-AM). De relevante só a lembrança do baixo quorum de apenas 72 senadores. Não é possível que algum dos 81 senadores não comparecerá à sessão votará!

15:58 Renan Calheiros anuncia sua renúncia à presidência do Senado Federal!!! (Noblat, por que no te callas?)

16:11 Gerson Camata (PMDB-ES), considerado pré-candidato a sucessão de Renan, anuncia, em discurso, que votará favoravelmente à cassação.

16:18
"Se o governo escolher, dentro do PMDB o senador Jarbas Vasconcellos nós podemos fechar já agora", declarou o fanfarrão senador Arthur Virgílio.

16:21
Carta de Renância:

"Agradeço aos ilustres membros desta Casa. Agradeço sensibilizado, do mais graduado ao mais humilde, pela dedicação e empenho. Não medi esforços para estar à altura do prestígio do cargo. Mantive excelentes relações, em perfeita harmonia com os demais poderes da República.

Compreendo que presidir esta Casa é conseqüência das circunstâncias políticas. Entendo também que quando tais circunstâncias ameaçam o desempenho das atividades legislativas, é aconselhável deixar o cargo.

Assim, renuncio ao mandato de presidente do Senado Federal, sem mágoas e sem ressentimentos, de cabeça erguida, demonstrando mais uma vez que não usei das prerrogativas do cargo para me defender.

Não adotei este gesto antes pois poderia sugerir, naquele momento, a aceitação das infâmias e das inverdades."

16:27 Epitácio Cafeteira (PTB-MA), que deve seu mandato à José Sarney (PMDB-AP), amigo de primeira hora de Renan, anuncia que votará pela absolvição.

16:32 Jarbas Vasconcellos (PMDB-PE) sobe à tribuna. Um dos discursos mais esperados.

16:35 Jarbas falou pouco. Não anunciou o voto com todas as letras, mas deixou clara sua posição. Foi substituído na tribuna por Cristovam Buarque (PDT-DF).

16:38 Cristovam enalteceu seu companheiro de partido Jefferson Peres e defendeu a aprovação do seu relatório, que pede a cassação de Renan.

16:46 Agripino Maia defendeu, obviamente, a cassação. Disse ainda que as pessoas o admoestam. Admoestar? Falam a língua do povo, né.

16: 48 Pedro Simon (PMDB-RS), sempre brilhante, pede a palavra "pela ordem" para fazer uma observação importantíssima. O Senado deve funcionar hoje sob a forma do Supremo Tribunal Federal e não de um tribunal de juri, "como foi no impeachment de Collor", lembra. O presidente da sessão, Tião Viana (PT-AC) não o atende.

16:54 A sessão já conta com a presença de 81 senadores.

17:08 Discursos e mais discursos e discursos e discursos e discursos...

17:28 Continuam os chatos discursos.

17:31 Agora discursa o vibrante Eduardo Suplicy (PT-SP)"!"

17:53 Óculos para Paulo Duque (PMDB-RJ). "Eu não vejo culpa neste homem (Renan)", admitiu ele.

18:02 Paulo Duque continuo cansando meus ouvidos até dizer simpaticamente que o senador Papaléo Paes (PSDB-AP) é bem jovem. Fui atrás de saber quantos anos tem o senador citado e entrei no sítio dele (Clique aqui). Curioso: Ele nasceu no dia 27/08/1952 e faz aniversário no dia 31/07.

18:15 Demóstenes Torres (DEM-GO) faz inflamado discurso em defesa da cassação.

18:23 O discurso de Demóstenes é convincente, mas não ganhará um voto sequer. Nenhum discurso ganha voto aqui dentro. Todos os discursos de suas excelências são para mostrar suas posições aos eleitores aí fora.

18:33 O senador Aloízio Mercadante (PT-SP) falou em defesa da cassação e soltou um "adevogado" já quase no fim. A única coisa que lembro de todo o discurso.

18:39 José Nery (PSOL-AL) fala agora. E daí? Espera-se o discurso do melhor orador da Casa, senador Pedro Simon.

18:57 Pedro Simon é simplesmente brilhante. Fez a melhor defesa da cassação.

19:03 Meu Deus (falou o agnóstico), já são mais de 19h! Aqui dentro não vemos o dia escurecer e virar. Na verdade, não tenho nem como ter certeza se o dia escurecer e virou noite. Aqui dentro sim. Aqui dentro as coisas ficam cada vez mais obscuras.

19:52 Calheiros está indo melhor na sua defesa do que foram Virgílio e Péres foram na acusação.

20:29 Ô homem que fala esse Renan Calheiros! E vem falando bem.

20:32 Começa o processo de votação.

20:36 Todos os senadores votaram. E Renan abriu de votar.

20:36 Renan foi absolvido com 48 votos favoráveis a ele.

Os dois lados

O Blog do Braga acabou de conversar com dois senadores. Um defensor da cassação de Renan e um da tropa de choque do peemedebista.

O primeiro, economizando sorrisos, disse que não sabe o que pode acontecer. Declarou que votará com a sua consciência pela cassação e que assume isto publicamente. "É péssimo para o Congresso essa história de senador falar de um jeito e votar de outro", lamentou.

O soldado de Renan, bem mais simpático, aposta confiante na absolvição. "Nem a ditadura militar tirou alguém da vida pública por 15 anos. Seria uma pena muito dura. E agora é diferente da primeira votação. Antes tinha aquela história de uma mulher bonita que engravida de um nordestino na presidência do Senado... Agora quem é a mulher bonita? O usineiro vai posar pra Playboy?", brincou. "O Senado já está em clima de natal, não há clima de cassação entre os senadores".



OBS: A chuva só fica cada vez mais forte.

Chove chuva

Quando algo difícil de acontecer acontece, pelo menos lá em Chapadinha, costuma-se dizer: "Ih, vai chover!". Pois acabou de começar a chover agora sobre o Congresso Nacional, uma hora antes de começar a sessão que votará o pedido de cassação do senador Renan Calheiros (PMDB-AL). Pode ser mau sinal para ele. Poucas coisas são tão difíceis quanto o Senado da República cassar um de seus membros. Só aconteceu uma vez na história, com o empresário de Brasília Luiz Estevão (lembra Arruda?).

O clima é de tranqüilidade até agora. Nada de empurrões entre deputados e seguranças como aconteceu há alguns meses. Tudo, menos a chuva, apontando para a absolvição do alagoano.

3.12.07

Líquido e certo

Renan será absolvido amanhã. Podem me cobrar depois.

Ceni, o melhor (?)

A escolha de Rogério Ceni como melhor jogador do Campeonato Brasileiro de 2007, da qual discordo, só mostra a mediocridade do futebol jogado nesta terra tupiniquim.

Os jogadores que se destacam aqui, antes de nós sabermos se são bons mesmo, são tirados pelos grande clubes europeus ou mesmo os ricos clubes do Oriente Médio. E nós? Nós nos contentamos com Conca, Maxi Primo do Messi, Acosta e aquele boliviano que joga no Cruzeiro.

Os destaque do Brasileirão deste ano foram dois técnicos. Muricy Ramalho que conseguiu aquilo que é mais difícil do que chegar ao topo: Se manter no topo (e com 15 pontos de vantagem em relação ao segundo colocado). O outro foi Joel Santana. Sempre zoado, Joel fez mais um bom trabalho. Tirou o Flamengo da zona de rebaixamento e o levou à classificação para a Taça Libertadores da América do ano que vem.

1000

Querido amigo e querida amiga do Blog do Braga,

Vocês está lendo o milésimo post deste modésto blog! Obrigado por ter estado conosco até e continuem conosco nesta estrada.

=)

TV Brasil

Entrou ontem no ar a TV Brasil. Ainda precariamente ela vem competir sim com as TV's privadas. Não em audiência, mas em qualidade. Qualidade de programação e, sobretudo, de jornalismo.

É uma vitória de quem defende a democratização da comunicação!

Vitória da Venezuela

O resultado do referendo na Venezuela foi uma grande vitória do povo venezuelano, da democracia e um grande "Por que no te callas?" para a grande imprensa conservadora.

O presidente Hugo Chávez não terá os super porderes que desejava graças a vontade soberana de 51% do povo da Venezuela e ele respeitou o resultado. O portal do governo diz que Chávez não desistiu da reforma, que esta idéia segue viva. Legítimo, mas tudo indica que não será imposta contra a vontade popular.

Não falta democracia à Venezuela, mas se a reforma fosse aprovada abriria-se a porta para a entrada de uma ditadura.

Justo, muito justo, justíssimo

Quando foi firmada a parceria entre Corinthians e tal a MSI este blog ainda não existia, mas cansei de avisar aos amigos corintianos que aquilo não ia dar certo. Riram de mim quando conquistaram o título brasileiro, mas continuei insistindo e não deu outra.

Não me alongo, vocês sabem muito bem o que aconteceu. Com toda a justiça possível o "Timão" foi rebaixado.

Agora é juntar os cacos e lutar pelo renascimento.

Enfim, escrevo este texto já de madrugada com o domingo findado e os corintianos, se tiverem conseguido dormir, acordarão já na segunda.

2.12.07

O sucessor de Renan

Todo o mundo sabe que não há mais condições políticas para o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) voltar a presidir o Senado Federal. Com isso a corrida para sucedê-lo na cadeira mais alta do legislativo brasileiro começou e vai além dos bastidores.

Como o PMDB tem a maior bancada da Casa é consensual que um senador do partido deva ser o escolhido e nomes não faltam. O mais desenvolto é o potiguar Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), o único a assumir publicamente a pretensão de sentar na cadeira ainda quente de Renan.

Ninguém parece se importar com a deselegância e falta de lealdade de Alves. A oposição, muito pelo contrário vibra. Garibaldi estreitou relações com os oposicionistas quando foi o relator da CPI dos Bingos (vulga CPI do fim do mundo). Depois disto concorreu ao governo do seu estado em 2006 com o apoio da outra oligarquia daquele feudo, os Maia’s. Há alguns anos ninguém imaginaria ele sendo aliado de José Agripino Maia (DEM-RN), mas este é um dos maiores entusiastas da sua postulação.



Quer saber o que Agripino falava sobre ele há alguns anos?







Isto é política!

1.12.07

Lula, FHC e o Satanás

“Venha buscar de volta o que o Satanás lhe tirou” – esse era o conteúdo de uma faixa afixada na porta de uma igreja, não sei de qual seita. É claro, lógico, que todas as pessoas sempre sentem a falta de alguma coisa, podendo ser de saúde, de dinheiro, de um parente que faleceu ou qualquer outra coisa. Tudo isso foi Satanás quem retirou. Pode ser um tremendo jogo de marketing, mas pode ser também uma forma de tripudiar sobre a ignorância alheia. De qualquer forma, os incautos passam a achar que é uma verdade.

Esse jogo de palavras tem endereço certo. Em alguns casos, quando dito por órgãos da imprensa ganha uma dimensão maior, mesmo porque uma parcela da população acredita que “se está nos jornais ou foi dito na televisão, é verdade absoluta”.

Disto se valem alguns jornalistas para “formatar” opinião na sociedade. Como não é proibido, como não tem censura, como existe a liberdade de imprensa, os que militam na área (apenas alguns) se dão ao direito de fazer comentários ainda que não sejam da sua área de atuação. Vê-se, então, comentarista político falando de economia, colunistas de economia falando de política, e até um “piegas”, antes cineasta, falando de economia, e por aí vai. É um “Deus nos acuda”. Só que eles têm que ter cuidado para fazer algumas afirmações.

Por exemplo: em qualquer país, em qualquer situação, os recursos existentes numa economia são ditos escassos. Por que isso? Porque são tantos os desejos e necessidades dos seus habitantes que, comparativamente, não existe ou nunca existirão recursos suficientes para atendê-los na sua totalidade.

Dizer que as pessoas têm necessidades, que o governo não consegue atendê-las é colocar o governo lado com o Satanás antes referenciado. Da mesma forma é afirmar que a economia brasileira vai bem mas podia estar bem melhor. Não só é válido para a economia brasileira, mas para qualquer país.

Mas afirmar que a economia brasileira vai bem porque aproveitou a “boa” herança do governo de FHC é desconhecer a legião de famintos, sem escola e sem saúde que foi herdado do governo anterior. É desconhecer que os incautos que venderam (?) a Vale do Rio Doce deveriam estar presos.


Newton Braga,
Professor de economia do Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB)

29.11.07

As garrafinhas do PT

Amanhã os filiados do Partido dos Trabalhadores (PT) vão às urnas eleger suas direções partidárias em todos os níveis: Nacional, estadual, municipal e zonal.

Na disputa nacional o favorito é Ricardo Berzoini. Ele é o atual presidente e candidato do campo "Construindo um Novo Brasil" (o ex-“Campo Majoritário”, é grupo que deu linha ao partido nas últimas décadas e que conta com as maiores estrelas como José Dirceu, Marco Aurélio Garcia e Luiz Dulci), mas outros três postulantes podem fazer a diferença.

O deputado José Eduardo Cardoso é o candidato do campo "Mensagem ao Partido" (norteado pelo ministro Tarso Genro) e tem o apoio da imprensa. Tem grandes chances de ir ao segundo turno com Berzoini, mas perde muito tempo criticando a atual direção o que lhe afasta de 45% do partido que vota com o ex-campo majoritário.

Jilmar Tatto é o candidato de Marta Suplicy, do presidente da Câmara Arlindo Chinaglia e da tendência "Movimento PT". Tem feito uma campanha forte e pode chegar ao segundo também.

Valter Pomar é quem tem menos chances destes candidatos. Maior nome da tendência Articulação de Esquerda ele apoiará o candidato que disputar o segundo turno com Ricardo Berzoini.

Quem ganhará? Quem tiver mais “garrafinhas”.

Como no PT quem decide são os filiados por meio de eleição direta as tendências fazem filiações em massa e quem conseguir fazer isso com mais competência ganha mais votos de cabresto, o que acaba decidindo eleições. Ao invés de se decidir por meio de um debate qualificado decide-se contando os votos como quem conta garrafas.

Esta não é uma prática desta ou daquela da tendência, mas sim generalizada. Salvo as tendências minúsculas todas fazem isto. Esta prática é extremamente danosa ao partido que tem sua militância inchada com pessoas sem compromisso ideológico.

No III Congresso do partido, realizado em setembro último, foi aprovada uma resolução dizendo o seguinte: "(...) para que o PT se consolide, definitivamente, como um partido de massa e evite o surgimento ou consolidação de práticas coronelistas, temos de facilitar o acesso de quem quer se filiar ao PT." Não, ora. Muito pelo contrário. O partido deveria dificultar as filiações e valorizar os militantes ideológicos.

Eu, Braga, votarei nas eleições petistas como filiado que sou. Votarei no atual presidente Ricardo Berzoini. Por dois motivos:

  1. Valorizar o campo “Construindo Um Novo Brasil" que é o maior responsável pelo PT ter chegado onde chegou e nunca fazendo o jogo da imprensa contra o próprio partido.
  2. Contrariar a grande imprensa.

À CPMF

Nesta enorme falta de pautas falemos da tal prorrogação da CPMF.

Já deixei claro que este blog apóia a prorrogação da contribuição. Mais: apoiamos a instituição deste tributo como permanente.

A batalha no Senado para aprovar a prorrogação será difícil, mas o governo deve acabar vencendo. Grande parte destes que estão por aí fazendo reuniões e prometendo votar contra a Emenda Constitucional estão apenas valorizando seus passes, fazendo com o governo lhes prometa mais cargos e verbas para eles votarem com a base.

Os senadores de estados em situações financeiras críticas, mesmo não compondo a base do governo, serão pressionados até o último momento para não causarem essa redução de receita que seria o fim da CPMF e, se forem prudentes, acabaram votando responsavelmente. Cicero Lucena (PSDB-PB), João Tenório (PSDB-AL), Pedro Simon (PMDB-RS) são exemplo.

Outros serão pressionados pelos seus governadores por questões políticas. Jayme Campos (DEM-MT), Jonas Pinheiro (DEM-MT), Eduardo Azeredo (PSDB-MG) estão nesta categoria.

Com as barganhas que este governo sabe fazer muito bem a proposta acaba sendo aprovada.

27.11.07

IDH de primeiro mundo...

e condições sociais de terceiro mundo.

Não vou nem escrever muito sobre esta melhor no IDH brasileiro.

Para um país com a desigualdade brasileira esta melhora é quase nada.

Metade das terras no Brasil está na mão de 1% da população.

Impagável

Homossexualidade e o direito à cidadania

Lula, o ecumênico ou o homem da barganha?

O ministro Franklin Martins anunciou nesta segunda-feira os membros do conselho curador da TV Brasil.

*********************************************

Clique aqui

*********************************************

Nenhum nome me chamou tanto a atenção quanto o de José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni. Dono da TV Vanguarda, consultor e ex-manda-chuva da Rede Globo ele é o símbolo de como o presidente Lula tenta agradar a todos.

A TV Brasil está sendo criada como alternativa de qualidade a tudo isso que nós vemos na TV privada e o presidente indica a alma do que a de pior na área!?

Desde a campanha de 2002, Lula virou um ser ecumênico, quer agradar todo, mas é que ele tem que agradar todo mundo. Ele não tem os apoios naturais necessários para conduzir um governo neste país. Por isso ele dá cargos, libera emendas, chora no funeral de Roberto Marinho.

Não é só ecumenismo, é barganha também.

26.11.07

Tragédia baiana

O que aconteceu no estádio da Fonte Nova ontem a noite foi uma tragédia anunciada. O diretor da Sudesb (Superintendência de Desportos da Bahia), o ex-jogador Bobô, agora diz que não havia sinal de que algo como isto poderia acontecer. Claro que havia, ainda há.

O anel superior onde aconteceu a tragédia foi inaugurado na década de 1970 e nunca houve, segundo informações, reformas estruturantes. E o governador da Bahia Jacques Wagner, considerado pré-candidato a presidência da República em 2010, ainda diz que não sabe se o problema foi apenas naquele ponto do estádio ou é generalizado. Ora, governador! Estamos falando do pior estádio do Brasil! O estádio grande com a pior estrutura neste país!

Wagner agiu rápido, apareceu em público mostrando seus sentimentos de pesar, interditou o estádio que seu governo havia liberado. Fez o mínimo que poderia fazer. Seu governo é o responsável pela tragédia e isso pode descartar a bela cidade de Salvador das pretendentes a sede da Copa do Mundo 2014.