8.11.06

A imprensa não é (toda) tucana

Dia desses conversava com um colega e levei um susto ao ouvir dele a frase: "A ISTOÉ é petista”.

Com exceção a Carta Capital, parei de ler revistas. De vez em quando folheio as páginas da Veja só por curiosidade, mas desde a crise do valerioduto criei o conceito de que a imprensa, salvo as exceções, é toda tucana. Não é.

A ISTOÉ não é petista, mas basta uma lida no seu último, quer dizer último não, mais recente exemplar para notar seu alinhamento ao governo Lula. A Carta Capital apoiou abertamente a candidatura de Lula. Paulo Henrique Amorim é esquerdista. Franklin Martins é esquerdista, Helena Chagas é esquerdista.

Ora, o PT tem que parar de reclamar da imprensa. É óbvio que se eu fosse citar a parte tucana da imprensa gastaria muito mais espaço, mas é necessário entender que os veículos de comunicação miram em públicos-alvo diferentes. Eles têm seus interesses econômicos, suas convicções ideológicas e nunca serão imparciais. Paciência.

Nenhum comentário: