14.9.06

Vedoin acusa Serra


A próxima edição da revista ISTOÉ virá com uma entrevista do empresário Luiz Antonio Vedoin, dono da empresa Planam, que ocupará sete páginas. Nessa entrevista Vedoin afirma que pagou propina a José "compromisso" Serra, na época ministro da Saúde, e a Barjas Negri, secretário-executivo do ministério, para que liberassem grana destinada à compra superfaturada de ambulâncias.

Duas observações:
Por que esse empresário faz essas denúncia parceladas? Por que um dia ele acusa um, no outro ele acusa outro e assim sucessivamente? Por que não declarou tudo que tinha para declarar logo de primeira?

Mais uma denúncia e não quero saber a filiação partidária do acusado. A denúncia tem que ser investigada, a verdade tem que ser alcançada e os culpados punidos, ponto.

Um comentário:

José Daniel disse...

Direto da Boca do Jacaré: SERRASSUGAS fazem mal a saúde.
Por José Daniel Farias (*)

Ao final desta, anunciamos a nova campanha do Ministério da Saúde, para prevenção aos Serrassugas, Sanguessugas e Sugas em geral. Antes, apresentamos matérias que por si sós (1) caracterizam o título da coluna anterior “SERRASSUGAS, filhotes do Serra” e que por sugestão de leitores complementamos como “SERRASSUGAS, filhotes do Serra e netos do FHC.”:

“Em 2000 a Planam conseguiu vender através do esquema Sanguessuga 131 ambulâncias, saltando para 317 ambulâncias em 2002.

Com a posse do governo Lula o esquema foi sendo desmontado com a venda de apenas 71 ambulâncias em 2004. Repare que essa queda ocorreu mesmo antes da denúncia apresentada pelo CGU no final de 2004.

Uma análise isenta dos dados revela que tal esquema foi montado e se desenvolveu na gestão FHC/Serra e foi combatida e minguou na gestão Lula/Humberto Costa.

Não é a toa que o dono da Planam , Vedoin, em depoimento a Polícia Federal disse que apoiava a eleição do presidenciável Serra em 2002, pois entendia que, assim o esquema Sanguessuga teria continuidade nos anos seguintes.

Se é verdade que, por enquanto, não há provas de eventuais benefícios financeiros à José Serra e sua campanha, já pode dizer que ele colheu dividendos políticos do fato.

A revista Isto É, de 02/08/2006, nas páginas 37 e 38 mostra o então Ministro José Serra participando em 2001, junto com três deputados Sanguessugas da entrega de ambulâncias compradas junto à Planam com recursos de emendas parlamentares e distribuídas a prefeituras do Mato Grosso.

Pode-se considerar que a gestão José Serra à frente do Ministério da Saúde pariu o esquema Sanguessugas e que, portanto, a população do Brasil e especialmente eleitores paulistas gostariam que, ao invés de ficar fugindo do debate, o atual candidato peessedebista em São Paulo explicasse esses acontecimentos.

Dos 591 municípios beneficiados pelo esquema Sanguessuga/Planam os campeões são aquelas administradas pelo PSDB (partido de aluguel do PFL e do Banqueiro Jorge do Banco Único – grifo e inclusão Jacarezianos) com 128 municípios, e pelo PFL com 107.”

Querem mais? Vide então outra matéria que nos chegou pelo Yuri:

14/09/2006 - Vedoin diz que pagou propina a Serra.
http://noblat.estadao.com.br/noblat/visualizarConteudo.do?metodo=exibirPosts&data=14/09/2006#post25483

“Luiz Antônio Vedoin, dono da Planam e chefe da Máfia dos Sanguessugas, deu entrevista que ocupará sete páginas da próxima edição da revista ISTO É.

Ele disse que pagou propina a José Serra, na época ministro da Saúde, e a Barjas Negri, secretário-executivo do ministério, para que liberassem grana destinada à compra superfaturada de ambulâncias.

A grana era repassada para os dois pelo empresário do ramo da construção civil Abel Pereira, de Piracicaba, São Paulo.

Vedoin apresentou cópias de 15 cheques que diz ter passado para Pereira. E citou o nome de duas empresas nas contas das quais depositou dinheiro a pedido de Pereira:

* Kanguru, uma factoring de São Paulo;

* e Datamicro, empresa da área de informática de Governador Valadares, Minas Gerais.”

Os fatos por si sós recomendam a execração pública dos infratores, além da punição devida.

(1) Por si sós ou Por si só – (Fonte: www.linguabrasil.com.br)

"A expressão 'por si só' é usada sempre no singular ou deve também ser flexionada no plural? Deve-se pluralizar a expressão de acordo com o substantivo em referência. Quando reforça o pronome "si" (que serve para singular e plural), a palavra "só" tem valor adjetivo e é portanto flexionável. É como se disséssemos "a ação por si mesma, as provas por si mesmas, os fatos por si próprios". Alguns exemplos:

* Os fatos por si sós recomendam a punição do infrator.
* As provas apresentadas, por si sós, foram suficientes para caracterizar o dano.

A Coluna Direto da (meia) Boca do Jacaré, ainda em tratamento dentário e implantando dentes, continua apresentando cultura, mas “mordendo” sempre. Nhac, ... Nhac, ... Nhac ...

E agora, anunciamos a nova Campanha do Ministério da Saúde:

“ O Ministério da Saúde adverte: SERRASSUGAS fazem mal a saúde. Previna-se, Use o voto”.

(*) José Daniel Farias - 48 anos, Natural de Curitiba, Analista de Sistemas